Pesquisa britânica revela dados sobre racismo na música: “Mulheres negras não podem tocar rock”

Maioria dos músicos negros entrevistados já sofreu racismo na carreira

racismo estrutural afeta todas as esferas da sociedade, inclusive a indústria musical. Artistas negros geniais foram sistematicamente apagados da história, enquanto os músicos brancos que influenciaram recebiam todo o mérito: no rock n’ roll, por exemplo, Elvis Presley é chamado de Rei do Rock, mas o estilo deve a existência à nomes como Sister Rosetta Tharpe e Chuck Berry. 

Uma pesquisa realizada pelo Black Lives in Music no Reino Unido mostra dados alarmantes sobre a presença do racismo dentro da música, com estatísticas e relatos de diversos artistas e profissionais da música negros, conforme divulgado pela Far Out Magazine.

Uma mulher entrevistada para o estudo relatou a misoginia e racismo ainda existentes entre os fãs de música pesada, a despeito da contribuição essencial de Rosetta, considerada a Mãe do Rock, ao gênero. “[Me dizem] ‘Mulheres negras não podem fazer rock’, [fazem] comentários sexuais sobre o tamanho dos meus lábios, comentários raciais sobre o meu cabelo afro ‘maluco e rebelde’, etc. Eu não dou mais atenção a esses comentários, mas acredito que é importante informar as pessoas sobre”, contou. 

Até mesmo o talento excepcional de artistas negros é usado contra eles por parte da indústria. Enquanto artistas brancos que “se parecem com os Beatles ou Oasis” são abraçados, a expectativa com artistas negros é injusta e nada parece bastar, como explica outro relato.  “A música negra é sempre vista como algo que precisa ser ‘original’ e inédito. (…) Se você é negro e toca guitarra, dizem que se parece com Jimi Hendrix – isso já foi feito antes “, disse. 

Os dados coletados pela pesquisa comprovam as experiências desses artistas: 86% dos músicos negros concordam que existem barreiras causadas por raça para crescer na indústria musical; 63% dos músicos negros foram vítimas de racismo direto e 43% das mulheres negras na indústria foram instruídas para mudar a própria aparência, de forma direta ou velada, para ter uma chance na carreira musical.

Leia também:

‘Rock não é um gênero para o negro’ desde quando?

5 discos para não esquecer que o rock é som de preto

+ sobre o tema

Lugar de fala e ético-política da luta

O lugar de fala é o lugar democrático em...

‘Racismo mata todos os dias’, diz diretora que disputa vaga no Oscar

Confira entrevista com a cineasta Camila de Moraes, gaúcha...

para lembrar

Jamais fomos modernos

13 de maio. Data tida como histórica da Abolição...

Empregado vítima de racismo será indenizado em R$ 10 mil

  Funcionário de rede varejista era tratado com arrogância por...

Cotas, Prá que ti quero? A Política Social de Cotas Raciais

José Ricardo d'Almeida A polêmica das cotas raciais está cada...
spot_imgspot_img

Portões da universidade

"Nós queremos é que uma filha de uma empregada doméstica possa ser médica, possa ser dentista, possa ser engenheira. Nós não queremos uma sociedade...

Desaparecidos assombram país mesmo após redemocratização

Quando o presidente Lula assinou o decreto de reinstalação da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, no início de julho, emergiu como prioridade na retomada...

Racista é condenado a oito meses de prisão por ataques a Vini Jr

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira, que um racista foi condenado a oito meses de prisão por ataques a Vinicius Junior e Rüdiger. As agressões foram...
-+=