terça-feira, julho 5, 2022
InícioÁfrica e sua diásporaPatrimônio CulturalSangue B - Emicida estreia como VJ nesta segunda, na MTV

Sangue B – Emicida estreia como VJ nesta segunda, na MTV

Especialista em improvisar rimas, Emicida não está muito nervoso para sua estreia como apresentador à frente do “Sangue B”, novo programa da MTV no ar a partir desta segunda-feira, às 21h. Além do talento para lidar com o inusitado, o VJ leva vantagem por saber bem do que está falando: uma das principais revelações do hip hop nacional dos últimos tempos, Emicida é um fã de black music desde a infância.

– Meu pai era DJ de baile black, então, cresci carregando caixas de vinil. Quando eu vi, na minha adolescência, tinha voltado para esse mesmo gênero e estava viciadão em jazz, soul e, claro, já gostava de rap. A atração vai ter liberdade para traçar um panorama bem abrangente – explica.

Abrangência parece ser mesmo a palavra de ordem do “Sangue B”. Emicida fará entrevistas, matérias na rua, cobertura de festivais e apresentará clipes de gêneros tão diversos quanto hip hop, soul, R&B, funk, reggae e rap. Tudo isso levando em conta o contexto histórico e as novidades mais frescas do mercado, no Brasil e no mundo. Segundo o VJ, o objetivo do programa é fazer desde um apanhado de bandas que mudaram a história da música negra, como os americanos do Public Enemy, até apresentar novatos, como Projota e o MC Rashid:

– É uma soma de tudo: mostrar como o que já aconteceu influencia o movimento que está rolando hoje. A cultura hip hop está num momento efervescente no Brasil. Tem muita coisa de qualidade surgindo e acho que o “Sangue B” pode funcionar como uma boa vitrine.

Emicida completa um time – já formado na MTV, por exemplo, por Chuck Hipolitho, no “Big audio”; China, no “Na brasa”, e Arnaldo Antunes, no “Grêmio Recreativo” – de músicos que assumem a função de apresentadores. O rapper não acredita que é uma obrigação ter profissionais da área apresentando atrações musicais, mas concorda que isso facilita a possibilidade de sucesso:

– A obrigação é ter pessoas que entendam do que estão falando, independentemente de serem músicos. Mas é claro que estou à frente de algo que vivo diariamente, acabo tendo uma sensibilidade maior.

Fonte: Globo

Artigos Relacionados
-+=