quinta-feira, maio 28, 2020

    Tag: Feminista

    blank

    Homens cantam ‘lacração’ e esquentam debate sobre letras feministas e ‘lugar de fala’ na música

    Letras com tom de empoderamento têm sido criadas e cantadas por eles; sertanejo diz que 'estilo está em alta'. Para pesquisadora, é preciso ir além do lacre. Por Carol Prado, G1 Já que empoderamento se tornou palavra de ordem na música pop, alguns homens decidiram que também querem lacrar. Letras que arriscam tom feminista têm sido criadas e cantadas também por eles. “Esse estilo está em alta no mercado”, diz ao G1 Mariano, da dupla com Munhoz. Os dois lançaram em novembro “Mulherão da porra”, um funknejo com bordão em alta no vocabulário do tombamento. A letra fala sobre uma garota mais interessada na balada do que num relacionamento sério. Ele explica: “Temos que enfiar na cabeça das pessoas que mulherão da porra não é só a siliconada, que vai para a academia. É a mulher guerreira.” A dupla Munhoz e Mariano (Foto: Equipe MW Produções/Divulgação) As bandas Oriente ("Linda, louca e ...

    Leia mais
    blank

    Debates sobre racismo e branquitude marcam Encontro Feminista Latinoamericano e Caribenho

    Três dias, mais de 2.060 mulheres credenciadas, 82 atividades autogestionadas, 30 países, 10 eixos temáticos de debate com suas respectivas assembleias, múltiplas manifestações culturais e um incontável número de reuniões paralelas. Assim foi o 14º Encontro Feminista Latino-americano e Caribenho, ocorrido entre 23 e 25 de novembro em Montevidéu, no Uruguai, com o tema “‘Diversas mas não dispersas”. Pela primeira vez em 36 anos, os debates sobre racismo no interior do feminismo e como os privilégios vivenciados por brancas ou não negras e indígenas são entraves para a efetiva emancipação das mulheres e reforçam as desigualdades sociais compuseram um eixo temático do Encontro. por Luciana Araujo para o Geledés Instituto da Mulher Negra Os principais objetivos do Encontros Feministas (EFLACs) são: contribuir com o fortalecimento da democracia na América Latina a partir da incorporação dos direitos humanos das mulheres nas agendas dos Estados e das sociedades, desde uma perspectiva feminista, e ...

    Leia mais
    blank

    Caminhos e tropeços de uma velha feminista

    Generadas³: feminismos em pauta - Um mosaico abrangente da atual produção cultural feminista que reflete a complexa experiência Do Sesc Palestra com Heloísa Buarque de Hollanda Hoje a onda feminista jovem mostra uma intensidade e um impacto inéditos na historia do ativismo de mulheres. Quais são os diversos formatos e programas das ondas feministas anteriores que apontam possíveis continuidades no "novo ativismo"? A primeira onda feminista com a luta pelo direitos de cidadania iguais para homens e mulheres (fim do séc. XIX e início do séc. XX) e a segunda pelos direitos trabalhistas e individuais (por volta dos anos 60 e 70) foram seguidas por uma terceira onda: a contestação das definições essencialistas da feminilidade e uma reivindicação pelo direito de interpretar, performar os gêneros, momento no qual a vivência e experiência de Heloísa com o feminismo se intensifica (anos 90). A partir desse panorama, a professora pretende mostrar como o ...

    Leia mais
    blank

    Uma breve história do feminismo africano

    Começo este artigo por dizer "enfim". A razão para minha exasperação é a sugestão contínua de que o feminismo não é africano - o que quer que seja ser africano signifique. Pessoalmente,  nunca recebi instruções de como ser um Africana! Por MINNA SALAMI, do Ondjango Feminista  A verdade é que o feminismo é uma necessidade absoluta para as sociedades africanas. Nós ocupamos o mais baixo lugar no índice global da igualdade de género, temos alguns dos números mais elevados de violência doméstica, o número mais elevado de circuncisões e mutilações femininas, e de outras tradições prejudiciais (que não preciso mencionar). No entanto, continuo a ver artigos que começam de forma promissora, mas que fazem afirmações como “... o principal objectivo da mulher nigeriana é o imperativo da construção da família como o primeiro passo na construção da nação” e “as mulheres africanas não sentem a mesma urgência ou necessidade de se ...

    Leia mais
    blank

    Onjango feminista: o centro da emancipação e desalienação feminina

    Os homens, por meio das religiões monoteístas, construíram na memória colectiva de quase todo mundo a imagem de um ‘Deus-Pai’ de quem somos imagem e semelhança e que com suas leis ‘inquestionáveis’ silenciou e subjugou a mulher ao homem. Com o surgimento da colonização cristã e do ideário expansionsta islâmico, em muitas culturas africanas, para além do modo de ser e estar endógeno, a mulher passou a ser vista como um ser inferior, de segunda categoria, sem estirpe e expressão. A figura da mulher viu-se alienada e oprimida. E em Angola não se fugiu à regra. Por: Lourenço Mussango, do Jovens da Banda  Passaram-se anos, mulheres como Nzinga Mbandi, Kimpa Vita e Deolinda Rodrigues fizerem eco no seu tempo e emanciparam-se. Mas o eco foi efémero e muito cedo caiu por terra. Porém, depois de muito tempo de silêncio, em Junho do ano passado, duas jovens cultas (Sizaltina Cutaia e ...

    Leia mais
    WASHINGTON, DC - SEPTEMBER 28: Author Chimamanda Ngozi Adichie reads from one of her novels during the Washington Ideas Forum at the Harman Center for the Arts September 28, 2016 in Washington, DC. Adichie said she would have a very difficult time writing about racism and the recent shootings of unarmed black men in America, saying, "I almost feel that language has failed me." (Photo by Chip Somodevilla/Getty Images)

    ‘Mulheres, parem de tentar agradar. Não é sua função’: Chimamanda N. Adichie

    Chimamanda Ngozi Adichie não se importa se não gostam dela. Muitas mulheres se importam com isso, diz ela, e isso não é apenas desaconselhado, é prejudicial. “Não é seu trabalho agradar. Seu trabalho é ser você mesma”, diz ela. “Alguém gostará de você mesmo assim.” no Estadão Milhões de pessoas como Chimamanda Ngozi Adichie ao menos. Ela é a autora dos best-sellers Americanah (mesmo título no Brasil) e Half of a Yellow Sun (Meio Sol Amarelo). Ela é o rosto de uma empresa de maquiagem. O título de sua palestra TED de 2013, We Should All Be Feminists (Devemos ser todos feministas), está estampado em camisetas de designer usadas por celebridades como Rihana, Natalie Portman e Jennifer Lawrence. Beyoncé sampleou sua fala numa canção. Ela ganhou um prêmio “gênio” da MacArthur, um National Book Critics Circle Award – e tem estado na lista das mais bem-vestidas de Vanity Fair. [caption ...

    Leia mais
    blank

    Toda feminista é mal amada

    E ela só é mal amada porque é mulher. Sou uma delas e posso dizer que sou, sim, muito mal amada. por Luíse Bello no HuffPost Brasil O título alarmante é pra chamar atenção mesmo e dizer que eu concordo com este que é o argumento mais batido daqueles que querem atacar o feminismo. É verdade. Toda feminista é mal amada. E ela só é mal amada porque é mulher. Sou uma delas e posso dizer que sou, sim, muito mal amada. Sou mal amada desde criancinha quando me ensinaram que o meu mundo era um tanto quanto limitado. Na escolinha onde estudei até a quarta série (não sei o equivalente no mundo atual), o único brinquedo que havia no pátio era uma mesa de totó. Muito velha, muito capenga, mas era um sucesso - e exclusiva para os meninos. Eu já não gostava de futebol, mas tinha tanta vontade ...

    Leia mais
    blank

    23 formas de uma mulher empoderar a outra indicadas por ONGs e coletivos feministas

    Atitudes e ações práticas para que empoderamento seja mais do que uma palavra da moda. Por Susana Cristalli, do BuzzFeed Pedimos para mulheres à frente de ONGs, coletivos e publicações feministas dar dicas práticas de como mulheres podem empoderar umas às outras. A Viviane Duarte do Plano Feminino, a Maíra Liguori do Think Olga, a Monique Evelle do Desabafo Social, a Nathalia Parra da Frente Feminista Casperiana Lisandra (coletivo de alunas faculdade paulistana Fundação Casper Líbero), a Letícia Bahia da revista AzMina, a Raquel Marques da ONG Artemis e as meninas da revista teen feminista Capitolina responderam com estas sugestões. 1. Seja a amiga que você gostaria de ter. Revista Capitolina / Instagram / Via instagram.com Valorize as qualidades de suas amigas e faça elas acreditarem que podem fazer acontecer. E sempre dê apoio a uma amiga que precisa de colo. 2. Não veja outra mulher como rival só por ...

    Leia mais
    blank

    ‘Meninas são ensinadas a ficar caladas e sorrir quando discordam’, diz autora feminista que estourou na voz de Beyoncé

    Durante a infância em Nsukka, no sudeste da Nigéria, a escritora Chimamanda Ngozi Adichie, de 39 anos, era quem tinha de ajudar nos afazeres domésticos. Seu irmão sequer era chamado. Da mãe, ouvia sempre como era importante saber cozinhar para o marido, ou sobre como se comportar em uma discussão: "é melhor ficar calada, fingir. Se você não concorda, sorria, é assim que as mulheres fazem". Por Renata Mendonça, da BBC 'Eu queria um mundo onde pudéssemos criar crianças sem pensar em gênero', disse Adichie (Foto: Ivara Esege) Algumas décadas depois, Adichie acabou se tornando uma das mais consagradas escritoras da Nigéria, referência do feminismo no mundo inteiro - seu ensaio Sejamos Todos Feministas foi bestseller em vários países - e autora de livros premiados e adaptados para o cinema nos Estados Unidos. Ela vive desde os 19 anos nos EUA, onde sua obra e seu engajamento ...

    Leia mais
    blank

    Mostra de cinema feminista chega a BH com mais de 40 sessões e rodas de conversa

    O dia 8 de março, data símbolo das lutas das mulheres contra o machismo celebrada na próxima quarta-feira, também marca o início da “3ª Mostra de Cinema Feminista”. Nesta edição, o evento acontece no Sesc Palladium, de 8 a 12 de março. Serão exibidos mais de 40 filmes dirigidos por mulheres. Durante todo o evento, a entrada é gratuita. Por Érica Santos, do BHAZ Além disso, serão realizados debates com diretoras convidadas e mesas redondas com temáticas relacionadas às questões do feminismo contemporâneo. Os filmes são exibidos entre 17h e 22h. Exceto domingo, quando as exibições começam às 16h. O evento tem organização do Coletivo Malva. As exibições são distribuídas em sessões que trazem em seus nomes os gritos ecoados pela luta feminista ao longo dos anos. Na abertura da mostra, 8 de março, dia “Internacional da Mulher”, a abertura é com as sessões “O corpo é meu” e “Mexeu com uma mexeu com todas”. Os ...

    Leia mais
    blank

    O depoimento dessa mãe é mais do que um debate: é uma aula essencial sobre feminismo

    Ser mãe é daquelas coisas difíceis de explicar, gente: sempre tem alguém prontinho para atirar uma pedra. Não amamentou? Nooossa, que irresponsável! Amamenta em público? Despudorada… E por aí vai! Agora imagina o fuzuê quando essa mãe feminista decidiu comprar um fogãozinho rosa para sua filha. Fonte: Hypeness Rogéria Rizette Linares escreveu um depoimento no Facebook sobre como uma amiga teria reagido ao fato de ela comprar o fogãozinho para a filha, uma menina de três anos. “Você deu um fogão e panelas pra sua filha? Deve ter doído no seu feminismo.“, teria dito a amiga. Diante disso, Rogéria sentiu que precisava esclarecer algumas coisas sobre o que significa feminismo. E o depoimento dela é simplesmente inspirador. “Sou feminista e dei um fogãozinho rosa pra minha filha. Porque quero que ela brinque com suas panelinhas, com suas filhas de brinquedo, suas maquiagens coloridas, que se imagine sendo uma princesa coberta de ...

    Leia mais
    blank

    2017 será um ano feminista

    As reviravoltas de 2016 prepararam o terreno para o florescimento da resistência das mulheres em um Brasil ainda mais conservador Fonte: Carta Capital por, Debora Diniz Os últimos dias do ano são de retrospectiva. Os analistas gostam de lembrar o vivido para antecipar o que nos espera. Há os analistas econômicos, os políticos, até os religiosos. Os homens de batina, por exemplo, mostram que 2017 será um ano difícil para o Papa Francisco: há muita gente de olho nas mudanças liberais do Papa sobre aborto ou casamento. Minha retrospectiva será feminista e começo com uma sentença: 2016 foi um ano preparatório para a reviravolta feminista em 2017. Primeiro, porque se golpeou a primeira mulher presidenta da história do país. Foi golpe e ela foi golpeada. É isso mesmo – a sacaram do poder por uma artimanha, e os autores do golpe mais parecem personagens de comédia malfeita. O fatídico 17 ...

    Leia mais
    blank

    MC Carol une forças com Karol Conka para falar de feminismo em single

    ‘100% feminista’ tem produção de Leo Justi e Tropkillaz e estará em novo disco da funkeira Por LUCCAS OLIVEIRA, do O Globo  A relação entre MC Carol e Karol Conka, fortes figuras femininas no funk e no rap brasileiro, começou neste ano, quando Conka convidou a funkeira niteroiense para participar de seu show no festival Lollapalooza — na ocasião, Carol apresentou “Toca na pista” e fez dobradinha com a anfitriã no hit “Tombei”. Agora, a parceria ganha força em “100% feminista” (ouça abaixo, em primeira mão), single que tem produção dos renomados Leo Justi e Tropkillaz e estará no próximo disco de MC Carol, a ser lançado nas próximas semanas. Depois de “Delação premiada”, música em que criticou a violência policial nas comunidades e fez um contraponto com o “tratamento diferenciado” que políticos e membros da elite recebem da Justiça e das próprias forças policiais, Carol volta a falar do feminismo, ...

    Leia mais
    blank

    Feministas se elegem vereadoras em busca de representatividade para mulheres

    Em 2016, um grupo de vereadoras se elegeu prometendo a eleitores levar representatividade feminina às câmaras municipais, um espaço tradicionalmente composto por maiorias masculinas. Num ano em que as redes sociais impulsionaram questões como violência contra mulheres e inclusão, candidatas de cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, Niterói e Belo Horizonte encontraram terreno fértil para divulgar suas propostas. Do Extra    No Rio, Marielle Franco (PSOL) foi a quinta vereadora mais votada e está entre as oito mulheres eleitas — em um total de 51 cadeiras da Câmara. Em seu perfil no Facebook, a vereadora fala da importância da representatividade feminina. “Sempre precisamos disputar o nosso lugar na sociedade. Seja na luta pela vida nos nossos lugares de moradia como na favela, subúrbio e espaços populares, seja pela falta de representatividade na política. Nós mulheres estamos historicamente disputando nosso lugar no trabalho, na vida pública e na política, que ...

    Leia mais
    blank

    Teologia feminista: Deus tem gênero?

    Se procurarmos por teologia feminista na wikipédia surge-nos a descrição “um movimento encontrado em várias religiões, como budismo, cristianismo e judaísmo, que reconsidera as tradições, práticas, escrituras e teologias dessas religiões a partir de uma perspetiva feminista.” Talvez a forma mais simples de explicar o que é isto da teologia feminista, seja dizer que se trata do estudo feito por mulheres, no sentido de serem livres no universo da religião. No fundo, este movimento surgiu como uma forma das mulheres reagirem com eficácia à unilateralidade da teologia dominante e à prática eclesial, que se apresenta como uma contribuição incompleta da teologia já que exclui quase por completo as mulheres. O objetivo é claro: fazer existir uma teologia da integridade, onde os gêneros coexistem e se completam. Por CLÁUDIA LUCAS CHÉU, do Delas Woman`s Bible Comecemos por explicar, então, a sua génese: no final do século XIX, um grupo de mulheres cristãs ...

    Leia mais
    blank

    ‘Véu também é liberdade’: a vida de uma muçulmana feminista no Brasil

    Dana Albalkhi, 27, veste uma jaqueta de couro, brincos dourados de bolinha e jeans quando encontra a reportagem da BBC Brasil. Formada em literatura inglesa, ela dá aulas num colégio particular de São Paulo e quer voltar a estudar. Sozinha no Brasil, onde chegou há três anos, fez vários amigos brasileiros, e sente saudades da família que deixou na Síria. Dana é muçulmana, mas sua religião - e o véu florido que usa sobre a cabeça - não são o que melhor a definem. Por Ingrid Fagundez Do BBC Feminista, a professora diz que, para ela, o hijab é uma forma de liberdade, e não de opressão, como costuma ser encarado. Em agosto, 30 cidades do litoral francês proibiram a utilização do burquíni (traje de banho islâmico,) porque alguns o consideravam uma provocação contra os valores ocidentais. Há duas semanas, a principal instância administrativa francesa, o Conselho de Estado, suspendeu os ...

    Leia mais
    blank

    Mulher, negra e lésbica: Conheça MC Luana Hansen e seu rap feminista

    Desde sempre, a cultura do hip hop tem um caráter libertário muito forte. No Brasil, as vozes do rap sempre colocaram suas rimas em favor do protesto, em prol da luta pelos direitos da população negra e periférica. Só que o grito por respeito infelizmente anda de mãos dadas com a opressão. Ser mulher no hip hop não é tarefa fácil, como já falou abertamente a empresária Eliane Dias, produtora dos Racionais MC's e esposa de Mano Brown. Do 24Horas "Num movimento machista como esse, quando se é mulher aí já fica tenso. Agora ser mulher feminista e lésbica é viver pisando em ovos. É luta constante pra se fazer visível, se fazer respeitada", diz Luana Hansen, rapper paulistana que é hoje uma importante voz combativa dentro do hip hop nacional. Aos 35 anos, Luana já tem 16 de carreira e dedica sua música ao protesto de cunho feminista, negro ...

    Leia mais
    blank

    Feministas heterossexuais são hipócritas?

    Por se tratar de um assunto extremamente delicado e cheio de nuances, como todas as expressões da humanidade, algumas coisas precisam ser ditas preliminarmente. Esse texto não tem como pretensão definir de onde vem a sexualidade humana: se ela é uma união de conceitos biológicos, políticos e sociais, ou uma pré-disposição trabalhada no decorrer da vida do ser humano ou até mesmo um completo fruto de socialização. Esse texto tem como motivação questionar o conceito de que “toda feminista precisa ser lésbica” ou a ideia de que feministas heterossexuais estariam envoltas em hipocrisia enquanto questionam os padrões da relação heterossexual pré-estabelecidos pela sociedade misógina atual. E incitar reflexões acerca do padrão heterossexual existente e dos limites da sexualidade humana. Por Maria Clara Bubna, do Medium  É um assunto polêmico. É uma pauta que vai englobar questões de extremas sutilezas, intimidades, vontades e doutrinações. Diante de toda complexidade, ela se transforma em ...

    Leia mais
    Young woman is holding both hands up in caution as if to say stop.

    Disso as feministas não falam

    Já parei de contar as vezes em que algum desconhecido, quase sempre um homem, mandou um link ou cobrou posicionamento por alguma coisa que aconteceu com alguma mulher, em algum lugar. Por Clara, Lugar de Mulher  DISSO VOCÊS NÃO FALAM, NÉ?, dizem as pessoas que só estão nas redes pra encher o saco dos outros e não sabem nada do que está sendo dito ou feito. Essas pessoas querem realmente que as feministas falem sobre alguma coisa? É claro que não. O que elas querem, então? Ora, pois: querem que percamos tempo nos explicando. Elas querem todas se sentindo mal e pensando “puxa vida, é mesmo, o que eu faço não vale nada”. Elas querem nos ridicularizar, tirar nosso sono, comer nosso tempo, encher nosso saco até que ele fique tão cheio que não façamos mais nada. Querem nos desmoralizar. Só se cobra posicionamento dessa forma de gente por quem não se nutre ...

    Leia mais
    blank

    Dez romancistas feministas importantes na história da Literatura

    Pouca gente sabe, mas a escritora inglesa Virginia Woolf, conhecida por clássicos como Mrs. Dalloway (Ed. Cosac Naify), Ao Farol (Ed. Autêntica) e As Ondas (Ed. Novo Século), é também autora de um importante ensaio que marcou a luta feminista a partir dos anos 1920.Um Teto Todo Seu (Ed. Tordesilhas), que estava esgotado há algum tempo, acaba de ganhar nova edição no Brasil. Por Maria Fernanda Moraes, do Vermelho  O livro reproduz a conferência histórica que Virginia ministrou em 1928, em Newham e Girton - duas faculdades frequentadas por mulheres dentro da Universidade de Cambridge, na Inglaterra -, falando sobre mulheres e a ficção. “Era uma conferência organizada numa universidade que aceitava mulheres, num país e numa época onde as mulheres sequer podiam entrar em bibliotecas que possuíam manuscritos de Shakespeare”, explica Carla Cristina Garcia, professora da PUC, que atua na área de Sociologia de Gênero, Estudos Feministas e Lazer ...

    Leia mais
    Página 2 de 12 1 2 3 12

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist