Com Ágatha foi-se a utopia da inclusão

Morreu o sonho de uma família que acreditou na educação como passaporte da mobilidade social

Por FLÁVIA OLIVEIRA, do O Globo

FLÁVIA OLIVEIRA /Foto Marta Azevedo

Quando percebi minha mãe morta, oito anos atrás, faltaram-me primeiro as pernas, depois a linguagem. Eu tive de permanecer sentada ou ser amparada, porque a orfandade faz desmoronar os alicerces. Ela também me devolveu ao antigo primário, quando a voz era aguda, o vocabulário restrito e os tempos verbais, uma confusão. Atravessei os primeiros dias de luto com comida quente, de preferência caldos, e muita raiva do amanhecer — eu ficara órfã e o tempo teimava em passar, a vida a correr. No sétimo dia, escrevi. Mas até hoje não sei se me conjugo filha única no presente ou no pretérito: sou ou fui.

Foi assim que comecei a observar corpos e palavras dos enlutados — e a sofrer intensamente com eles, por eles. É comum vê-los amparados, como se caminhassem sobre um chão em pedaços. Os pais de Ágatha Félix, Vanessa e Adegilson, amparam-se mutuamente, olhos postos no infinito, na peregrinação a que se impuseram na busca de justiça pelo assassinato da única filha, aos 8 anos — com um tiro de fuzil saído de uma arma que não será identificada, informou a perícia.

Ailton Félix, avô de Ágatha, atravessado pela dor da morte precoce e inaceitável, desabafou: “Minha neta fala inglês, tem aula de balé, tem aula de tudo. Ela é estudiosa”. Nos enlutados é frequente a conjugação dos verbos no presente do indicativo, como a negar a vida interrompida do ente querido.

O assassinato da menina Ágatha me alcançou em múltiplas dimensões. Reconduziu-me aos sintomas pós-perda de Dona Anna. Ativou a empatia da mãe de filha única, na qual depositamos esperança, investimento, certeza de proteção. Revolveu a indignação contra a política de segurança que aplica pena capital e produz luto nas favelas, na periferia e nos lares de policiais. Desde fevereiro de 2018, quando foi decretada a intervenção federal, o Instituto de Segurança Pública contabilizou 8.758 homicídios no Estado do Rio; a polícia matou 2.624 pessoas, das quais 1.249 nos oito primeiros meses do governo de Wilson Witzel.

A morte de Ágatha escancarou a indiferença do asfalto com as vidas perdidas nos morros. Ativistas e moradores do Complexo do Alemão marcharam sós contra a brutalidade no sábado, horas depois de saberem que a menina não resistira aos ferimentos. Aglomeraram-se numa via da Fazendinha, discursaram, declamaram e oraram — à espreita, policiais e um blindado pintado de branco com a palavra pacificador impressa em azul. No dia seguinte, percorreram a pé, balões amarelos nas mãos, os três quilômetros entre a comunidade Nova Brasília e o Cemitério de Inhaúma, local do sepultamento. Apelavam a Deus, não ao Estado, cientes que estão do abandono contumaz.

No Alemão, choraram mães, avós, crianças de uniforme, jovens. É duro viver num país em que adultos são obrigados a enxugar as lágrimas do futuro. O Brasil atravessa o pico da população de 15 a 29 anos. Em vez de surfar o boom demográfico, entrega à faixa etária taxa de desemprego recorde, alto índice de informalidade, baixa remuneração, evasão aguda no ensino médio, a maior proporção de homicídios, escalada de mortes por suicídio e por colisões no trânsito.

O assassinato de Ágatha também sepultou o sonho de uma família que acreditou na educação como passaporte da mobilidade social. A menina do Alemão exibia boletim impecável, estudava inglês, balé e xadrez. Aspirava chegar à faculdade, anunciou o avô no velório. Mudaria de vida pelo ensino regular, pela formação profissional qualificada. É o caminho que o Brasil recomenda como mantra à população, mas pelo qual não zela. No Rio, meninos e meninas se protegem de tiroteios em corredores de escolas e são baleados de uniforme. Com Ágatha se foi também um tanto da utopia da inclusão social. Ficou a percepção amarga de que o bem-viver é miragem. Haveremos de superá-la. Não posso me entregar ao pessimismo.

 

Leia Também:

De azul ou de rosa, crianças negras na linha de tiro do Estado genocida

Silêncio de Witzel sobre morte de Ágatha é covardia política

+ sobre o tema

para lembrar

Adriana Meireles Melonio: Babaçu, identidade e magistratura

Meus pais são migrantes nordestinos. Chegaram ao Rio de...

Roseli da Silva, 40 anos depois da cena de racismo em Mogi

 Mas já faz 40 anos? Reprodução Internet Por Eliane Jose Do O...

Rede sociais e o racismo nosso de cada dia

A internauta do Rio de Janeiro Kenya Mayrink gerou...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=