Tag: indígenas

    Maíra Yawanawá, de 27 anos, tem origem indígena do povo Yawanawá e amazonense (Foto: Arquivo pessoal)

    Índia formada em medicina em Cuba quer levar conhecimentos a aldeias

    Maíra sonha com a revalidação do diploma; ela fez 1ª prova em Rio Branco. 'Ouvia piadas que eu andava entre cobras e onças', diz ela sobre faculdade. Por Iryá Rodrigues, do G1 O sonho de cuidar da saúde de seu povo na aldeia deu força para a índia Maíra Yawanawá, de 27 anos, passar sete anos longe de casa para estudar medicina. Ela começou o curso em 2009, como cotista indígena da Escola Latino Americana de Medicina, em Cuba, e se formou em julho deste ano. Hoje, o maior desejo de Maíra é validar o diploma e poder unir os conhecimentos adquiridos da faculdade com o da cultura indígena. "Quero atender as comunidades indígenas e ribeirinhas. Nada melhor do que uma índia, que já conhece essa realidade, para trabalhar junto com eles. Acho que a gente conhece a nossa casa. Eu sei como meu povo funciona. Tenho os conhecimentos que adquiri ...

    Leia mais
    blank

    Cultura afro-brasileira e indígena nos currículos escolares é tema de audiência pública

    A Câmara Legislativa realiza nesta sexta-feira (6), às 10h, audiência pública no plenário para debater a obrigatoriedade do ensino das culturas afro-brasileira e indígena nas escolas públicas e privadas do DF. O convite é extensivo a todos os estudantes, professores, pesquisadores e interessados, que terão a oportunidade de ouvir o Executivo e as secretarias competentes. A proposta é de autoria do deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT). Do CL O deputado explica que, entre os anos de 2003 e 2008, duas leis de grande importância cultural, social e educacional para o Brasil foram sancionadas. As Leis nº 10.639/2003 e 11.645/2008 estabeleceram a obrigatoriedade das temáticas História e Cultura Afro-Brasileira e História e Cultura Indígena nos currículos das redes de ensino brasileira. No entanto, no âmbito do Distrito Federal, por exemplo, percebe-se que a aplicação dessas leis não vem sendo percebida nas metodologias de ensino e materiais didáticos. A temática é objeto ...

    Leia mais
    blank

    A luta contra a PEC 215

    No sistema capitalista de produção a humanidade só tem sentido se estiver a serviço das coisas. Da mesma forma, os trabalhadores em geral só são considerados como produtores de coisas que, por sua vez, farão a riqueza daqueles que são os donos dos meios de produção. A vida da pessoa que produz coisas para os donos das empresas ou das terras não tem a menor significação. Ela só vale enquanto estiver em condições de produzir e gerar lucro. Se não estiver girando essa roda, a pessoa em si não importa. Essa é uma verdade inquestionável dentro do sistema capitalista. E é por isso que pessoas como os índios, por exemplo, não tem a menor importância para quem defende esse sistema. Para essas pessoas, o índio é um inútil, não produz coisas, não garante lucro, logo, é passível de ser exterminado. Por Elaine Tavares, do CIMI Essa foi a síntese da argumentação ...

    Leia mais
    blank

    Brasil é cobrado na OEA por violência contra índios

    Membros da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) questionaram o governo brasileiro sobre o que tem sido feito para prevenir e punir crimes contra índios no Mato Grosso do Sul. Representantes da CIDH – braço da Organização dos Estados Americanos (OEA) – também pediram ao Brasil informações sobre denúncias de violações de direitos humanos na terra indígena Raposa/Serra do Sol, em Roraima. Por João Fellet Do BBC Duas das três audiências na CIDH que tiveram o Brasil como tema nesta terça-feira trataram da situação de povos indígenas no país. As audiências, que ocorreram na sede da OEA, em Washington, são levadas em conta pela comissão na elaboração de um relatório anual sobre o estado dos direitos humanos nas Américas. Como cada país é analisado separadamente, críticas no relatório têm o poder de constranger os governos. As cobranças ocorrem num momento em que o Brasil se reaproxima da OEA, após quatro anos ...

    Leia mais
    blank

    Índios poderão ter direito a nome de sua etnia em documentos

    A população indígena do Brasil poderá conquistar o direito de ter o nome de sua etnia em seus documentos de identidade. Projeto nesse sentido consta da pauta da reunião que a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) fará nesta quarta-feira (14), após audiência pública sobre crianças desaparecidas. Do Senado De autoria do senador Telmário Mota (PDT-RR), o PLS 161/2015 altera a Lei de Registros Públicos (Lei 6.015/1973) e a Lei 7.116/1983 para assegurar a qualquer indígena o direito a ter tal condição — assim como a indicação da sua etnia — expressa em certidão de nascimento, certidão de casamento e carteira de identidade. Para isso, bastará requerer a inclusão, sem necessidade de comprovar a origem étnica. Na justificação do projeto, Telmário afirma que o “reconhecimento e o prestígio aos costumes e as tradições das comunidades indígenas são mandamentos constitucionais”. Ele acrescenta que a aprovação da proposta vai corrigir ...

    Leia mais
    Foto: Tato Rocha / Acervo JC Imagem

    Mais de 50 mil indígenas farão Enem para tentar vaga em universidade

    Em aldeia da etnia pareci, oito estudantes já escolheram o que querem ser. Mulher do cacique está concluindo o curso de pedagogia pela internet. Do G1 Foto: Tato Rocha / Acervo JC Imagem Oito milhões de candidatos vão fazer no fim deste mês o Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio, uma das portas de entrada para as universidades brasileiras. E, nesse grupo, estão mais de 50 mil índios. Da oca, um grupo de guerreiros da etnia parecis, em Mato Grosso, sai pra mais um dia de batalha. Em vez de arco e flechas, livros. O inimigo é o tempo: o dia da prova do Enem está chegando e o professor da aldeia dá as últimas orientações. Neste ano, quase 55 mil indígenas em todo o país vão fazer a prova do Enem. Em uma aldeia, são oito, que já estão decididos. Querem ser engenheiro agrônomo, ...

    Leia mais
    blank

    Casal de índios é morto e tem cabeças decapitadas na Bahia

    Os corpos de um casal indígena tupinambás do distrito de Sapucaeira, no município de Ilhéus (a 462 km de Salvador), foram encontrados com as cabeças decapitadas nesta quinta-feira, 24. De acordo com a delegacia, as vítimas são Jorge Carlos Amaral Nascimento, 59 anos, e Maraci Oliveira da Costa, 42 anos, que foram levados de casa por cinco suspeitos. Os corpos foram encontrados em um matagal, próximo à casa onde moravam. Do A Tarde Familiares de Jorge Carlos afirmaram à polícia que ele não recebia ameaças. Uma perícia será feita na casa onde eles residiam. A partir disso, o caso será avaliado para decidir se as investigações ficarão sob a responsabilidade da Polícia Civil ou da Polícia Federal, por ter sido índios. Prado Outro caso envolvendo índio foi registrado no estado nesta semana. Uma kombi que fazia o transporte escolar de crianças indígenas foi incendiada no município de Prado (a 785 km ...

    Leia mais
    blank

    Fazendeiros transformam MS em Estado sem lei

    Força Nacional cruza os braços na morte do índio Semião Vilhalva e invasão, por sessenta pistoleiros, do território indígena demarcado. A omissão criminosa do ministro da Justiça No Outras Palavras  Desta vez o acampamento de retomada das famílias Guarani e Kaiowá foi invadido por mais de 60 pistoleiros, que entraram realizando disparos e ameaçando crianças, velhos, mulheres e homens. O novo ataque foi realizado sobre o território sagrado de Ñanderú Marangatú, no local onde se encontra a fazenda denominada Piquiri, sobreposta aos 9.300 hectares de chão tradicional homologados pela Presidência da República. Ainda com as cicatrizes e traumas do ataque anterior, em que Semião Vilhalva, indígena de 24 anos, foi assassinado pelas milícias dos ruralistas à beira de um córrego onde procurava seu filho, as famílias relatam que apenas tiveram tempo de juntar alguns poucos pertences ...

    Leia mais
    Brasil, Brasília, DF, 03/10/2013. O cacique Raoni, a índia Tuíra e lideranças indígenas exibem exemplar da Constituição Federal durante protesto contra a PEC 215, que transfere para o Congresso a palavra final sobre demarcação de reservas, em frente ao Congresso Nacional, em Brasília (DF). - Crédito:DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:145805

    Destino da demarcação de terras indígenas volta à pauta nas mãos dos ruralistas

    Depois de oito meses de discussão, o relatório da PEC 215/00, que transfere para o Legislativo a atribuição de demarcar as terras indígenas e quilombolas, volta nesta quarta-feira (2) para a pauta da comissão especial pronto para ser votado. A proposta é praticamente a mesma apresentada no fim do ano passado. Por Grasielle Castro Do Brasil Post O texto do deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), integrante da bancada ruralista, também prevê indenização em dinheiro aos proprietários de áreas que venham a ser desocupadas para integrar território indígena. Pela proposta do peemedebista, o Congresso Nacional examinará projeto de lei e caberá ao Executivo, após aprovação da demarcação, promover a demarcação física. Para o deputado, esse método garante que os índios terão seus direitos resguardados. “Se aprovada nos termos originais, a Emenda Constitucional não redundará emnenhum prejuízo para os direitos dos índios, que estão garantidos na Constituição Federal, assim como não importará em violação ...

    Leia mais
    blank

    Intelectuais Indígenas e a construção da universidade pluriétnica no Brasil

    Um panorama da institucionalização dos Grupos PET-Indígenas nas universidades e institutos federais por meio do Programa de Educação Tutorial/Conexões de Saberes do Ministério da Educação no Brasil por Ana Elisa de Castro Freitas no Laced Em 2010 o Ministério da Educação/MEC publicou o Edital 09/2010 possibilitando às universidades e institutos federais brasileiros a criação de novos grupos de educação tutorial em nível de graduação. Neste Edi- tal, uma modalidade inovadora de educação tutorial foi instituída pelo MEC: partindo de uma articulação do Programa de Educação Tutorial com o Programa Conexões de Saberes, foi prevista a organização de grupos direcionados exclusivamente à formação de estudantes universi- tários indígenas. Com esta política, se estabeleceu um plano de institucionalização en- tão inédito no que se refere à educação superior para indígenas no Brasil. Dezessete grupos de educação tutorial indígenas foram constituídos em universidades e institutos federais nas cinco regiões do país. Em interfa- ...

    Leia mais
    Brasil, Cuiabá, MT. 10/11/2013. Indígenas participam da 12ª edição dos Jogos dos Povos Indígenas, na Aldeia Alkara, em Cuiabá, Mato Grosso. - Crédito:Vanessa Carvalho/BRAZIL PHOTO PRESS/AE/Código imagem:156081

    Câmara aprova projeto que proíbe o infanticídio nas comunidades indígenas

    O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta (26) projeto quecoíbe práticas tradicionais nocivas às crianças indígenas, entre elas o infanticídio. Pelo texto aprovado, que altera o Estatuto do Índio, cabe ao Estado agir para proteger crianças, adolescentes, mulheres, deficientes e idosos de práticas que atentem contra a vida, a saúde e a integridade físico-psíquica dos indígenas. O projeto segue agora para o Senado. Do Brasil Post A proposta foi aprovada por 361 votos à favor, 84 contra e nove abstenções. O projeto diz que órgãos responsáveis pela política indigenista, como a Fundação Nacional do Índio (Funai), devem atuar em situações como infanticídio, homicídio, abuso sexual, estupro, escravidão, abandono de vulneráveis e violência doméstica. O texto prevê que o Estado deve desenvolver projetos que visem a defesa, entre outros, de recém-nascidos, crianças rejeitadas pelos genitores e mulheres em caso de gestação múltipla. Caberá ao órgão do Estado ...

    Leia mais
    blank

    Indígenas e Quilombolas: Justiça retoma ação do MPF contra Veja

    O Ministério Público Federal foi atendido pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região em uma ação contra a Abril, responsável pela revista Veja, e a ação civil pública por danos morais coletivos que tramita na 26ª Vara Cível Federal, na capital paulistana, será retomada; a Procuradoria pede que a editora desembolse R$ 1 milhão em reparação a uma reportagem publicada por Veja em maio de 2010, discriminando minorias étnicas; o texto, na visão da Procuradoria, baseou-se em informações distorcidas e expressões injuriosas para criticar o processo de demarcação de reservas destinadas a grupos indígenas e quilombolas Do Brasil 247 O Ministério Público Federal foi atendido pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região em uma ação contra a Abril, responsável pela revista Veja, e a ação civil pública por danos morais coletivos que tramita na 26ª Vara Cível Federal, na capital paulistana, será retomada. A Procuradoria pede que a editora desembolse ...

    Leia mais
    blank

    Em ato de racismo, indígenas são expulsos de ônibus de viagem

    Por conta do preconceito de uma mulher que não queria viajar ao lado dos indígenas, quatro Kayapós que saíam do Encontro de Culturas Tradicionais na Chapada dos Veadeiros foram obrigados a descer do ônibus que os levaria de volta para Palmas (TO) e acabaram largados no meio da rodovia; organização do evento estuda processar a passageira e a companhia responsável Por Ivan Longo Do Portal Fórum  Indígenas da tribo Kayapó, que vivem em Tucumã, no interior do Pará, foram alvo de um episódio de racismo e preconceito no início desta semana. Desde o último dia 17,  eles estavam em Goiás participando do 15º Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros e voltariam para a sua aldeia no último domingo (26), mas tiveram que adiar a viagem por conta da discriminação. Com as passagens compradas, 18 indígenas embarcariam em Brasília, em um ônibus que faria o trecho até Palmas (TO), o ideal para que chegassem a ...

    Leia mais
    blank

    Munduruku leva batalha épica por direitos indígenas às Nações Unidas

    Em Genebra, Ademir Kaba denuncia falta de consulta e violações de direitos territoriais pelo governo brasileiro em corrida para construir hidrelétricas na Amazônia No Racismo Ambiental  Genebra, Suíça – Num evento paralelo à 29ª Reunião do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, que aconteceu na tarde desta quarta, 24, o líder indígena Ademir Kaba Munduruku denunciou o agravamento de abusos de direitos indígenas pelo governo brasileiro na sua corrida para construir uma quantidade sem precedentes de hidrelétricas na Amazônia. Grande parte de sua crítica teve como enfoque as repetidas violações dos direitos dos povos indígenas a processos de consulta e consentimento livre, prévio e informado sobre barragens que teriam consequências devastadoras para seus territórios e meios de vida. Ademir também condenou a recusa do governo brasileiro de demarcar um território Munduruku conhecido como Sawre Muybu, que sofreria inundações pela mega-barragem São Luiz do Tapajós. As exigências do líder Munduruku ...

    Leia mais
    blank

    Violência contra os indígenas é um problema ético

    “Vivemos um problema ético no Brasil, porque o não reconhecimento dos direitos indígenas e dos direitos sociais, em geral, é uma questão que só pode ser discutida e colocada no âmbito da ética”, afirma a antropóloga. “O número de casos de violações e violência contra indígenas aumenta, diminui, aumenta, diminui, mas o padrão da violência contra os indígenas não se modifica”, diz Lucia Helena Rangel à IHU On-Line, na entrevista a seguir, em que comenta o Relatório Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – dados de 2014, lançado pelo Conselho Indigenista Missionário - Cimi no dia 19-05-2015, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, em Brasília. De acordo com a antropóloga, que há anos trabalha em conjunto com o Cimi na avaliação dos dados do Relatório, é “bastante delicado” buscar as causas desta violência, porque a relação de causa e efeito “não é tão nítida, na medida em que há uma série de fatores que contribuem para essa situação”.Além ...

    Leia mais
    Foto: Weber Sian/A Cidade

    Movimento considera baixa reserva de 2% das vagas para negros e indígenas na USP

    Ativistas de movimentos negros criticaram nessa quarta-feira (24) a baixa quantidade de vagas que serão reservadas na Universidade de São Paulo (USP) para estudantes autodeclarados pretos, pardos ou indígenas que tenham estudado todo o ensino médio em escolas públicas. No total, serão destinadas ao grupo 225 ou 2% das 11.057 vagas que a universidade abrirá em 2016. por Bruno Bocchini no  Agência Brasil  Foto: Weber Sian/A Cidade “A USP é um espaço de privilégio e continua sendo uma ilha de exceção, uma ilha de manutenção de privilégios e uma ilha de manutenção de privilégio branco, sobretudo. E a prova concreta está no conteúdo da proposta deles, que estabelece o acesso para um percentual ínfimo”, disse Douglas Belchior, da União de Núcleos de Educação Popular para Negras, Negros e Classe Trabalhadora (Uneafro). O número de vagas que serão destinadas ao grupo PPI foi decidido independentemente por unidade ...

    Leia mais
    blank

    Suicídio entre índios é recorde

    Uma morte a cada três dias. Esse é o índice de suicídios entre indígenas brasileiros em 2014, o maior da série histórica, que iniciou em 1986. A informação está no relatório Violência contra os povos indígenas no Brasil, divulgado ontem pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi) na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasíia. O documento aponta que 135 indígenas cometeram suicídio no último ano. Por Jorge Macedo, do Clipping De acordo com o deputado Ivan Valente (Psol-SP), o governo federal tem sido omisso no que diz respeito às questões indígenas no país. "A demarcação das terras indígenas é algo que está determinado na Constituição e o Estado não tem feito nada nesse sentido. O reconhecimento desses espaços tem sido protelado, o governo está acuado sob o cerco da bancada ruralista", disse o parlamentar. Segundo Valente, a maior parte das terras indígenas ainda carece de regulamentação. "Só um terço ...

    Leia mais
    blank

    Aumentam os índices de assassinato, suicídio e mortalidade infantil de indígenas, aponta relatório do Cimi (Para baixar)

    Houve um severo aumento da violência e das violações praticadas contra os povos indígenas no Brasil em 2014, especialmente em relação aos casos de assassinatos, suicídios, mortes por desassistência à saúde, mortalidade na infância, invasões possessórias e exploração ilegal de recursos naturais e de omissão e morosidade na regularização das terras indígenas. Esta é a constatação do Relatório Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – dados de 2014, que o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) lançou na tarde desta sexta-feira, 19, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília. Do Combate Racismo Ambiental  “A situação é muito complicada entre os povos indígenas, mas vemos um ataque aos direitos humanos como um todo. Se faz necessário resistir de forma abnegada junto aos condenados desta terra. Que Deus nos dê saúde para seguir adiante”, disse o presidente do Cimi e bispo do Xingu, Dom Erwin Kräutler. O religioso ...

    Leia mais
    GALDI4 ARQUIVO 20/04/97. OE. INDIO GALDINO. INDIO GALDINO JESUS DOS SANTOS, PATAXO, 43 ANOS, QUE TEVE 95% DO CORPO QUEIMADO POR THINNER, E FOGO ATEADO POR RAPAZES, ENQUANTO DORMIA NUM PONTO DE ONIBUS. FOTO: ED FERREIRA/AE.

    Tragédia de índio Galdino, queimado vivo em Brasília, completa 15 anos

    Jovens foram condenados a 14 anos de prisão, mas foram soltos após oito Marina Marquez, do R7 Há 15 anos, cinco jovens de classe média em Brasília escolhiam uma forma inusitada e cruel de se divertir durante a madrugada, depois de uma festa com os amigos. Compraram gasolina e uma caixa de fósforo, atearam fogo em um índio que dormia em uma parada de ônibus na W3 Sul, avenida de um bairro nobre da capital federal, e fugiram.O índio pataxó Galdino Jesus dos Santos, de 44 anos, que estava na cidade para comemorar o Dia do Índio, acordou em chamas e horas depois morreu no hospital com 95% do corpo queimado. Os rapazes foram reconhecidos, presos e condenados a 14 anos de prisão, mas a lei brasileira garantiu que ficassem apenas oito anos na cadeia — e com direito a várias regalias.Para justificar o crime bárbaro, os rapazes alegaram que ...

    Leia mais
    blank

    Você sabia que existe diferença entre as palavras índio e indígena?

    Quem explica é Daniel Munduruku. Com 45 livros escritos, ele já recebeu diversos prêmios no Brasil e no exterior, entre eles o Prêmio Jabuti Do EBC Você sabia que existe diferença entre as palavras índio e indígena? Quem explica essa diferença é o escritor Daniel Munduruku, da etnia Munduruku, que é formado em Filosofia, História e Psicologia, com doutorado em Educação e pós-doutorado em Literatura. Ele acredita que a palavra índio entrou no imaginário no século XVI, que a palavra muda de conotação ao longo da história, e virou apelido. "Um apelido traz sempre um aspecto negativo e reforça algo ruim", reforça. Daniel Munduruku explica que a palavra índio também tem uma conotação ideológica muito forte, e faz com que as pessoas liguem a aspectos ruins, como achar que índio é preguiçoso, selvagem, canibal ou atrasado. Por outro lado, ele acredita que "há pessoas que ao falar índio ...

    Leia mais
    Página 5 de 8 1 4 5 6 8

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist