População negra está muito mais vulnerável à violência, diz diretora do FBSP

Enviado por / FonteCNN, por Daniel Fernandes

Diretora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública afirmou que desigualdade social no Brasil também tem consequências no índice

A diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), Samira Bueno, afirmou nesta terça-feira (31), em entrevista à CNN, que a população negra está muito mais vulnerável à violência no Brasil.

De acordo com a especialista, o índice de mortalidade entre pessoas brancas e amarelas é de 11 pessoas em um grupo de 100 mil, enquanto entre pessoas negras o índice sobe para 29 pessoas em um grupo de 100 mil.

A população negra está muito mais vulnerável à violência, e não só a ela. Na verdade, nós temos um acúmulo histórico de mais de 300 anos de escravidão e da ausência de políticas públicas que relegaram a população negra a um lugar em que ela concentra uma série de indicadores dos piores, como índices de evasão escolar, piores indicadores de inserção formal no mercado de trabalho e as mulheres negras com o índice de salário mais baixo no mercado de trabalho”, afirmou Samira Bueno.

Samira afirmou, ainda, que a desigualdade social no Brasil também tem consequências no índice de violência, já que as mulheres sem autonomia financeira são as mais afetadas pelo índice de violência letal.

“As mulheres que mais sofrem especialmente com a violência letal são aquelas que não têm autonomia financeira, que dependem financeiramente do marido e continuam em uma relação porque precisam colocar comida na mesa. A violência por si só não pode ser vista como algo isolado. Ela tem que ser vista como algo maior, de um país profundamente desigual”, afirmou a especialista.

Atlas da Violência 2021

O Atlas da Violência 2021, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, publicado nesta terça-feira, revela que a taxa de homicídios em todos os estados brasileiros apresentou queda, com exceção do Amazonas, que, entre 2018 e 2019, aumentou 1,6%. Já o número de mortes violentas por causas indeterminadas cresceu nos dois últimos anos.

De acordo com o estudo, o Brasil registrou um crescimento de 35,2% no número de mortes violentas por causas indeterminadas entre 2018 e 2019. Os maiores aumentos foram registrados no Rio de Janeiro (232%), no Acre (185%) e em Rondônia (178%).

No ano de 2018, o país registrou 57.956 homicídios. Já em 2019 este número ficou em 45.503, o que representa uma queda de 21,5%. De 2014 a 2019, a queda na taxa de homicídios é ainda maior: 24,8%.

O estudo deste ano foi baseado em dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) a partir dos atestados de óbito – ambos sistemas são do Ministério da Saúde. Os dados mais recentes são de 2019.

O Atlas ressalta ainda que o aumento dos registros nas mortes violentas por causa indeterminada (MVCI), que são aquelas em que não foi possível identificar a motivação, saltou de 12.310 para 16.648.

Essas mortes, segundo o estudo, podem ter sido provocadas por agressões, suicídios, assassinatos ou acidentes, mas acabam entrando nas estatísticas como indefinidas e podem puxar os registros de homicídios para baixo. 

YouTube video

(*Com informações de Rafaela Lara e Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo)

+ sobre o tema

3 anos sem Miguel: ‘Eles podem ter a influência que for, mas não vou me calar’, diz mãe

Nesta sexta-feira (02) se completam três anos da morte do...

Povos de Terreiro ganham cartilha de direitos

Diz um ditado: ‘Ìṣẹ́gun rárá ṣe òpin o nìkan...

Sob ataque, de novo

Teve de um tudo na série de episódios que,...

Três anos da morte do menino Miguel no Recife

Neste 2 de junho, a morte do menino Miguel Otávio...

para lembrar

Plano de Ação Brasil-EUA contra o Racismo

 - Fonte: Pravda.Ru - AP Photo / Julio Cortez Reunidos na...

Mulheres negras, moda e racismo

Temos assistido alguma mudança na relação entre mulheres e...

Racebending, nerds e racismo

Mais uma escalação e mais uma revolta no meio...
spot_imgspot_img

Influencers que deram banana para criança negra já causaram revolta na web por humilhação a motorista

As influencers Kérollen Cunha e Nancy Gonçalves que causaram revolta nas redes sociais nos últimos dias por conta de vídeos nos quais presenteiam crianças negras...

Polícia e MPRJ vão investigar influenciadoras por racismo

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro vão apurar uma denúncia de racismo que está chamando a atenção nas redes...

Revisão do Plano Diretor, que será votada hoje, aprofundará o racismo em SP

O notável aumento do debate público sobre racismo em todo o país e a comoção social com casos explícitos de ataques a pessoas, como...
-+=