Movimentos lgbt e negro exigem retratação de secretária nacional de segurança pública

As entidades defensoras dos direitos LGBT reunidas na sede da OAB/AL nesta sexta-feira, 28, decidiram exigir a retratação da Secretária Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, Regina Miki, que em entrevista concedida ao programa jornal da Pajuçara Manhã em Maceió, disse que “o programa Brasil Mais Seguro não tem políticas para raça, etnia, opção sexual, pois tratamos todo mundo como iguais na hora da violência. Quando apuramos os crimes contra homofobia, verificamos que a motivação não é homofobia, mais as pessoas morreram por homicídio comum.”

Para o presidente do Grupo Gay de Alagoas, Nildo Correia, “é lamentável a postura da Secretária Regina Miki, ao excluir os grupos comprovadamente mais vulneráveis a violência – LGBT, negros, mulheres, jovens, do programa Brasil Mais Seguro. Estamos exigindo que o Ministério da Justiça reconsidere essas temáticas nas estratégias de enfrentamento a violência no Brasil, pois a secretaria desconstrói toda a fala do Governo Federal, que reconhece a necessidade deste foco nas minorias” afirmou.

Já o sociólogo Carlos Martins, pesquisador das relações étnicoracinais da UFAL e ativista do movimento negro, “A secretária Regina Miki usa de má fé quando nega as especificidades inerentes aos diversos segmentos sociais e demonstra imensa falta de respeito e deliberada intenção de invisibilizar as causas reais dos problemas que esses segmentos enfrentam além de ir na contra mão de seu próprio governo,” concluiu. 

Segundo Luiz Mott, fundador do movimento LGBT, “A secretária Regina Miki tem de se retratar, pois se até a ministra Maria do Rosário reconheceu a extrema violência nos crimes contra LGBT, que comprovam o ódio homofóbico, agora vem esta cara pálida dizer que são crimes comuns. Tem de se retratar ou ser demitida já! Que a ABGLT, o Cons.Nac. LGBT e os novos Comitês contra a Homofobia se posicionem severamente exigindo explicações,” declarou o decano do movimento.

Leia também:

A violência como pano de fundo na relação entre o estado brasileiro e a população negra

Foram 26.952 negros assassinados em 2002 e 34.983 em 2010

Marcha denuncia mortes e racismo na periferia de São Paulo

SP: entidades protestam contra ação violenta do Estado nas periferias

Polícia prende suspeito de marcar encontros pela internet, roubar e matar homossexuais

Fonte: Correio de Alagoas

+ sobre o tema

Estudante grávida é vítima de enxurrada de ofensas racistas em grupo de universitários

Uma mulher negra, grávida de três meses, foi vítima...

Com pandemia, SP registra 25% de mortes a mais entre negros e 11,5% entre brancos em 2020

A Covid-19 foi muito mais mortífera entre pessoas negras...

Candidatos brancos se declaram negros em 2022 para manter o poder no Legislativo

Fomos educadas a nunca (nunca!) subestimar o racismo. A...

para lembrar

Lewandowski vota a favor de cotas raciais nas universidades

Por: Adriana Caitano Relator do caso considera reserva de...

Carta aberta aos alunos da UERJ

Fonte: Lista Racial -   No sábado por volta das 5:30...

Sommeliers de movimento social

Já contei aqui. Em quase três décadas participando de...
spot_imgspot_img

Marca de maquiagem é criticada ao vender “tinta preta” para tom mais escuro de base

"De qual lado do meu rosto está a tinta preta e a base Youthforia?". Com cada metade do rosto coberto com um produto preto,...

Aluna é vítima de racismo e gordofobia em jogo de queimada na escola

A família de uma adolescente de 15 anos estudante do 9º ano do Colégio Pódion, na 713 Norte, denunciou um caso de racismo e preconceito sofridos...

Atriz Samara Felippo presta depoimento em delegacia sobre caso de racismo contra filha em escola de SP

A atriz Samara Felippo chegou por volta das 10h desta terça-feira (30) na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, no Centro de São Paulo. Assista o...
-+=