Mortes de negros pela polícia brasileira aumentam; de brancos caem, diz ONU

Enviado por / FonteUOL, por Jamil Chade

A ONU denuncia a disparidade de tratamento da polícia brasileira, com o aumento de mortes entre afrobrasileiros e uma queda entre os brancos. As críticas foram apresentadas pelo novo Alto Comissário da ONU para Direitos Humanos, Volker Turk. Numa avaliação de cerca dos 40 locais mais críticos em termos de violações no mundo, a agência mais uma vez incluiu a situação da violência policial brasileira contra a população negra.

Segundo ele, “a violência que é tão desproporcionalmente infligida às pessoas de descendência africana pelos agentes da lei é um exemplo do profundo dano estrutural enraizado na discriminação racial”.

“Meu escritório e os mecanismos de direitos humanos da ONU têm repetidamente destacado o uso excessivo da força, o perfil racial e práticas discriminatórias pela polícia, mais recentemente na Austrália, na França, na Irlanda e no Reino Unido”, indicou.

Um dos destaques é a situação brasileira. “No Brasil, o total de mortes em encontros com a polícia caiu em 2021 pela primeira vez em 9 anos, com uma queda de 31% para os brancos, de acordo com uma fonte – mas um aumento de quase 6% no número de mortes de afrodescendentes”, afirmou Turk.

Em 2019, ao citar a violência policial, a cúpula da ONU gerou a ira do então presidente Jair Bolsonaro. Naquela ocasião, o brasileiro atacou as Nações Unidas e a chefia liderada por Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile.

Meses depois, diante da crise gerada pela morte de George Floyd, o Brasil foi um dos poucos países na ONU que usou o debate para insistir em elogiar o trabalho das polícias. Nos bastidores, o Itamaraty chegou a tentar enfraquecer a resolução que seria passada naquele ano sobre o racismo da polícia.

Agora, o novo ministro de Direitos Humanos, Silvio Almeida, fez questão de apresentar uma nova posição do país, denunciando o racismo e deixando claro que a violência das forças de ordem é uma de suas preocupações.

Na ONU, Turk ainda destacou a situação dos negros nas cidades americanas. “Nos Estados Unidos, as pessoas de descendência africana têm quase três vezes mais probabilidade de serem mortas pela polícia do que as pessoas “brancas”, disse.

“A morte brutal de Tyre Nichols em Memphis há dois meses destacou-se não apenas pela gravidade da violência gravada, mas porque foi seguida por ações imediatas para processar os policiais envolvidos, enquanto geralmente apenas uma fração desses casos leva os responsáveis a serem levados à justiça”, destacou.

Pare ele, os responsáveis precisam ser levados à Justiça. “Nos EUA e em todos os outros países, uma ação rápida e determinada para responsabilizar os responsáveis em cada caso deveria ser a regra e não a exceção”, disse.

“Devem ser estabelecidas salvaguardas estruturais, incluindo supervisão independente, procedimentos de queixa eficazes e uma reforma legislativa robusta. Mas mesmo as ações mais fortes dentro da aplicação da lei não terão pleno sucesso a menos que sejam tomadas outras medidas concretas para enfrentar o racismo e as estruturas que o perpetuam em todas as nossas sociedades”, completou.

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

A vida de Joe Ligon, preso aos 15 anos e libertado aos 83

Desde que Joe Ligon saiu da prisão, perguntaram-lhe várias...

Monumentos e as memórias da escravidão no Brasil contemporâneo

A inspiração para a coluna desta semana surgiu a...

Juiz condena réu por injúria racial contra professora da filha

O juiz Carlos Eduardo Lora Franco, da 3ª Vara Criminal...

Criança de nove anos é vítima de racismo em escola de Piracicaba

Uma criança de nove anos foi vítima de preconceito...
spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...
-+=