terça-feira, outubro 26, 2021
InícioEm PautaAs sinhás pretas da Folha

As sinhás pretas da Folha

Começo a ler o artigo e pauso. Verifico a data do jornal: não é o século 19

Abro este jornal. Nele, um artigo sobre “negras prósperas no ápice da escravidão“. Eu pauso. Verifico a data do jornal: não é o século 19. Continuo a leitura. O autor promete “complicar as narrativas de ativistas”; afirma que a “culpada é a época e seus valores diferentes dos nossos”; e que nos traria “maturidade e conciliação” as “lindas histórias de vida das sinhás pretas”.

Ao terminar de ler o texto, eu senti ânsia de vômito, literalmente; um misto de repugnância e desânimo. Não sabia que ler jornal me causaria isso. Ilustrando o texto, foram colocadas imagens da máscara de flandres, usada ora como instrumento de tortura escravagista, ora como meio de prevenção do banzo, o lento suicídio que consistia em ingerir terra até a morte. Folha, por que ainda precisamos nos masturbar coletivamente com a relativização da dor preta?

Munido da falácia reacionária que lhe é característica, Narloch usa histórias individuais para mascarar a brutalidade do seu argumento: legitimar a escravidão ao relativizá-la. Imagino como se sentiriam as escravas diariamente estupradas lendo seu texto; ou os escravos doentes jogados ao mar: faltou-lhes capitalismo?

É peculiar da branquitude discutir o horror tomando chá: imagino as horas que serão gastas para se debater, com calma, se a linha editorial da barbárie foi ou não cruzada. Não há zona cinzenta aqui. O problema não é fazer referência a “negras minas” —que eventualmente enriqueceram— ou a outras figuras históricas, o problema é, de forma ao mesmo tempo risível e desonesta, utilizá-las para suavizar a brutalidade da escravidão.

O que está em jogo é se a pluralidade que este jornal preza inclui racismo. Jornais são documentos históricos: eu me reservo a dignidade derradeira de dizer com todas as letras que a coluna de Leandro Narloch é racista; que publicá-la faz do jornal conivente; e que em algum momento a corda do pluralismo esticou a tal ponto que nos enforcará.

RELATED ARTICLES