Orun em festa, mãe Beata chegou. Odô, Ya!

Mãe Beata Presente!

Desmistificando o terreiro com a Yalorixá Mãe Beata de Iemanjá por Stephanie Nunes

No dia 30 de abril, dia da Baixada Fluminense, realizamos a Roda de Conversa  A Universidade no Terreiro: Saberes e memória da Religiosidade Afro-Brasileira na Baixada Fluminense com a Yalorixá Mãe Beata de Iemanjá. A atividade foi realizada no próprio terreiro Ilê Omiojuaro, que fica em Miguel Couto, na cidade de Nova Iguaçu.

Foi com muita alegria que participamos dessa atividade, que possibilitou, para muitos, desmistificar a visão negativa que é comumente construída do que é um terreiro. Descobrimos que o terreiro também é um espaço de multiculturalidade e de política. “A religião não pode se desassociar à política. Isso que nós estamos fazendo aqui é uma política cultural” (Mãe Beata).

Fomos recebidos pelo Babaebé da comunidade (pai da comunidde, que tem a função de pensar como conduzir as discussões dentro do terreiro), que faz uma introdução e nos apresenta a Mãe Beata com muito carinho.

As religiões de matriz africana são originárias do continente africano, mas são resignificadas aqui, no Brasil. A vivência no terreiro proporciona uma rica experiência cultural, desde a culinária ao conhecimento sobre ervas medicinais. Inclusive a Mãe Beata fala um pouco sobre o convite que recebeu para passar esse conhecimento que ela tem – por ter sido escolhida para transmiti-lo dentro da visão de mundo Iorubá – para médicos.

Mãe Beata de Iemanjá é Yalorixá (sacerdotisa suprema dos candomblés de origem Ketu-iorubá), escritora, artesã, griot (tem a função de transmitir as histórias, canções e conhecimentos de seu povo), desenvolve trabalhos relacionados à defesa e preservação do meio ambiente, aos direitos humanos, à educação, saúde, combate ao sexismo e ao racismo.

Ela critica a visão preconceituosa, europeia, sobre o Candomblé, que muitas vezes é chamado de seita, mas na verdade é uma religião; e também sobre Exu, que é um orixá. A imagem das religiões de matriz africana foi construída com base no medo e até hoje essa visão é predominante entre os leigos. Mas felizmente sabemos que a situação é reversível, quando se reconhece o preconceito fica mais fácil desconstruí-lo, buscando conhecimento.

“Me chame de negra, é para isto que estou aqui. Não me chame de morena, nem de mulata, nem de sapoti. Eu sei que sou gostosa, eu sou linda, meus olhos brilham, agora mesmo quando eu te vi. Ai que coisa gostosa quando eu digo isso! Meus parentes vieram da África e eu nasci no Brasil. Sou do Candomblé, religião dos Orixás. Os Orixás mudaram meu nome porque viram que eu era capaz. Hoje em dia me conhecem como Beata de Iemanjá. Discuto, falo, cada vez eu quero mais! Defendo o meu povo, para isto eu sou capaz! Mulheres, me deem a mão, os homens, cheguem para cá. Vocês também são nossos pares, venham nos ajudar! No momento da nossa defesa, apartheid para nós jamais!” (Mãe Beata)

 

 

Imagens são de Reprodução do site PET Conexões Baixada

 

Leia também

Mãe Beata de Iemanjá – Por Fernanda Pompeu

Carta de Mãe Beata de Yemonja a Marina Silva

Mãe Beata de Iemanjá: ‘Vou entrar nessa briga’

Mãe Beata de Iemanjá

Mãe Beata: Contos da guerreira

Ialorixá da Baixada Fluminense recebe condecoração da Alerj por trajetória de luta social

+ sobre o tema

Reinvenção do futebol: bola e arte para vencer o racismo

Em comemoração ao dia da Consciência Negra, o jornal...

9 expressões populares com origens ligadas à escravidão; e você nem imaginava

Certas expressões populares se tornam de tal forma parte...

Jamais fomos modernos

13 de maio. Data tida como histórica da Abolição...

para lembrar

1,5 milhão de mulheres negras são vítimas de violência doméstica no Brasil

Elas representam 60% das 2,4 mi de agredidas. Reportagem...

A primeira juíza mulher da NBA e sua história de resistência

“Eu sabia que todo mundo estava esperando que eu...

É Tempo de Anastácia!

Quantas de nós, mulheres negras, ainda somos silenciadas nos...

Maria Júlia Coutinho será a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional

Jornalista entra para o rodízio de apresentadores do noticiários...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=