Negras brasileiras trazem sua contribuição para os debates da CSW

Evento paralelo à Comissão sobre o Estatuto da Mulher discute situação das descendentes de africanos; na sede da ONU em Nova York, negras brasileiras falam sobre duas opressões: o fato de serem negras e mulheres.

no Unmultimedia

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

As missões do Brasil e dos Estados Unidos na ONU organizaram um debate sobre a situação das mulheres descendentes de africanos. O evento desta quarta-feira foi paralelo à 60ª sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher e ocorreu na sede das Nações Unidas, em Nova York.

Convidada a participar do encontro, a mestre em Filosofia Djamila Ribeiro foi entrevistada pela Rádio ONU e lembrou que as brasileiras negras sofrem dois tipos de opressão.

Raça e Gênero

“Vivemos mais de uma opressão. Racismo, machismo, a questão também de mulheres lésbicas ou trans, quando somam mais de uma opressão. A gente precisa ter um olhar interseccional sobre as opressões, parar de tratar as categorias de formas isoladas. Porque como mulheres e negras, estamos ali num entrecruzamento de raça e gênero. Então é preciso que nós, enquanto mulheres negras possamos ter esses espaços de protagonismo para a gente poder enunciar e trazer à tona essas realidades.”

Além de Djamila Ribeiro, outra brasileira participou do debate ao lado de ativistas dos Estados Unidos. Valdecir do Nascimento é coordenadora-executiva da Articulação Nacional das Mulheres Negras. Segundo ela, a situação no Brasil é “alarmante”.

Educação e Trabalho

“As mulheres negras vivenciam uma experiência do assassinato em massa da juventude negra. É algo que acontece nos Estados Unidos, mas no Brasil isso tem cada vez ficado mais grave. Ao mesmo tempo, o Congresso Nacional brasileiro reduz a maioridade penal. Tudo isso afeta diretamente as mulheres negras. Sem contar dos processos de acesso à educação, ao trabalho de qualidade num momento de crise como esse. Tudo isso vai impactar na vida das mulheres negras.”

Segundo Valdecir do Nascimento, outros desafios são: combater o racismo, a violência e assegurar o bem viver para a comunidade negra. O Brasil preside esta sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher, que termina na quinta-feira, 24 de março.

+ sobre o tema

Ministra vai falar sobre restrições a aborto na ONU

A nova ministra da Secretaria de Política para as...

Filhos de Gandhy pedem saída de mulheres do bloco em respeito a tradição

Tradição é tradição e tem que ser respeitada. Os...

Pastor colocou placa indicando a morte de gays na porta de igreja na Bahia

Responsável pela igreja Templo Batista Bíblico Salém, no distrito...

Instituto Marielle Franco pede proteção a candidatas negras e LGBTQIA+

O Instituto Marielle Franco enviou, no último dia 13, uma carta...

para lembrar

Mulheres Super Poderosas

Projetos femininos se destacam na What Design Can Do...

Ellen Page: “Minha experiência como mulher gay em Hollywood é muito negativa”

Atriz estreia ‘The Umbrella Academy’, série da Netflix sobre...

Bruna Lombardi é a quarta mulher a dizer não a Temer

Antes dela, outras três mulheres recusaram o convite para...
spot_imgspot_img

Em ano olímpico, Rebeca Andrade ganha homenagem da Barbie e quer inspirar outros sonhos

Rebeca Andrade, 25, possui uma longa lista de conquistas. A ginasta é medalhista olímpica, vencedora de ouro e prata, bicampeã mundial, medalhas nos jogos Pan-Americanos...

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...
-+=