Uneafro promove 1ª edição do Prêmio Marielle Franco e grande aula de cidadania neste sábado, 14/4

Neste sábado, 14/4, a partir das 9h30, o auditório de Geografia da Universidade de São Paulo será palco de dois importantes eventos para as questões dos direitos humanos e da comunidade negra. Para homenagear pessoas e organizações essenciais à luta contra o racismo, o machismo e homofobia, a Uneafro realizará a 1ª edição do Prêmio Marielle Franco de Direitos Humanos e Educação Popular.

A iniciativa – que passará a ser entregue anualmente pela Uneafro – visa eternizar o nome e o legado de Marielle Franco, vereadora negra assassinada no Rio de Janeiro, que iniciou sua trajetória em um cursinho comunitário pré-vestibular na favela da Maré, trabalho similar ao da Uneafro. Nesta primeira edição, serão homenageados o MNU – Movimento Negro Unificado, o Geledés – Instituto da Mulher Negra e o Núcleo de Consciência Negra na USP.

Antes da premiação, a organização oferecerá uma experiência enriquecedora aos alunos de dezenas de cursinhos comunitários da Uneafro. Com o tema “130 anos depois: educação e direitos humanos pela vida do povo negro brasileiro”, a grande aula de cidadania funcionará como uma troca de experiência dos participantes com profissionais de diversas áreas de atuação, como direito e medicina, que também já foram alunos dos cursinhos da organização.

Dicas de estudos para vestibulares e concursos; aulas sobre mídia, manipulação e democracia, além de debates em relação aos direitos da criança e adolescente são alguns dos pontos que serão abordados no evento. A iniciativa é gratuita e aberta ao público.


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Lellêzinha, vocalista do Dream Team do Passinho é nomeada amiga do UNFPA para Juventude

Durante as celebrações do Dia Internacional da Juventude na...

Defender a Filosofia, contra cegueira neoliberal

  Projeto do governo para Ensino Médio chega ao Senado....

Djamila Ribeiro ferveu Belo Horizonte

Foto: Luciano Viana/SESC (instagram: @eulucianoviana) Djamila Ribeiro parou São Paulo, parou a Lapa, no...

‘O sistema de arte no Brasil é muito colonizado’ diz Rosana Paulino, artista plástica

Paulista com trabalhos voltados à questão do racismo e...

para lembrar

Mulheres negras são maioria entre jovens que não trabalham nem estudam

Os dados completos constam do estudo Juventude, Desigualdade e...

Gênero e Educação: fortalecendo uma agenda para as políticas educacionais

A publicação Gênero e Educação: fortalecendo uma agenda para as...

Tecendo a luta e a lira: Vida e morte na poesia de Dinha

(Dinha e Julia (uma das minhas meninas) Amor Teça sua teia e amorteça a morte. (Dinha) por Mariana...

O baile de máscaras “Bem Te Viu, Bem Te Vê”, na Savassi – por Fátima Oliveira

Quem não foi, perdeu! O quarteirão do Ronaldo Fraga, emoldurado...
spot_imgspot_img

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a votação na Câmara dos Deputados que selou a permanência na prisão de Chiquinho Brazão por suspeita do...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...
-+=