Negros de proveta, ou quando o racismo germina dentro de casa

” o racismo e a opressão familiar e cordial de nosso cotidiano brasileiro.”

por marcos romão do mamapress
“Temos observado um fenômeno preocupante que são agressões que jovens mulheres negras estão sofrendo nas redes sociais.
negras-atacadas

Para nosso espanto as agressões que estas jovens recebem não são de carecas neonazistas, mas sim de homens machistas e negros.

São xingadas quase sempre de mal-amadas no mínimo, quando não sofrem bullyng por parte de grupos que parecem agir orquestradamente, ao se dizerem ofendidos em suas “masculinidades”.

Restrito à pequenas redes sociais, as agressões contra a jovens negras, que escrevem sobre tudo, mas principalmente sobre o machismo e a discriminação racial sobretudo contra a mulher negra, ganhou uma certa notoriedade quando o ator e cantor negro da rede Globo, Marcello Melo Jr, postou imagens depreciativas às mulheres negras, e partiu para ofensas contra seu fã clube que protestou.

Machismo e racismo não é privilégio nem de classe nem de cor. No Brasil em especial, qualquer um pode se comportar como racista “branco” mesmo que seja negro e até pobre pobríssimo quando numa briga se acha no direito de chamar o outro pobre de negro fedido.

No fenômeno em questão, parece que o racismo estilo brasileiro não foge à regra, o negro Marcelo Mello Jr, ao se ver criticado por uma mulher negra soltou o verbo na rede social:

“vai caçar marido! Mau comida não…Pq ninguém de comer vcs!
“Vai se fuder feia pra caralho! Horrível vc Feia e Ridícula.”

Nós do Sos Racismo Brasil consideramos este fenômeno de agressividade discriminatória extremamente grave, e independentemente das ações legais e desculpas individuais, consideramos que toda a nossa sociedade precisa puxar o freio de mão dessas agressões e discutir em público e sem medo o racismo, o sexismo, e a homofobia que está se disseminando no seio de nossa juventude.

Empregadores e empregados de empresas, professores e alunos de escolas, pais e filhos, precisam sem preconceitos e pre-julgamentos pegar o Touro da Intolerância e do Obscurantismo à unha.
Ainda temos tempo, precisamos agir, pois este caso é muito mais que uma polêmica de artistas imberbes e irresponsáveis. É um dilema que se explicado, ajudará em muito a entendermos o racismo e a opressão familiar e cordial de nosso cotidiano brasileiro.

mello

leia o caso:

Depois de briga com seguidores, Marcello Melo Jr apaga imagem polêmica

+ sobre o tema

Sororidade: o valor da aliança entre as mulheres

Sororidade é um pacto social, ético e emocional construído...

Por um feminismo erótico

“Desejo que sejamos capazes de re-erotizar os corpos e...

Além do espelho

Sinopse "Nós temos uma poderosa arma, que é a memória,...

para lembrar

Pretas em movimento: estratégias e transgressões na Imprensa Negra paulista (1924-1940)

Trabalhadoras, escritoras de famosos periódicos da Imprensa Negra no...

Raizes Fortes: Cabelo Crespo na Infância – 1º episódio

O primeiro episódio da série web-documentária Raiz Forte aborda...
spot_imgspot_img

‘Questão do racismo tem a ver com a sobrevivência do capitalismo’, diz Diva Moreira, intelectual negra de MG

"A despeito da rigidez da estrutura de dominação, eu sou uma mulher de muita esperança." É assim que a jornalista, cientista política, ativista e...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=