Tag: Jair Bolsonaro

Militantes do movimento negro fazem protesto na Fundação Cultural Palmares, por conta da indicação de seu novo presidente. (Foto: Pedro Ladeira/ FolhaPress)

Justiça determina que fundação do governo Bolsonaro apague textos contra Zumbi dos Palmares

A Justiça determinou nesta sexta-feira (29) que a Fundação Palmares deve apagar imediatamente de seus canais de comunicação dois textos que foram publicados contra Zumbi dos Palmares. Na decisão, a juíza Maria Cândida Carvalho Monteiro de Almeida, da 9ª Vara Federal Cível da SJDF​, determinou que os artigos "Zumbi e a Consciência Negra - Existem de Verdade?", de Luiz Gustavo dos Santos Chrispino, e "A Narrativa Mística de Zumbi dos Palmares", de Mayalu Felix, devem ser retirados dos canais de comunicação da instituição, sob pena de multa diária no valor de R$ 1 mil. A juíza deferiu pedido de liminar apresentador pelos deputados Túlio Gadêlha (PDT-PE), Benedita da Silva (PT-RJ), Áurea Carolina (PSOL-MG) e Bira do Pindaré (PSB-MA). "Concluo, com base nessas considerações, que a permanência dos artigos questionados no sítio institucional da Fundação Cultural Palmares ameaça o patrimônio histórico-cultural brasileiro e viola o direito à identidade, ação e memória ...

Leia mais
Palácio da Alvorada (Foto: Roberto Stuckert/ Arquivo Presidência República)

Para ex-ministros de três governos, presidente perdeu condições de governar

Seis ex-ministros da Justiça, Fazenda, Administração e Direitos Humanos que serviram a três governos pós-redemocratização defenderam nesta segunda-feira (18) o afastamento do cargo do presidente Jair Bolsonaro, pelo que definem como “perda de todas as condições para o exercício legítimo da Presidência da República”. Assinam uma nota pública sob o título “O presidente perdeu a condição de governar” os ex-ministros da Justiça José Carlos Dias e José Gregori (governo Fernando Henrique Cardoso); Luiz Carlos Bresser-Pereira (titular da Fazenda na gestão José Sarney e da Administração e Reforma do Estado e da Ciência e Tecnologia de FHC); Claudia Costin (Administração e Reforma, governo FHC); Paulo Sérgio Pinheiro (Secretaria dos Direitos Humanos, gestão FHC) e Paulo Vannuchi (titular de Direitos Humanos no governo Luiz Inácio Lula da Silva). Embora não mencionem impeachment ou renúncia, os seis ex-ministros dizem que "é hora de dar um basta ao desgoverno” e que “as forças democráticas ...

Leia mais
Reprodução/YouTube

Bolsonaro carrega um cemitério nas costas, afirma historiador

“Uma das razões porque estamos entrando nessa tragédia com esse grau de mortes resulta, em grande parte, não apenas, da atitude do presidente negando a epidemia, pressionando pelo retorno ao trabalho. Felizmente temos prefeitos e governadores que, independentemente de partidos, abraçaram uma atitude mais científica. Se não estaria muitíssimo pior.  Bolsonaro tem um cemitério carregado nas costas. Ele e o Trump. É uma cadeia de servidão. O Brasil é um espelho distorcido dos EUA. Só que lá as instituições são mais sólidas e ativas”. A avaliação é do historiador João José Reis ao TUTAMÉIA (acompanhe no vídeo acima e se inscreva no TUTAMÉIA TV). Professor da Universidade Federal da Bahia, ele é dos principais pesquisadores da escravidão e das revoltas escravas no Brasil. Autor de “Rebelião Escrava no Brasil” (2003), sobre o levante dos malês em 1835, e do recente “Ganhadores” (2019), relatando a greve negra de 1857 na Bahia, ele ...

Leia mais
Foto: Saulo Angelo/Futura Press/Estadão

Cloroquina ‘une’ Bolsonaro e Maduro em meio à pandemia de coronavírus

Tanto Jair Bolsonaro quanto Nicolás Maduro são entusiastas do medicamento - apesar de seus fortes efeitos colaterais e de sua eficácia ainda não ter sido confirmada cientificamente. Embora haja consenso sobre a substância, os dois líderes têm posicionamentos contrários em relação ao isolamento social. Enquanto Bolsonaro é contra o confinamento da população, Maduro decretou o lockdown na Venezuela. "Entre quarentena e produção, não há contradição", disse o venezuelano na quarta-feira (13) quando renovou por mais um mês o decreto de Estado de emergência. 'Mudança do protocolo' A polêmico em torno do uso da cloroquina teria sido um dos motivos que levou o ministro da Saúde brasileiro Nelson Teich a renunciar ao cargo. Sua saída aconteceu um dia após o ministro receber um ultimato de Bolsonaro para mudar o protocolo de orientação do Ministério da Saúde para uso da cloroquina no tratamento da covid-19. Na quinta-feira, em live na sua conta ...

Leia mais
(Foto: Getty Images)

Especialista do HC vê eugenia em fala de Bolsonaro sobre pandemia

Arnaldo Lichtenstein, médico diretor técnico de clínicas do Hospital das Clínicas, comentou falas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a pandemia do novo coronavírus. Na avaliação do médico, não se trata apenas de negar a ciência, e sim de uma lógica eugenista. O comentário foi feito em entrevista à TV Cultura. (Veja no vídeo abaixo) O comentário do médico foi em resposta a uma fala de espectador lida pela âncora Karyn Bravo. Ele lembrou que Bolsonaro disse que o Brasil vive neurose com o coronavírus e que 70% das pessoas irão pegar a covid-19. "Isso que ele falou levanta um ponto importante. Não é um negacionismo da ciência, é uma linha de raciocínio muito diferente e cruel. Sabe-se que a epidemia vai passar quando 50% a 70% das pessoas estiverem imunizadas, ou com vacina, ou pegar a doença. Quando se pega isso o vírus arrefece. São 140, 120 milhões ...

Leia mais
A performance "Mil Litros de Preto II - O largo transborda" alertou para a chacina de jovens negros, em São Paulo (Foto: André Velozo/Divulgação)

Sair do isolamento para atirar… quem é o alvo?

Ignorando mais uma vez o isolamento social, Jair Bolsonaro praticou tiro ao alvo e mostrou seu excelente desempenho em um vídeo postado no Facebook na semana passada. "De dez tiros, o pior foi 8, tá bom, né?", pergunta o presidente da República, rindo. Em meio a mais de 105 mil pessoas com Covid-19 e mais de 7 mil mortes, sem contar a subnotificação, pelo menos alguém está comemorando. Já os alvos dos disparos do presidente, como estamos? Essa é minha primeira postagem nesta coluna, até esqueci de me apresentar. Sou filha de um homem morto por traumatismo craniano. Alvo de tiros. Nunca me apresentei assim. Mas, com quinze dias de hospital, meu pai foi mais um homem declarado pardo ao ser contabilizado nas estatísticas de mortes violentas na periferia da zona norte de São Paulo. E eu era mais uma menina que crescia sem pai na Cohab. Já sei como ...

Leia mais
(Foto: NAYRA HALM/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Trabalhadores à espera de auxílio se sentem insultados por Bolsonaro

A declaração do presidente Jair Bolsonaro na última quinta-feira, de que as pessoas à espera do auxílio-emergencial são uma "minoria barulhenta", não foi bem recebida pelos trabalhadores. A frase foi dita durante sua live semanal transmitida pelas redes sociais. Segundo a Caixa Econômica Federal, há 17 milhões de pedidos do benefício de R$ 600 represados. O estudante de Psicologia e deficiente visual Lucas Bento Morais, de 20 anos, disse ter se sentido humilhado pela fala do presidente, que segundo ele teve um tom pejorativo. — Essa minoria tem pobres, negros, e deficientes visuais, como eu. Não é uma minoria de empresários. Me sinto humilhado porque a gente é pobre e é uma população invisibilizada diariamente. Essa fala do Bolsonaro é de extrema irresponsabilidade. Como chefe do Executivo ele precisa ser ponderado, até porque ele não foi eleito só pelos empresários. Entre as pessoas que estão com pedidos em análise provavelmente ...

Leia mais
Anielle Franco (Foto: Bléia Campos)

“Revoltante e lastimável”, diz irmã de Marielle sobre fala de Bolsonaro

Em seu discurso feito nesta sexta para rebater as declarações do ex-ministro Sergio Moro, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) citou Marielle Franco, vereadora assassinada em março de 2018, quando comparou a investigação da morte dela com a da facada que levou durante a campanha eleitoral. Após a fala, a família da parlamentar repudiou o uso do nome dela pelo presidente. Anielle Franco, irmã de Marielle e à frente de instituto em memória dela, classificou a declaração de Bolsonaro como "revoltante, lastimável e surreal" e afirmou que o uso do nome da vereadora foi uma "cortina de fumaça" na tentativa de tirar o foco dos ataques que recebia. "Nenhuma vida deve ser ceifada como a da Marielle, ninguém merece levar facada. Não se pode comparar o crime dele com o crime da minha irmã, que perdeu a vida com mais de cinco tiros na cabeça, é inadmissível", afirmou Anielle em ...

Leia mais

Bolsonaro é alvo de ação em Tribunal Penal Internacional por crime de epidemia

A ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) apresentou ao Tribunal Penal Internacional uma representação contra o presidente da República, Jair Bolsonaro. A entidade alega que o presidente pratica crime contra a humanidade ao vitimar a população brasileira diante da pandemia do novo coronavírus. Por Gabriela Coelho, Da CNN (Foto: ONU/Rick Bajornas) No documento, a Associação afirma que o país possui um chefe de governo e de Estado cujas atitudes “são total e absolutamente irresponsáveis.” “Por isso, solicitamos ao TPI que instaure procedimento para averiguar a conduta do presidente e condene Bolsonaro pelo crime contra a humanidade por expor a vida de cidadãos brasileiros, com ações concretas que estimulam o contágio e a proliferação do vírus, aplicando a pena cabível”, diz em trecho do documento. Segundo a entidade, Bolsonaro coloca a vida da população em risco, cometendo crimes e merecendo a atuação do Tribunal Penal Internacional ...

Leia mais
Jurista Silvio Luiz de Almeida explica a gênese do racismo.

O nazismo no governo Bolsonaro e a escalada do racismo no Brasil

Teoricamente há uma distinção entre as ideologias de “supremacia branca” e de “superioridade branca”. Essa distinção, aliás, é essencial para distinguir a história das relações raciais no Brasil e países como a Alemanha, EUA e África do Sul. Por Silvio Almeida, do Mídia 4P Silvio  de Almeida  (DIVULGAÇÃO/CHRISTIAN PARENTE) No Brasil, a ideia de “superioridade branca” converteu-se no final do sec. XIX no assimilacionismo. Foi uma saída genial dos intelectuais da época porque dava conta do problema das elites do pós-abolição, que era lidar com a massa de negros livres. Diante da impossibilidade de fazer como nos EUA e defender a “supremacia branca”, o Brasil – um país de negros, indígenas e mestiços – apostou na “superioridade branca”. Daí a aposta no branqueamento como forma de “civilizar” o país. A ideia de superioridade branca teve diferentes versões que vão do “assimilacionismo” (mestiçagem para eliminar o negro) ...

Leia mais
Reprodução/Facebook

Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos

Área ambiental é a mais preocupante, com a carta branca do governo para redes criminosas impulsionarem o desmatamento Por   ALEXANDRE PUTTI, da Carta Capital  Reprodução/Facebook A Human Rights Watch, organização internacional de direitos humanos, lançou nesta terça-feira 14 o seu Relatório Mundial 2020, no qual analisa a situação dos direitos humanos em mais de 100 países. Essa é a primeira análise feita pela ONG sob o governo de Jair Bolsonaro. E o resultado não é nada positivo para o ex-capitão. Em nove páginas sobre o Brasil, a HRW analisou dados sobre direitos humanos em diversas áreas e contrapôs com as decisões de Bolsonaro. A área mais preocupante para a ONG é a ambiental, que, segundo o relatório, teve carta branca do governo para redes criminosas atuarem impulsionando o desmatamento, que aumentou em mais de 80% em comparação com o mesmo período de 2018. O relatório enfatiza ...

Leia mais
O prédio do Tribunal Penal Internacional em Haia. UN Photo/Rick Bajornas

Grupos de direitos humanos denunciam Bolsonaro em tribunal internacional

Entidades brasileiras acusam presidente de 'crime contra a humanidade' no Tribunal Penal Internacional (TPI), sediado na Holanda Por Diego Freire, da Veja O prédio do Tribunal Penal Internacional em Haia. (UN Photo/Rick Bajornas) Duas entidades brasileiras de defesa dos direitos humanos entraram, na quarta-feira 27, com uma representação contra o presidente Jair Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional (TPI), com sede em Haia, na Holanda. A denúncia acusa o chefe de Estado brasileiro de “incitar o genocídio e promover ataques sistemáticos contra os povos indígenas” em declarações e medidas de seu governo. Assinam a representação o grupo de advogados Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos (CADHu) e a Comissão Arns, associação formada por personalidades do mundo político, juristas, acadêmicos, intelectuais, jornalistas e militantes sociais, presidido pela socióloga Margarida Genevois. As entidades consideram Bolsonaro responsável por “um crime contra a humanidade”. Integrado por representantes de diversos países, o ...

Leia mais
Ato em frente ao Palácio do Planalto na manhã desta terça-feira (26). Foto de Thais Mallon

Bolsonaro se nega a receber a Anistia Internacional e lideranças indígenas que exigem a proteção da Amazônia e dos povos tradicionais

Na manhã desta terça-feira (26), a Anistia Internacional Brasil realizou uma ação na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília, junto a três lideranças indígenas para marcar a entrega a petição que reuniu mais de 162 mil assinaturas de 53 países do mundo exigindo que o Presidente Jair Bolsonaro proteja a Amazônia e os povos tradicionais que nela vivem. Na mesma ocasião, a organização lançou a pesquisa “Cercar e trazer o boi: pecuária bovina ilegal na Amazônia brasileira”, em que documentou, em terras indígenas e reservas, como a atividade ilegal da pecuária na Amazônia contribui para o desmatamento e violações de direitos dos povos da floresta. Da Anistia Internacional Brasil  Ato em frente ao Palácio do Planalto na manhã desta terça-feira (26). Foto de Thais Mallon A ação simulou uma reunião com o presidente Bolsonaro, uma vez ele negou o pedido ...

Leia mais
Flávia Oliveira. (Foto: Marta Azevedo)

Materializou-se o Partido da Bala

Resta às mulheres e aos homens negros a desobediência de ficarem vivos Por FLÁVIA OLIVEIRA, do O Globo Flávia Oliveira. (Foto: Marta Azevedo) No país em que a morte está se tornando partido político por iniciativa do presidente da República, ficar vivo é ato revolucionário. Desde o início de 2019, são evidentes os sinais de que o Brasil caminha para o Estado de extermínio e impunidade. No Legislativo, tramita o pacote anticrime do ministro Sergio Moro, que pretende instituir redução de pena ou absolvição para homicídios cometidos por agentes da lei sob argumento de “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”. Chamam de excludente de ilicitude, eufemismo para licença para matar. É mecanismo que, aplicado no Rio de Janeiro às margens da legislação pelo governador Wilson Witzel, deu em 1.402 mortes decorrentes de intervenção policial de janeiro a setembro, salto de 18,6% sobre um ano antes. Em ...

Leia mais
Imagem: AFP

Estudantes voltam às ruas contra o bloqueio do Orçamento de universidades

Reitores de institutos federais afirmam que terão que fechar as portas já a partir de agosto, caso os 30% da verba bloqueados em maio não retornem para seus caixas Por JOANA OLIVEIRA, do El País Imagem: AFP Estudantes e professores de todo o Brasil realizam nesta terça-feira um terceiro ato nacional em defesa da educação e em protesto contra os cortes na área. Em maio, o bloqueio por parte do Ministério da Educação de 30% do Orçamento, atingindo fortemente a verba das instituições federais, e a retórica belicosa do Governo contra as universidades, consideradas antros "esquerdistas", foram catalisadores do primeiro protesto nacional —em cerca de 200 cidades— contra o presidente Jair Bolsonaro. Um mês depois, no auge das críticas sobre o assunto, o Congresso liberou 248,9 bilhões de crédito suplementar ao Orçamento, ante o compromisso do Planalto de liberar 1 bilhão para as universidades. Bolsonaro já manifestou o desejo de ...

Leia mais
Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Bolsonaro é um boçal com personalidade sombria, diz Folha em editorial

Sem fazer mea culpa sobre a participação da mídia, e da própria Folha, no golpe parlamentar que abriu os caminhos para que Bolsonaro chegasse ao poder, o jornal levanta a hipótese de impeachment, mas diz que reforma da Previdência "dá fôlego ao governo" Da Revista Fórum  Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR) No mais duro editorial até hoje contra Jair Bolsonaro, a Folha de S.Paulo critica duramente a “insistência na agressão e na boçalidade” do mandatário brasileiro que, segundo o jornal, “revela uma personalidade sombria que parece se reconhecer, com júbilo, nas trevas dos porões da ditadura militar”. “Além de expor o despreparo do chefe do Executivo para desempenhar suas funções num quadro de coexistência com as diferenças, a insistência na agressão e na boçalidade revela uma personalidade sombria que parece se reconhecer, com júbilo, nas trevas dos porões da ditadura militar”, relata a Folha. Sem fazer o mea culpa ...

Leia mais
Getty

Operação hacker marca a nova etapa de radicalização do governo

Ainda não caiu a ficha de parte relevante do poder – sobre a iminência da nova escalada autoritária conduzida por Jair Bolsonaro Por Luis Nassif, no GGN Foto: Getty A operação da Polícia Federal contra os supostos hackers do interior paulista indica o início da estratégia Operação Incêndio de Reichstag, que marcou a ascensão do nazismo na Alemanha. É uma tática recorrente em governos que caminham para o autoritarismo. Vão sendo testadas armações que insuflem a malta contra o inimigo comum fabricado. Mantém o clima de conflito permanente até que se tenha o grau de fervura adequado para o golpe final. Nos últimos dias, além dos hackers de Moro houve a capa estapafúrdia de Veja com os supostos terroristas, a tentativa de reavivar as teorias conspiratórios sobre o Foro de São Paulo e, agora, o caso dos hackers amadores – desses que deixam pista e dão ...

Leia mais
Imagem Geledés

Bolsonaro é condenado a pagar R$ 150 mil por declarações racistas e homofóbicas

A ação foi movida por três grupos que atuam em defesa da população LGBTI no Rio de Janeiro Por Jaqueline Deister, do Brasil de Fato  Imagem Geledés Na última semana, a maioria dos desembargadores da Câmara Cívil do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) decidiu manter a condenação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) por ter feito declarações homofóbicas e racistas no extinto programa CQC, da TV Bandeirantes, em março de 2011. Com a sentença, ele terá que pagar R$ 150 mil por danos morais coletivos. A indenização será destinada ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos, do Ministério da Justiça. A ação foi movida, em 2011, pelo Grupo Diversidade de Niterói (GDN), Grupo Cabo Free de Conscientização Homossexual e Combate à Homofobia e Grupo Arco-íris de Conscientização. Para o presidente do GDN, Felipe Carvalho, a decisão judicial representa uma vitória para o movimento LGBTI de todo o país. ...

Leia mais
Foto: Roberto Setton/Reprodução/vEJA

Villa: viagem de Bolsonaro aos EUA é desastrosa

O colunista Marco Antonio Villa, que se notabilizou como uma das vozes mais agressivas da direita brasileira com seus comentários na Jovem Pan, está indignado com a postura e o entreguismo do presidente Jair Bolsonaro nos EUA; "Esta viagem está sendo desastrosa. É um absurdo o que está sendo feito. Você se alia aos EUA e não vai receber nada", disse; "É necessário acabar com essa subserviência"; jornalista ainda bateu duro no deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para quem os brasileiros nos EUA são uma "vergonha"; "Eduardo Bolsonaro. Você que é uma vergonha para o Brasil. Você que põe o boné do Trump. Você é uma vergonha e não o brasileiro que vai lá trabalhar" Do  Brasil 247 Marco Antonio Villa  Foto: Roberto Setton/Reprodução/VEJA O colunista Marco Antonio Villa, que se notabilizou como uma das vozes mais agressivas da direita brasileira com seus comentários na Jovem Pan, está indignado ...

Leia mais
Hoje, Joanna trabalha em Recife, na Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer (Foto: DANIEL TAVARES/PCR)

Vítima de abuso, Joanna Maranhão descarta propostas de Bolsonaro contra pedofilia

A atleta e ativista é a maior recordista brasileira da história da natação. Em debate promovido pelo Sesc em São Paulo, ela falou sobre seu caminho e as dificuldades das mulheres no esporte Por Gabriel Valery, da RBA  Hoje, Joanna trabalha em Recife, na Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer (Foto: DANIEL TAVARES/PCR) Vítima de abusos sexuais na infância, a nadadora Joanna Maranhão não acredita que propostas do presidente Jair Bolsonaro (PSL) sejam eficazes para combater os crimes de pedofilia. "Não acredito em castração química ou pena de morte. Já quis muito mal desse homem, mas era um veneno que só eu bebia", disse sobre o seu agressor em um bate-papo no Sesc Pinheiros, na zona Oeste de São Paulo. A ex-atleta, ativista e profissional do ramo do esporte, esteve ontem (17) ao lado da professora Silvana Gollner, pós doutora na área de educação física. Na pauta, a importância ...

Leia mais
Página 2 de 4 1 2 3 4

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist