Quem É Ouro no Brasil

As fotos revelam que a principal fonte de medalhas de ouro das Olimpíadas foi a população negra, que segundo o IBGE é formada por pretos e pardos.

Por Helio Santos Do Brasil de Carneeosso

Tenho dito que a periferia brasileira é ouro puro; figuração que faço para evidenciar a riqueza que ali sobrevive. Nada vale mais nesse planeta do que talento, mais que o próprio ouro. E convenhamos: esse material é abundante em nossos bairros periféricos, favelas, cortiços e invasões. As Olimpíadas que acabaram de se encerrar no Rio comprovou de forma cabal o que dissemos recentemente aqui nessa página. Sempre lembro que, apesar de dispormos de fartos veios de ouro puro, optamos pelas bijuterias. Ou seja: valorizamos os bem-nascidos que não precisam se empenhar para manter seus privilégios. O resultado é o país que nos resta: baixa capacidade de crescimento com inclusão; jejum completo de Prêmios Nobel e medíocre pontuação nos principais rankings mundiais de excelência. Bem, há duas exceções em que somos modelos: na música e no futebol – precisamente nos dois setores em que os negros não foram impedidos de atuar.

O que as Olimpíadas revelaram é que basta um investimento básico para que o retorno venha com fartos ganhos para a cidadania brasileira

 

É o caso de Rafaela Silva (24 anos), nosso primeiro ouro no Rio, oriunda da Cidade de Deus e que sofreu ataques covardes na Internet. É hoje sargento da Marinha.

Thiago Braz (22 anos) que, além do ouro, estabeleceu recorde olímpico no salto com vara: 6,03 metros. Foi criado pelos avós paternos e sofreu processo de abandono pela mãe.

O boxeador baiano Robson Conceição (27 anos) foi outro que viveu uma saga para chegar ao pódio, conquistando uma inédita medalha de ouro na categoria leve.

É ainda o caso do ex­ajudante de pedreiro Maicon Siqueira (23 anos) que faturou a 2a medalha brasileira num esporte ainda raro por aqui, como o taekwondo.

Mas de todos os laureados ninguém foi mais extraordinário do que o também baiano Isaquias Queiroz (22 anos) que ganhou 3 medalhas – 2 de pratas e uma de bronze, ­, tornando­se o primeiro atleta brasileiro a cumprir tal façanha numa mesma edição das Olimpíadas. O Brasil disputa as Olimpíadas desde 1920 e coube a este canoeiro – pobre e do interior – essa epopéia. Seu parceiro na disputa em dupla – Erlon Souza (25 anos), em sua primeira Olimpíada ganhou também a medalha de prata.

 

Todos esses heróis olímpicos são de origem humilde, como de resto são também quase todos os atletas negros da seleção olímpica de futebol e que são a maioria daquela equipe.

Por outro lado, a natação nas Olimpíadas não conquistou uma medalha sequer. Entenda­-se, não foi por falta de piscinas: clubes, condomínios, residências e colégios particulares dispõem de um estoque excessivo desses equipamentos, sendo que diversos desses espaços contam ainda com instrutores de natação.

Quando o Ministério dos Esportes, que no Brasil tem sido moeda de apoio político, passar de fato a investir nas periferias com a construção de equipamentos adequados e com material humano de apoio, a colheita de medalhas será farta. Repito mais uma vez: nenhum país pode, impunemente, desperdiçar talentos como faz o Brasil.

Tal desperdício aqui se deve ao racismo institucional que impregna as políticas públicas e as decisões do setor privado.

+ sobre o tema

Lancellotti, Varella, Suplicy e outros

Minha filha me pergunta qual é o nome do...

Movimentos sociais comemoram decisão da Câmara sobre os royalties

Projeto de lei destina 75% dos recursos para a...

Dilma indica Luiz Fux para 11º vaga no STF

A presidente Dilma Rousseff indicou nesta terça-feira (1º/2) o...

URGENTE: Fórum 21 convoca a intelectualidade brasileira à defesa da democracia, contra o golpe

Resistir ao golpe para construir um Brasil mais justo...

para lembrar

Ó, dia, ó, azar…

Vou pro inferno! Talvez lá a vida seja menos...

Gilberto Maringoni: São Paulo entre 5 e 9 de julho

  As comemorações de 9 de julho em...

Pós-Obama, negros estão mais otimistas quanto ao futuro

Pesquisa divulgada ontem mostra também que a avaliação do...

Ataque na Somália, o mais letal em uma década, deixa mais de 200 mortos

Um massivo ataque com bombas em uma área movimentada...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

USP oferece mais de 4 mil vagas em cursos gratuitos para público 60+

O programa USP 60+ completa 30 anos de sua criação e está com as inscrições abertas para o primeiro semestre de 2024. A abertura de vagas se...

Um passo à frente, dois atrás

Será que alguém que não sabe o que é ser preterido pela aparência, que jamais perdeu uma oportunidade de trabalho em razão da cor...
-+=