segunda-feira, novembro 23, 2020

    Tag: história da África

    Uma escola de afrodescendentes

    por Kátia Mello Há 28 anos, um grupo de mulheres negras da periferia de Salvador, no bairro do Uruguai, região dos Alagados, se reuniu para fundar uma escola comunitária. Jamira Alves Muniz, Maria de Lourdes da Conceição Nascimento, Marilene da Conceição Nascimento, Maria Aucélia Rodrigues da Cruz, Diva da Paixão, Sônia Rodrigues, Jandayra Neusa Bonfim, Manuela Bonfim e Solange Souza do Espírito Santo estavam inconformadas com o fato de suas crianças não terem uma boa escola em sua comunidade. Seus nomes são importantes, porque mostraram-se guerreiras. Algumas dessas mulheres eram professoras e outras faziam parte do movimento negro. A partir da Associação de Moradores do Conjunto Santa Luzia, resolveram, então, fundar uma escola que não poderia ter recebido nome melhor: Luiza Mahin, em homenagem à escrava liberta trazida para o Brasil de Costa Mina (Nagô de Nação), na África, e que aqui participou de importantes levantes, como a Revolta dos ...

    Leia mais
    O professor Marcos Reis se tornou referência no desenvolvimento de projetos de combate ao preconceito racial e à promoção da diversidade étnica na escola - Marcello Casal Jr/Agência Brasil

    Iniciativas isoladas garantem ensino da história e cultura da África

    “Quem destrói o caráter do outro, destrói o seu próprio.” É com provérbios africanos como esse que o pedagogo Marcos Reis, 43 anos, costuma abrir suas aulas diariamente. Por Débora Brito no Agência Brasil “Eu já começo a aula com uma frase do dia que mostra que temos que viver como irmãos e superar todas as desigualdades e preconceitos. E isso acontece durante todo o ano”, explicou Reis que leciona para turmas de 4º e 5º ano do ensino fundamental em uma escola da Ceilândia, periferia do Distrito Federal. Nascido em Brasília, Marcos está em sala de aula há 23 anos e, nesse período, se tornou referência no desenvolvimento de projetos de combate ao preconceito racial e à promoção da diversidade étnica na escola. Pelo trabalho desenvolvido, Marcos chegou a ser agraciado com o Prêmio Educar para a Igualdade Racial, organizado pelo Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert). ...

    Leia mais

    Ensino de história da África ainda não está nos planos pedagógicos, diz professora

    Após 14 anos de lei que obriga abordagem da temática étnico-racial, escolas só contam com ações individuais de docentes Por Rute Pina, para Brasil de Fato  Petronilha Gonçalves e Silva foi relatora da comissão que fez um parecer para a aplicação prática da Lei 10.639/03 Nesta segunda-feira (9), a Lei 10.639/03, que estabelece a obrigatoriedade do ensino de história da África e das culturas africana e afro-brasileira no currículo da educação básica, completa 14 anos. Indicada pelo movimento negro, a professora emérita da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva integrou a comissão que elaborou o parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) para as diretrizes curriculares da proposta. Em entrevista ao Brasil de Fato, ela afirmou que a preocupação dos professores com a temática étnico-racial aumentou, mas que a abordagem deste assunto segue dependendo da iniciativa individual dos docentes. "É raro, difícil que essa seja uma política das escolas, e que esta  conste no ...

    Leia mais

    O que você sabe sobre a África? chega as escolas

    O que você sabe sobre a África? Uma viagem pela história do continente e dos afro-brasileiros por Walter Sorrentino no Blog É uma obra acessilvel para professores e alunos que fortalecerá a construção da identidade afro-brasileira e formará as concepções sobre a África e os africanos. “Após mais de uma década de sancionada a Lei 10.639/2003 – que obriga o ensino de História e Cultura da África e afro-brasileiras em todos os estabelecimentos de ensino fundamental e médio –, o grande desafio que se ergue é como disseminar essas vastas informações no cotidiano escolar. Com a tradução da coleção “História Geral da África”, da UNESCO, para o português, parte dessa equação foi resolvida, porém os oito volumes – com milhares de páginas obrigatórias para se conhecer a rica contribuição que o continente africano deu para a humanidade – impõem barreiras para sua utilização na dinâmica educacional da rede de educação básica, fase fundamental ...

    Leia mais

    A História africana pode resgatar a autoestima dos afrodescendentes

    Em psicologia, autoestima é definida como a característica de uma pessoa que valoriza a si mesma, dando-lhe a possibilidade de agir, pensar e exprimir opiniões de maneira confiante. Autoestima também pressupõe uma avaliação objetiva e subjetiva que uma pessoa faz de si mesma como sendo intrinsecamente positiva ou negativa em algum grau. Ou ainda, a autoestima envolve tanto crenças quanto emoções autoassociativas. Por Durval Arantes Do Mundo Negro Trata-se, portanto, de uma emoção ou de um sentimento que reflete a apreciação que uma pessoa faz de si mesma em relação à sua autoconfiança e seu autorrespeito. Através dessas percepções, podemos enfrentar desafios diversos e defender nossos interesses ante as mais variadas instâncias de nossas vidas. A autoestima é formada ainda na infância, utilizando o tratamento que se dá à uma criança como peça chave, ou seja, se uma determinada criança for sempre oprimida em relação às suas atitudes, muito provavelmente esta criança desenvolverá a “baixa autoestima” como ...

    Leia mais

    Bino e Fino ensinado história da África para crianças

    Veja um trecho - em inglês "A programação infantil é uma ferramenta muito poderosa a fim de inspirar confiança e uma auto percepção positiva para as crianças. Infelizmente nem todas as crianças são representadas de forma precisa em seus desenhos animados favoritos ", diz Adamu Waziri, o criador do desenho animado educativo Africano que tem se popularizado na Nigéria, o desenho Bino e Fino. Waziri queria mudar isso e tem feito exatamente isso através do programa adorável que tem se tornado um dos prediletos entre crianças e pais no mundo todo. Destaque em plataformas como Blavity, CNN, Madame Noire, CBS e Arise TV, Bino e Fino é um desenho animado sobre gêmeos que vivem na África subsaariana. A querida dupla descobre coisas diferentes sobre o mundo, a vida e história através de aventuras mágicas com sua amiga Zeena, a borboleta. O desenho preenche uma lacuna na programação, fornecendo aos pais ...

    Leia mais

    I Semana Interdisciplinar dos Estudos Africanos e Afro-Brasileiros da UFMA

    A Licenciatura Interdisciplinar em Estudos Africanos e Afro-Brasileiros da UFMA, primeiro curso do gênero no Brasil, realizará de 13 a 17 deste mês a I Semana Interdisciplinar do curso. As atividades acontecerão todos os dias das 19h às 22h na Casa do Maranhão, localizado no Centro Histórico de São Luís, com exceção da atividade do dia 16, que ocorrerá no Auditório Mário Meireles do Centro de Ciências Humanas da Cidade Universitária Dom Delgado. A entrada será gratuita e não será necessária a realização de inscrições, sendo totalmente aberta ao público. por Marcelo Pagliosa via Guest Post para o Portal Geledés A Semana será aberta com o debate “A África segundo os africanos: Guiné-Bissau e Angola”, realizado por estudantes africanos da UFMA. Também acontecerão discussões interdisciplinares acerca de um dos clássicos da literatura maranhense, como “Os Tambores de São Luís”, de Josué Montello. Além disso, serão apresentados poemas do angolano Agostinho Neto ...

    Leia mais
    Imagem: Can Stock Photo

    Coleção de livros grátis sobre História Geral da África

    Olá leitores! A coleção História Geral da África tem cerca de dez mil páginas, distribuídas nos oito volumes. Criada por iniciativa da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), aborda desde a pré-história do continente africano até os anos 1980. Do Canal do Ensino  Imagem: Can Stock Photo A edição completa da coleção já foi publicada em árabe, inglês e francês; e sua versão condensada está editada em inglês, francês e em várias outras línguas, incluindo hausa, peul e swahili. Agora, oMEC oferece a versão para uso no Brasil e nas nações que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa. Um dos projetos editoriais mais importantes da UNESCO nos últimos trinta anos, a coleção História Geral da África é um grande marco no processo de reconhecimento do patrimônio cultural da África, pois ela permite compreender o desenvolvimento histórico dos povos africanos e sua relação com outras ...

    Leia mais

    Curso orienta professores sobre relações étnico-raciais em Macaé

    Profissionais de ensino da rede municipal recebem orientações para aplicarem em sala de aula conteúdos referentes à África, à afrodescendência e a questões indígenas, ou seja, assuntos étnico-raciais. É que parceria entre a Coordenadoria Extraordinária de Igualdade Racial (Cepir) e a secretaria de Educação coloca em prática curso na sede da secretaria, que promove um novo olhar em relação ao outro. Na aula de quinta-feira (9), na sede da secretaria de Educação, os estudos sobre respeito e valorização da diversidade cultural foram abordados. As aulas seguem até o mês de junho. por Alexandre Bordalo no Macaé Capacitação para professores, curso de cultura afro/brasileira e indígena – Auditório SEMED. Macaé/RJ. Data: 09/04/2015. Foto: Moisés Bruno/Prefeitura de Macaé As profissionais da Cepir Sandra Brandão e Yaisa Carolina falaram para 20 professores sobre a importância de o profissional de educação ter um modo de olhar renovado, no qual prevaleça ...

    Leia mais
    iStockphoto

    Os conteúdos superficiais nos livros didaticos e o ensino de História da África

    Resumo Embora a aprovação da lei 10.639/03 tenha acontecido há 11 anos, sobre a obrigatoriedade nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira, ainda existem lacunas sobre a inserção definitiva deste ensino, pois a falta de interesse do Ministério da Educação em contratar especialistas na área da História da África ressalta que os livros didáticos, que estão sendo trabalhados somente superficialmente quando o tema é sobre o continente africano. As melhoras ainda estão a caminho, mas sem definições por parte das instituições que colaboram com os projetos apresentados desde a aprovação da lei, o fundamento é mostrar que os livros didáticos ainda estão defasados em relação ao continente africano além de mostrar o baixo conhecimento dos profissionais da área da educação que distorcem os conteúdos apresentados nos livros. Palavras-Chave: O ensino de África. por Fabiano Correia de Araujo via Guest Post para o Portal ...

    Leia mais
    Pixabay

    África e cultura negra aparecem com restrições nos livros didáticos

    O ensino da história da África e da cultura afro-brasileira foi garantido por leis que existem há mais de dez anos. Porém, muitos livros didáticos usados nas escolas públicas ignoram, restringem, estereotipam ou mesmo diminuem a participação dos negros e da África na formação do Brasil. no R7 Pixabay O R7 analisou resenhas das obras de português, história, geografia e artes plásticas, selecionadas pelo governo federal nos últimos dois anos e descobriu que estas falhas de abordagem foram detectadas pela própria Secretaria de Educação Básica do MEC (Ministério da Educação) nos guias de livros didáticos inscritos no PNLD (Programa Nacional do Livro Didático). Português e artes Com relação ao material das disciplinas de português e artes usado no ensino médio, os documentos do MEC sinalizam que ainda são poucas as obras que consideram as produções africanas para o ensino de literatura, além das europeias (principalmente portuguesa) ...

    Leia mais
    Uma aula de inclusão racial com um menino de 10 anos

    Uma aula de inclusão racial com um menino de 10 anos

    "É importante mostrar a realidade a partir do ponto de vista do próprio negro". Menino de dez anos surpreende e dá aula sobre inclusão e integração racial O Projeto Leituraço, realizado desde o último dia 3 pela Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, propôs maior reflexão para a sociedade a respeito de suas raízes, neste mês em que se comemora o Dia da Consciência Negra (20) em alguns municípios. Até amanhã (14), quando termina o projeto, 800 mil alunos de 1.462 escolas de educação infantil e de ensinos fundamental e médio terão realizado leituras simultâneas de obras africanas e afro-brasileiras. A reportagem da TVT, em visita ao CEU Vila Curuçá, na zona leste da cidade, conversou com Gustavo Gomes da Silva, de 10 anos, que deu uma aula sobre cidadania. Veloz e consciente nos argumentos, o garoto da 5ª série do fundamental, falou sobre a importância de se conhecer ...

    Leia mais
    Desfile da Escola de Samba Império Serrano no Rio de Janeiro (Foto: © Tomaz Silva/Agência Brasil)

    Colorida, leve e luxuosa! Imperatriz levará ‘África moderna’ e combate ao racismo para a Sapucaí

    A Imperatriz Leopoldinense deu mais um passo importante para o Carnaval de 2015 na noite deste domingo. A Verde e Branca realizou, com portões abertos, a apresentação de seus protótipos para o desfile do ano que vem, com o enredo “AXÉ-NKENDA – Um ritual de liberdade”, desenvolvido por Cahê Rodrigues. Com uma grande mistura de luxo e cores, a escola segue compactuando com a proposta do carnavalesco de levar uma “África pop” para a Sapucaí. Para revelar os figurinos que levará para o Sambódromo no próximo carnaval, uma grande festa marcou a quadra da Imperatriz. Mesmo ainda em recuperação após o incidente da última semana, o carnavalesco Cahê Rodrigues marcou presença, mas não apresentou a cerimônia. A rainha de bateria Cris Vianna foi a responsável por liderar o evento. Uma temática afro foi responsável por decorar e embalar toda a festa. Com fantasias ricas e bastante coloridas, o desejo de ...

    Leia mais

    A história escondida: a participação dos soldados das colônias africanas nas grandes guerras

    Por Herbert Ekwe-Ekwe*, republicado em O Povo Grandes guerras Em texto primoroso de 2008, a bióloga e ativista ambiental queniana Wangari Maathai, primeira africana a receber o Prêmio Nobel da Paz, em 2004, reflete sobre o pouco conhecido papel dos africanos nas guerras mundiais:  “Na minha família havia um membro ausente, cuja existência desconheci até atingir a idade adulta. Durante a Primeira Guerra, africanos das colônias foram recrutados para lutar e, no Quênia, os pais com filhos em idade para combater deviam apresentá-los às autoridades. Meus avós tinham um filho, Thumbi, de 20 anos, e não queriam que ele fosse para a guerra. Em desespero, minha avó o aconselhou a esconder-se na densa vegetação que margeia o rio Tucha. Mas Thumbi foi capturado pelos britânicos e tornou-se um dos mais de cem mil homens da etnia Kikuyus que morreram em combate, de fome ou de doença. Minha avó chorou a perda ...

    Leia mais
    fannonbanner

    Mini Curso – História da África: reflexões em defesa de uma Filosofia Africana no mundo contemporâneo.

    Professor Ms. Gustavo de Andrade Durão Doutorando do Programa de História Comparada (IH-UFRJ), Pesquisador do Laboratório de Estudos Africanos da UFRJ (LeAfrica) Ementa: Debates sobre obras que abrangem a História da África e as formas de pensamento filosófico existentes no pensamento africano. Análises sobre o debate hegeliano em relação à História da África. Estudos das obras de proeminentes pensadores europeus como Levi Strauss, Hannah Arendt e Jean-Paul Sartre. Diálogos com uma perspectiva africanista do pensamento filosófico. Estudo das produções filosóficas e etno-filosóficas de pensadores do cânone africano: Yves Mudimbe, Paulin J. Hountondji, Achille Mbembe, Kwame A. Appiah, Aimé Césaire, Frantz Fanon, Léopold Senghor e Abiola Irele. Análise comparada das obras filosóficas africanas à luz dos modos de agir e pensar, com ênfase nas críticas ao colonialismo e ao pressuposto de inferioridade intelectual dos negros. Desenvolvimento de uma interpretação para as obras dos autores africanistas que laboraram para o protagonismo dos ...

    Leia mais
    O professor Dennis de Oliveira – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

    Dennis de Oliveira: Um breve balanço dos dez anos da lei 10.639/03

    Em janeiro deste ano, completou dez anos a promulgação da Lei 10.639/03, que tornou obrigatório o ensino de História da África, cultura africana e afro-brasileira no currículo da educação básica. O caput dessa lei altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Cinco anos depois, a lei foi modificada e se transformou na Lei 11.645/08, incluindo a temática indígena. O professor Dennis de Oliveira – Foto: Marcos Santos/USP Imagens A Lei 10.639/03 foi a primeira assinada pelo presidente Lula, logo após a sua primeira eleição. Isso tem um significado simbólico: as mudanças prometidas com a chegada de Lula e do PT ao governo se iniciaram com uma medida que era produto da reivindicação do movimento negro. Dez anos se passaram, e o cenário não é animador. Eis o que se percebe em relação à aplicação dessa legislação: a) Nos cursos superiores voltados para a ...

    Leia mais
    iStockphoto

    Plano de Aula – A história da África em sala

    Plano de Aula - A história da África em sala. Até bem pouco tempo atrás, o Brasil, conhecido internacionalmente por sua diversidade cultural e pela mistura de raças que formam o seu povo, não tinha as diferentes etnias representadas nos currículos escolares do País. A situação mudou com duas leis, sancionadas nos anos de 2003 e 2008, que tornaram obrigatório no Ensino Fundamental e Médio o estudo da História e Cultura afro-brasileira e indígena. iStockphoto O que dizem as leis A lei mais antiga 10.639/2003 não previa o ensino da cultura Indígena nas escolas brasileiras. O texto estabelece que o conteúdo programático inclua diversos aspectos da história e da cultura dos povos que formaram a população brasileira. "As políticas e programas que começaram a ser praticados desde então são fundamentais para valorizar a diversidade dentro das escolas e para incentivar mudanças nas práticas pedagógicas", afirma Viviane Fernandes ...

    Leia mais
    escravidao

    Documentos africanos revelam segredos da história da escravidão

    Na semana que o Brasil comemorou a libertação dos escravos, a reportagem do Domingo Espetacular fez descobertas surpreendentes. Na África, foram encontrados registros que mexem com a história da escravidão brasileira. O continente africano é marcado por um triste passado, em que milhões de pessoas foram submetidas a formas degradantes de trabalho e de vida, por causa da cor da pele. Em Luanda, capital de Angola, há um museu sobre a escravatura, instalado em uma capela no século 18, que foi construída por um militar português. O local servia para evangelização dos escravos. Ao lado, barracões funcionavam como depósitos de seres humanos. Nem as crianças escapavam. O museu guarda documentos e objetos da época, que mostram o sofrimento dos escravos e a detalhes da vida diária. Os pesquisadores não têm dúvida: líderes do Vaticano apoiaram abertamente a escravidão. Em uma carta, antes do descobrimento do Brasil, o papa Nicolau 5º ...

    Leia mais
    livro

    Livro de História e Cultura Afro-brasileira vence em 1º lugar o mais importante prêmio literário do Brasil

    História e Cultura Afro-brasileira Por Juliana Dias Entre os 21 livros que receberão o 52º Prêmio Jabuti, no dia 04 de novembro, em São Paulo, está Uma História da Cultura Afro-brasileira, dos autores Walter Fraga e Wlamyra R. de Albuquerque, que venceu em primeiro lugar, na categoria Didático e Paradidático. O livro aborda diversas referências sobre a história, a geografia e a cultura da África, sobre o tráfico de escravos e sobre suas condições de vida no Brasil. Em entrevista ao CORREIO NAGÔ, a Doutora em História Social pela Unicamp e professora adjunta da Universidade Estadual de Feira de Santana – BA, Wamyra R. de Albuquerque fala sobre a importância de ganhar o mais importante prêmio literário do Brasil e sobre o tipo de produção voltado para essa temática. Wlamyra R. de Albuquerque CN: Do que se trata o livro? WA: O livro trata da cultura afro-brasileira numa ...

    Leia mais
    Plano de aula: Consciência Negra II

    Plano de aula: Consciência Negra II

    Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. PUC- rio Curso: Tecnologia em Educação Mediadora: Odete Soares de Sá Cursista: Eli Monteiro de A. Nunes Disciplina: OFICINA: Projeto Pedagógico Utilizando Ambientes Interativos Virtuais Atividade Única e Individual: Enriquecendo Nosso planejamento Turma: AP05- AIV Tema da Aula: Consciência Negra Ementa: Proposta de Aula Interdisciplinar Utilizando Recursos Midiáticos O que o aluno poderá aprender com esta aula: Consciência Negra II. O aluno irá conhecer e refletir sobre a história dos povos africanos, sua origem, sua cultura, entender melhor a origem do povo brasileiro e, conhecer de maneira mais profunda sobre a Lei 10.639/03, numa perspectiva acerca do papel da escola e a obrigatoriedade do ensino de história da África e da cultura afro-brasileira de acordo com PCNs, fazer parte do currículo da escola e na formação da nossa cultura, nomes, comidas, bebidas, danças, ritmos, instrumentos musicais. O objetivo principal é que o aluno possa ...

    Leia mais
    Página 1 de 2 1 2

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist