Rafaela Silva é a 1ª brasileira na semifinal do judô da Rio-2016

Traumas servem para que você supere seus medos. Não que a judoca Rafaela Silva tenha algum. Mas nesta segunda-feira, na Arena Carioca 2, no Parque Olímpico da Barra da Tijuca, ela deixou para trás um pesadelo que a acompanhava há quatro anos.

Por Ana Cora Lima e Bruno Doro, da UOL 

Após derrotar a vice-líder do ranking mundial, a sul-coreana Jandi Kim, nas oitavas de final, Rafaela enfrentou Karakas com as arquibancadas vibrando. Sua família estava lá. A irmã, Raquel, que faz parte da seleção, acompanhou tudo calada, ao lado da técnica Rosicléia Campos – nesta segunda, quem estava no tatame era o outro comandante da equipe verde-amarela, Mario Tsutsui. “Não consigo nem raciocinar. Estou tensa. Vou chorar nas finais, certeza”, avisou a irmã.

Rafaela venceu com um wazari. Seu pai, Luiz Carlos, saiu assim que o combate acabou. Foi fumar. “Não gosto de assistir, mas a Raquel insistiu muito. Estou aqui”. “Ela está muito confiante. Nem olhou para nós quando passou aqui ao lado”, completou Raquel. Essa confiança é algo que a judoca não teve tempo de exibir em 2012. Na Inglaterra, Rafaela foi eliminada por aplicar uma técnica ilegal. Ao dar um golpe, ela segurou na calça da adversária. Aquele golpe, que seria aprovado meses antes, a desqualificou.

luiz-carlos-e-zenilda-pais-de-rafaela-silva-1470672963562_v2_750x421

Luiz Carlos e Zenilda, pais de Rafaela Silva

A derrota gerou uma onda de protestos racistas em mídias sociais contra a brasileira, que respondeu. A polêmica a fez entrar em depressão e ameaçar deixar o esporte. Após aceitar trabalhar com uma psicóloga, a judoca se recuperou e, no ano seguinte, foi campeã mundial no Rio de Janeiro.

Nas oitavas de final, a brasileira venceu a sua segunda disputa do dia contra a sul-coreana Jandi Kim, segunda do ranking mundial. A luta não foi tão rápida como o primeiro combate do dia. Com muita pegada e penalidades para as duas atletas, Rafaela Silva ficou em vantagem aplicando um wazari na adversária faltando um minuto para acabar o combate.

Rafaela estreia com vitória rápida

Mais cedo, Rafaela Silva venceu a alemã Miryam Roper em sua estreia no judô na Rio-2016. A brasileira conquistou a vitória com menos de um minuto de luta. O primeiro wazari veio com 14 segundos de luta. O segundo, quando primeiro minuto terminava. A alemã é freguesa de Rafaela. A brasileira ganhou todas as nove lutas que disputou. Miryam Roper tem 34 anos e é dona de dois bronzes em Campeonatos Mundiais, em 2013 e 2014.

É o terceiro dia de competições no judô da Rio-2016. O esporte, apesar de ser uma das maiores chances de medalhas do Brasil, ainda não levou brasileiros ao pódio. Felipe Kitadai, Charles Chibana, Sarah Menezes e Érika Miranda deixaram a competição nos dois primeiros dias sem conseguir medalhas. Alex Pombo, que lutou nesta segunda-feira, também já foi eliminado.

Leia Também:

Campeã mundial, Rafaela Silva fica com o bronze no Pan de Toronto

Olimpíadas 2012: Ministro manda que PF investigue racismo contra Rafaela no Twitter

+ sobre o tema

Outro Olhar mostra soluções para vencer o racismo

  Para combater a discriminação, esta...

Uma nota sobre a arte de arranhar a vida entre os dentes

“A noite está tépida. O céu já está salpicado...

“Traficantes de Jesus”: Policia e MPF miram intolerância religiosa no Rio

A Polícia Civil e o MPF (Ministério Público Federal)...

para lembrar

‘Não estou nem aí’, Joaquim Barbosa esnoba cotas raciais

por Mariângela Gallucci - Agência Estado Apenas 1,4% dos magistrados...

Presa injustamente, Babiy sai pela 1ª vez neste feriado: “Cadeia não é pra ninguém”

Dançarina Bárbara Querino passa a Páscoa com a família...

Caso Rafael Braga: “A Justiça reforça a segregação racial no Brasil”

Condenado a 11 anos por tráfico, ex-catador diz que...

Brasileiro candidato a deputado é alvo de campanha neonazista na Alemanha

  Candidato na eleição alemã pelos Piratas de...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=