Docente destaca contributo da mulher africana em prol do seu desenvolvimento

Luanda – A professora do Instituto Superior Politécnico Atlântida, Cristina Rodrigues, destacou nesta terça-feira, em Luanda, o contributo da mulher africana na luta contra a discriminação da classe feminina no continente.

Foto: Joaquina Bento (Arquivo)

Em declarações à Angop, a propósito do tema “Contribuição das organizações femininas angolanas para a afirmação da mulher no concerto das nações africanas”, a docente universitária enalteceu também o esforço desenvolvido pelas mulheres africanas ao longo dos anos, “tendo em conta a forma como tem sabido enfrentar a luta contra a fome e a miséria causadas pelas guerras civis que ainda se registam em alguns países africanos”.

Sublinhou que a luta levada a cabo pelas africanas no sentido de ajudar no esforço da tomada de consciência sobre o seu papel na sociedade, tem permitido alcançar progressos significativos para afirmação das mulheres, apesar das imensas barreiras que ainda lhes são impostas.

Entretanto, disse, independentemente dos problemas vividos, elas devem regozijar-se com as políticas dos governos em prol do desenvolvimento da classe que, no seu entender, satisfazem os protocolos internacionais e regionais sobre a mulher ratificados pelos Estados africanos.

Apesar dos passos dados pelos governos para legislar e implementar leis inerentes a mulher, disse, “muito ainda terá de ser feito no sentido de se banir todas as barreiras impostas e procurar-se as melhores vias para uma coabitação pacífica e respeito dos direitos humanos”.

A exclusão social, violência doméstica, falta de acesso à instrução, interdição e acesso ao voto, incisão ou mutilação genital, violação sexual, tráfico de mulheres, entre outras práticas condenáveis, foram apontadas por Cristina Rodrigues como principais factores que impedem o desenvolvimento do continente e da própria mulher africana.

Fonte:Porta Langop

+ sobre o tema

Brasil irá inaugurar fábrica de remédio para tratamento da Aids na África

Será inaugurada no continente africano - na próxima semana,...

Depois de massacre, empresa ameaça mineiros sul-africanos com demissões

A empresa mineradora Lonmim pressionou neste domingo os...

Experiência do Brasil contra fome pode ajudar a África

Tecnologia brasileira e know-how em programas sociais podem...

“Papáveis” africanos disputam para suceder Bento XVI

Bento XVI apresentará sua renúncia oficial ao Pontificado...

para lembrar

Meninas negras feitas escravas domésticas e sexuais na região central do Brasil

Quando lembramos que o fim da escravidão –  há...

Tecendo a luta e a lira: Vida e morte na poesia de Dinha

(Dinha e Julia (uma das minhas meninas) Amor Teça sua teia e amorteça a morte. (Dinha) por Mariana...

SISU: Matrícula de aprovados na 1ª etapa da seleção do Enem termina sexta

A matrícula dos aprovados na primeira etapa do Sisu...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...
-+=