Thiago Amparo: Na prática, STF decidirá se a lei vale para pessoas negras

Enviado por / FonteUOL

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) retoma hoje o julgamento sobre anulação de provas por abordagem racista. Em participação no UOL News, Thiago Amparo, advogado e professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas), destacou a importância desta ação, que pode anular processos legais se for comprovado que a abordagem foi motivada unicamente pela cor da pele do suspeito.

É um dos principais casos decididos pelo STF nos últimos tempos. Tem havido muitas más interpretações sobre o efeito desse caso. A discussão por trás dele é muito séria, sobre quais critérios a polícia pode agir. É se a fundada suspeita, usada como critério na abordagem policial, vale no Brasil e se a raça e o racismo valem como fundada suspeita.

Thiago Amparo, advogado e professor da FGV

Amparo ainda explicou que é necessário haver um critério objetivo para a decisão de policiais ao abordar um suspeito, e não apenas baseado na raça da pessoa. O advogado lamentou as interpretações equivocadas sobre o tema, como se a discussão limitasse o trabalho dos policiais.

O perfilamento significa que muitas vezes essa abordagem se dá por razões de raça e cor. Isso significa que a polícia não pode agir? Não. Isso é uma má interpretação. A polícia, ao abordar, precisa ter uma justificativa que não seja simplesmente a raça e a cor da pessoa. Significa também que o Judiciário pode, e deve, fiscalizar se há uma fundada suspeita ou não. 

Thiago Amparo, advogado e professor da FGV

Josias: Caso de homem negro portando 1 grama de cocaína deveria ser anulado

Josias de Souza defendeu a anulação do caso do homem preso em São Paulo ao portar 1,5g de cocaína e condenado a sete anos e onze meses por tráfico de drogas. A Defensoria Pública do Estado alega que as provas no processo decorreram de “filtragem racial” e que a abordagem policial ao indivíduo só ocorreu porque ele é negro.

Um brasileiro negro, humilde, foi preso pela polícia portando 1,5g de cocaína. Aí começa a discussão: isso pode caracterizar tráfico? Se é consumo, a condenação perde o sentido. Há um policial admitindo que usou um critério racial para selecionar o personagem. Não vejo como não anular esse processo. A pena, de mais de sete anos de prisão, é absurda. 

Josias de Souza, colunista do U

Julgamento importa porque negros são alvos de violência estrutural, diz Tenório

Jeferson Tenório também ressaltou a relevância do julgamento de hoje do STF. O colunista do UOL reforçou que os negros são vítimas frequentes da violência estrutural e sofrem constantes casos de racismo e discriminação.

É um momento muito importante dentro da história do Brasil. Os corpos negros geralmente são alvos dessa violência estrutural e institucional, que vê neles uma forma de condenar e fazer uma seletividade, tanto nas abordagens quanto na condenação. O mundo mudou e há outra perspectiva, em que as instituições têm reconhecido essas violências. O Brasil precisa acompanhar isso.

Jeferson Tenório, colunista do UOL

+ sobre o tema

Para especialistas, Judiciário reflete e mantém perpetuação do racismo na sociedade

Discriminação racial foi tema de painel durante 24º Seminário...

“O grande medo dos alunos era o caveirão”

Como a lógica de guerra operada pelo Estado...

Geledés e o Projeto Geração XXI

O Projeto Geração XXI foi uma ação afirmativa fundamentada...

Retratação pública da CAPES e concessão da bolsa Prof.Visitante ao Profº Kabengele Munanga

Por que isto é importante O Professor Kabengele Munanga foi...

para lembrar

Precisamos criar já o Fundo Nacional de Combate ao Racismo

O Brasil está vivendo um momento singular: cresce, dia...

Só existe uma raça. E ela surgiu na África

Há alguns anos o racismo voltou a assombrar o...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=