PEC que proíbe aborto avança no Senado e pode ser votada na CCJ

Desarquivada em fevereiro, a PEC 29/2015 garante a “inviolabilidade da vida desde a concepção”.

Por Marcella Fernandes, do HuffPost Brasil 

Cartaz escrito: " Crime é não ter direitos pela vida. borto legal e seguro
MIDIANINJA/FLICKR

Desarquivada em fevereiro, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 29/2015, que garante a “inviolabilidade da vida desde a concepção”, pode avançar nos próximos dias no Senado.

Se aprovado, o texto pode barrar futuras flexibilizações na descriminalização do aborto, provocar retrocessos nos direitos reprodutivos e dificultar esse procedimento em caso de anencefalia, autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) desde 2012.

O parecer da relatora, senadora Juíza Selma (PSL-MT), deve ser lido nesta quarta-feira (24), na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, mas a votação pode ocorrer a partir de 7 de maio. Após a leitura do relatório, cabe pedido de vista (mais tempo para análise) e o colegiado não se reúne na próxima semana, devido ao feriado em 1º de maio.

De autoria do ex-senador Magno Malta (PR-ES), a proposta altera o artigo 5º da Constituição para a seguinte redação:

Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida desde a concepção, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.

O texto foi desarquivado pelo plenário do Senado em 12 de fevereiro, por votação simbólica após movimentação do senador Eduardo Girão (Podemos-CE), que conseguiu 29 assinaturas para o requerimento de desarquivamento. O parlamentar também organiza o lançamento da “Frente Parlamentar Mista Pela Vida, Contra o Aborto” na próxima quinta-feira (25).

Ao justificar a defesa da PEC, Girão negou intenção de retroceder na legislação e disse que o objetivo era evitar o “ativismo judicial”. “A “PEC da Vida”, é um projeto que creio ser o sonho da maioria do povo brasileiro”, disse, em nota enviada ao HuffPost Brasil.

Atualmente o aborto é permitido no Brasil no caso de gestação causada por estupro ou risco de vida da mãe, de acordo com o Código Penal. Decisão do STF também incluiu a previsão para casos de fetos anencéfalos.

Estão em análise no tribunal um pedido para descriminalização até a 12ª semana, sem previsão de julgamento, e outro para grávidas infectadas com zika, que está na pauta do plenário do dia 22 de maio.

Qual impacto da PEC 29/2015?

Senador Eduardo Girão, homem branco, 46 anos, de cabelos grisalhos, terno e gravata azul esccuro e camisa marrom clara. O senador está em pé, falando no microfone
Senador Eduardo Girão (Podemos-CE) reuniu apoio para desarquivar PEC que garante “inviolabilidade da vida”. (Foto: ROQUE DE SÁ/AGÊNCIA SENADO)

O relatório da senadora Juíza Selma mantém a previsão de aborto em caso de estupro e risco de vida da mãe. A CCJ, contudo, pode votar o texto original, mais restritivo. O colegiado pode também rejeitar a constitucionalidade da PEC.

Caso a proposta avance, precisa ser analisada por pelo menos uma comissão de mérito e depois segue para o plenário, onde são necessários 49 votos, em dois turnos, para aprovação. Se isso ocorrer, o texto segue para Câmara dos Deputados.

Na avaliação de Gabriela Rondon, advogada do Anis – Instituto de Bioética, a aprovação da PEC não teria um efeito imediato sobre aborto em caso de anencefalia, mas poderia impactar negativamente nos direitos reprodutivos.

“O que a PEC pretende provocar é uma confusão sobre o debate do aborto no Brasil. Sobrepor uma vida em potencial à proteção da vida de mulheres”, afirmou ao HuffPost.

Alguns integrantes da bancada conservadora defendem que até mesmo o uso de alguns anticoncepcionais deveria ser proibida.

A especialista lembra que um dos argumentos usados pelos defensores da PEC seriam supostas consequências na saúde de mulheres que abortam, mas não há evidências científicas sobre o tema.

″É uma estratégia bastante perversa porque é uma tentativa de dizer que é para proteger os direitos das mulheres”, criticou.

Ao HuffPost Brasil, o senador Eduardo Girão, afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que “está comprovado que o aborto deixa sequelas físicas, psíquicas e emocionais gravíssimas nas mulheres, causando depressão, ansiedade, que culminam muitas vezes na dependência química e no suicídio, grande mal desses tempos”.

A criminalização da interrupção da gravidez, por sua vez, tem impactos concretros na vida das brasileiras. De acordo com o Ministério da Saúde, o aborto é a 5ª causa de morte materna no País.

Em 2016, dos 1.670 óbitos causados por problemas relacionados à gravidez ou ao parto ou ocorridos até 42 dias depois, 127 foram devido ao abortamento.

Integrante do CFEMEA (Centro Feminista de Estudos e Assessoria), Jolúzia Batista aponta o início de uma articulação para avançar com o tema no Congresso. “Há uma estratégia montada. À medida que a reação contrária se coloca, vai ter uma arena mesmo”, afirmou ao HuffPost Brasil.

Na avaliação da especialista, a iniciativa encontrou espaço no Senado devido aos esforços da Câmara estarem voltados para outros assuntos, como a reforma da Previdência, e graças à redução de parlamentares progressistas nessa legislatura. ”É uma cobrança do eleitorado de um núcleo duro que não representa a diversidade e complexidade da sociedade brasileira”, completa.

A articulação é vista também como uma reação prévia ao julgamento que se aproxima no STF. De acordo com Rondon, há um incompreensão sobre a ação direta de inconstitucionalidade (ADI 5581), que inclui o pedido descriminalização do aborto para mulheres infectadas pelo vírus Zika.

O diagnóstico, durante a gestação, está associado a casos de microcefalia e outras malformações fetais. A advogada destaca que o objetivo da ação é evitar o sofrimento mental das mulheres nessa situação que quiserem optar pela interrupção da gravidez. Proposta pela Associação dos Defensores Públicos (Anadep), a ADI tem apoio do Instituto Anis.

 

Leia Também:

Lutar pelo direito ao aborto no Brasil é transitar a realidade e a utopia

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Moradores da periferia de SP lutam por espaços culturais

O acesso à cultura ainda é privilégio de poucos...

Manifesto de operadores do direito condena ‘ação genocida’ de Bolsonaro

Manifesto assinado por profissionais do direito –de diferentes matizes...

O luto das coisas

Li discreta nota no jornal noticiando que uma grande,...

Petistas do movimento negro saúdam Joaquim Barbosa

Petistas militantes do movimento negro saudaram nesta quinta-feira a...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=