Efeito Madonna no Rio

Show atesta o potencial da cadeia produtiva da cultura na atividade econômica, geração de trabalho e renda

Uma mulher. Uma mulher de 65 anos. Uma artista de fama planetária que, aos 65 anos, 40 de carreira, é capaz de mobilizar para uma solitária apresentação três aviões de carga, 30 caminhões, 270 toneladas de equipamentos, 45 baús de figurinos, estafe de 200 pessoas, 90 quartos de hotel, palco de 812 metros quadrados, três passarelas, 18 torres de som, para receber um público estimado em 1,5 milhão na praia mais famosa do Brasil. A Prefeitura do Rio estima que a passagem de Madonna por Copacabana, amanhã, movimentará R$ 293,4 milhões na economia carioca. Tudo isso num fim de maio, período de baixa temporada turística na Cidade Maravilhosa.

A vinda de Madonna ao Rio para o encerramento de “The celebration tour”, a 12ª turnê mundial da popstar, contém lições em cultura, economia e na área social. Em tempos de etarismo e maus-tratos a idosos, é inspirador ver uma mulher de 65 anos ativa, querida e exibindo vigor físico numa maratona global de mais de 80 shows em sete meses. O Brasil chegou a 2022 com 32,1 milhões de habitantes com 60 anos ou mais; 22,1 milhões com 65 ou mais, segundo o último censo demográfico do IBGE. A proporção de idosos saltou de 10,8% para 15,6% desde 2010.

Madonna no Rio para o encerramento de “The celebration tour” – Foto: Pablo Porciuncula | AFP

Mulheres são maioria da população — 51,5% ante 48,5% de homens — e também entre os idosos. Do total de brasileiros com 60 anos ou mais, elas somam 17,8 milhões, eles 14,2 milhões. O Rio de Janeiro (18,8%) está entre os três estados com maior proporção de idosos do país; atrás do Rio Grande do Sul (20,2%), à frente de Minas Gerais (17,8%). Só aqui e no RS o total de idosos ultrapassa o de crianças. Para cada cem moradores de 0 a 14 anos, há 106 idosos no território fluminense. Convém pensar em políticas públicas de inclusão, atividade produtiva, respeito aos mais velhos.

O ponto final da turnê de Madonna também atesta o potencial da cadeia produtiva da cultura na atividade econômica, geração de trabalho e renda. Afora os profissionais envolvidos na realização, o show de amanhã ativou diferentes setores. De 1º a 6 de maio, 222 mil pessoas passarão pelo Aeroporto Internacional Tom Jobim, entre pousos e decolagens nacionais e internacionais. Até terça que vem, a companhia aérea Azul operará 436 voos para o Galeão, dos quais 170 extras. O total de assentos passa de 60 mil. Somando Santos Dumont e Jacarepaguá, serão mais de 100 mil assentos, um Maracanã e meio. Só hoje, 19 mil pessoas passarão pela Rodoviária Novo Rio em 600 ônibus; amanhã, 18 mil em 580 veículos.

Madonna leva 1,6 milhão de pessoas a Copacabana — Foto: Fernando Maia/Riotur

Uma caminhada pela orla de Copacabana dá a medida do efeito Madonna na atividade. Bares e quiosques ocupados, inflação nos drinques, petiscos e itens praianos, uma profusão de produtos customizados, de leques a camisetas. À venda, até kit com brigadeiros estampando a foto da cantora. Restaurantes, padarias, supermercados e lojas de roupas, da Zona Sul à Saara, estimam aumento de receitas. A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Econômico (SMDUE) prevê que a passagem de Madonna renderá R$ 60,9 milhões em ISS recolhidos pelas áreas relacionadas ao evento: turismo, transportes, entretenimento; 20% mais que um ano atrás. O Museu do Amanhã está recebendo 5 mil visitantes por dia, o dobro do habitual.

A prefeitura destinou R$ 10 milhões em patrocínio ao evento; o governo do estado, idem. A conta de retorno é satisfatória, embora seja legítimo que a população questione a escassez de recursos para áreas prioritárias, como combate à fome e infraestrutura. Fundamental é sublinhar quanto a cidade é vocacionada para atividades de cultura e turismo. E quanto vale a pena levá-las a sério, em vez de demonizar, perseguir e desqualificá-las por miopia político-ideológica.

O economista Marcel Balassiano, da SMDUE, estimou que, em novembro passado, com três feriadões, final da Libertadores da América e apresentações de RBD e Taylor Swift, o turismo e eventos movimentaram R$ 700 milhões na capital. O efeito Swift na economia americana foi mencionado em relatório do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos. No Rio, o Réveillon movimentou R$ 3 bilhões, o carnaval R$ 5 bilhões. No ano passado, a receita de ISS com turismo, eventos e cultura alcançou R$ 416,4 milhões, R$ 100 milhões a mais que em 2022. A indústria criativa no Rio tem mais de 4 mil empresas e 80 mil trabalhadores; 93,5% são micro e pequenos empreendimentos. Cultura é riqueza.

+ sobre o tema

Seppir e Ministério do Esporte preparam campanha antirracista para a Copa do Mundo

por Isabela Vieira Preocupada com as cenas de racismo...

Kabengele Munanga-Uma Abordagem Conceitual das Noções de Raça, Racismo, Identidade e Etnia

Por Kabengele Munanga Etmologicamente, o conceito de raça veio do...

Professor da UFG é expulso de prédio sob gritos de ‘racista’

Um vídeo compartilhado na internet mostra quando um professor...

‘Waiting list’

Você sabia que existe uma lista de espera no...

para lembrar

Cotas raciais: Na integra o voto do relator Ministro Lewandowski

Cotas: relator vota pela constitucionalidade das políticas afirmativas da...

Educação dos ricos também preocupa

É difícil imaginar o desenvolvimento de uma nação sem...
spot_imgspot_img

Torcedor do Santos é condenado por racismo contra jogador que errou pênalti

A Justiça paulista condenou por injúria racial o torcedor Paulo Morales, que, no ano passado, ofendeu o jogador de futebol Bruno Mezenga, então atacante...

Racismo ambiental põe em risco práticas religiosas de matrizes africanas

A sociedade já sabe que a crise climática afeta a todas as pessoas, mas precisamos aprofundar nosso entendimento sobre a maneira racista pela qual ela atinge comunidades,...

Mulher branca se recusou a vender imóvel depois de descobrir que compradora era negra nos EUA

Empoleirado em uma colina com vista para o Oceano Atlântico, o apartamento em Virginia Beach, nos Estados Unidos, era exatamente o que Raven Baxter queria. Tinha uma...
-+=