terça-feira, julho 7, 2020

    Tag: doméstica

    cena do filme 'Histórias Cruzadas'

    O quarto de empregada e a morte de Miguel

    No dia 02 de junho de 2020 ficamos todos em choque com a notícia da morte de uma criança negra de cinco anos que, após ser deixada sozinha no elevador de um prédio de luxo em Recife pela patroa de sua mãe, caiu do nono andar. Miguel era uma criança negra, filho de Mirtes, uma empregada doméstica que foi obrigada a continuar trabalhando durante a pandemia de Covid-19. A patroa de Mirtes chama-se Sari Corte Real e é esposa de Sergio Hacker, prefeito de Tamandaré, um município do interior de Pernambuco. Apesar disso, aparentemente a família reside na capital do estado, localizada cerca de 104 km da cidade de Tamandaré, no condomínio de luxo Píer Maurício de Nassau, que é um símbolo da especulação imobiliária, na capital pernambucana. Interessante notar que tanto o sobrenome da patroa quanto o nome do edifício remetem ao período colonial do nosso país.  Ao mesmo ...

    Leia mais
    Adobe

    A filha da empregada

    Naquele dia de chuva, para não chegar atrasada, acordei as quatro e meia da manhã e fiquei mais de uma hora esperando na frente da empresa. Consegui não me atrasar, mas não puder evitar os pingos de lama na barra da calça. Minha rua de terra batida virava mangue ao sinal de qualquer fina garoa. Aos seis anos era divertido. Aos dezesseis, dolorido. A marcas da calça saíram com água. As da cara demoraram um tempo, ainda hoje sinto respingos. Cheguei antes de todas as candidatas. Mesmo sem saber quais seriam as perguntas, ensaiei várias possíveis respostas. Meu pai mandou ler o jornal. Minha mãe, o dicionário. A firmeza nas palavras sempre fora meu trunfo. Pena que, dependendo do jogo, essa carta não vale muito. Em uma recepção com portas de vidro que davam para uma sala grande, sem portas, eu e outras cinco meninas aguardávamos. Elas todas tão diferentes ...

    Leia mais
    https://www.instagram.com/p/B8hByM5lH9M/

    Ex-empregada doméstica diz a Paulo Guedes que está indo a ONU

    Deputada estadual do Psol mandou recado ao ministro da Economia que discriminou as empregadas doméstica ao dizer que no período do real mais valorizado a empregada doméstica estava indo para a Disney, “uma festa danada”. No Vermelho Deputada estadual do PSOL/MG, Andreia de Jesus (Foto: Reprodução/Instagram @andreiadejesuus) A deputada estadual do PSOL em Minas Gerais, Andreia de Jesus, trabalhou como empregada doméstica e nas eleições de 2018 foi eleita com 17.689 votos para o mandato na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Andreia mandou um recado nas redes sociais nesta semana para o Ministro da Economia, Paulo Guedes, que criticou “empregada doméstica indo de avião para a Disneylândia”, no que chamou de uma “festa danada”, para criticar os tempos em que a cotação do dólar estava abaixo de dois reais e justificar os maiores valores nominais da moeda estadunidense no Brasil nesta semana. “Ei, Paulo Guedes! Vai ...

    Leia mais
    blank

    Empregadas Domésticas e o destino Histórico

    Lembro-me da minha querida mãe, que se chamava Maria, trabalhou toda vida em casa de família, quando completou em abril de 1997, 60 anos, estava radiante pelos seus filhos estarem se encaminhando, particularmente, pelos três primeiros filhos que já estavam trabalhando e estudando. Ocorreu, contudo, que ela veio a falecer em agosto do mesmo ano, inacreditavelmente por uma pneumonia. Foi difícil para todos acreditar que aquela mulher determinada, forte e negra, agora tinha sido traída por uma gripe. Enfim, faz parte da vida e a nossa querida mãe está bem em um plano superior. Por LUCIO ANTONIO MACHADO ALMEIDA, para o Portal Geledés  Ano de 1978. Cidade de Rio Grande, Rio Grande do Sul (Arquivo Pessoal) Entretanto, com o tempo eu fiquei me perguntando: O que aconteceu com Maria neste período no qual esteve como empregada doméstica? Não foram poucas, às vezes, em que ela nos ...

    Leia mais
    Getty Images

    Transou com a empregada: por que não se fala de abuso sexual com domésticas

    O caso é recorrente em novelas. Nesse ano, em A Dona do Pedaço, foi Edilene (Cynthia Senek), que se envolveu com o personagem de José de Abreu, Otávio, seu patrão. A garota morreu após um aborto. Há mais de 20 anos, em Laços de Família, Danilo (Alexandre Borges) seduzia Ritinha (Juliana Paes) nos mesmos moldes. Por Willian Novaes, do Universa  Getty Images O assédio e abuso sexual existem há séculos contra as empregadas domésticas. E a situação é tão normalizada que há alguns homens que exibem as suas experiências sexuais com as funcionárias, como troféus em conversas masculinas. E as vítimas? Sempre com medo, sempre do lado frágil dessa história, escondem até de si mesmas os estupros sofridos no seu local de trabalho. A empregada está no lado em que a corda estoura, mas, com vergonha e medo de perder o emprego, lida com aquilo em ...

    Leia mais
    As mulheres negas são as que mais sofrem nesta história. Imagem Hypeness

    Se trabalho doméstico fosse remunerado, mulheres ganhariam mais que homens, aponta estudo

    A coluna do jornalista Ancelmo Goes publicou uma notícia intrigante e que reflete o cenário difícil enfrentado pelas mulheres no mercado de trabalho. A notícia veiculada em O Globo aponta que se as mulheres recebessem pelo trabalho doméstico, ganhariam mais de R$ 1 trilhão. no Hypeness As mulheres negas são as que mais sofrem nesta história. Imagem Hypeness A constatação é baseada em estudo feito pelo Instituto Locomotiva, o Womans 20 Outreach, que realizou uma pesquisa sobre inclusão feminina no mercado de trabalho. Outro agravante mora na jornada de trabalho. De acordo com o levantamento, o tempo médio gasto por mulheres com os afazeres domésticos, incluindo o cuidado com pessoas, é de 92 horas por mês. Trocando em miúdos, caso estas profissionais fossem remuneradas de acordo com a configuração do mercado de trabalho, a quantia ficaria na casa do R$ 1.066 trilhão por ano. Os resultados ...

    Leia mais
    blank

    PEC das Domésticas completa 5 anos; direitos não são fiscalizados

    Com a reforma trabalhista, precarização do trabalho dessas profissionais deve aumentar, de acordo com especialistas Por Júlia Dolce Do Brasil de Fato Cena do documentário "Doméstica", de Gabriel Mascaro, que investiga dinâmica da profissão e sua presença nos lares brasileiros / Reprodução/ Brasil de Fato   Após cinco anos da promulgação da Emenda Constitucional 72, que entrou em vigor no dia 3 de abril de 2013, a medida, popularmente conhecida como PEC das domésticas, não propiciou mudanças significativas às trabalhadoras brasileiras desse setor, na opinião de especialistas. A falta de fiscalização dos direitos dessas profissionais é apontada como um dos principais motivos para que a lei não saísse do papel. De acordo com Eliete Ferreira da Silva, coordenadora geral do Sindicato das/os Trabalhadoras/es Domésticas/os de Campinas e Região, segunda associação da categoria criada no país, os empregadores domésticos vêm encontrando formas de driblar a lei. "Mesmo que as trabalhadoras ...

    Leia mais
    blank

    O que faz o Brasil ter a maior população de domésticas do mundo

    Se organizasse um encontro de todos os seus trabalhadores domésticos, o Brasil reuniria uma população maior que a da Dinamarca, composta majoritariamente por mulheres negras, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT). por Marina Wentzel no BBC Segundo dados de 2017, o país emprega cerca de 7 milhões de pessoas no setor - o maior grupo no mundo. São três empregados para cada grupo de 100 habitantes - e a liderança brasileira nesse ranking só é contestada pela informalidade e falta de dados confiáveis de outros países. Com um perfil predominante feminino, afrodescendente e de baixa escolaridade, o trabalho doméstico é alimentado pela desigualdade e pela dinâmica social criada principalmente após a abolição da escravatura no Brasil, afirmam especialistas. Um estudo feito em parceria entre o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ligado ao Ministério do Planejamento, e a ONU Mulheres, braço das Nações Unidas que promove a igualdade ...

    Leia mais
    blank

    Madame joga fora pratos e talheres usados por empregada doméstica e a demite por usar o banheiro

    “A faxina estava ótima, mas não gostei de uma coisa que você fez”, disse a patroa, por Whatsapp, ao dispensar uma empregada doméstica. O motivo: ela usou o único banheiro da casa e comeu com seus pratos e talheres. “Além de nojenta é mal educada”, exclamou a patroa. Print da conversa viralizou nas redes. Confira Do  Portal Fórum  A página do Facebook “Eu, empregada doméstica” reúne, já há algum tempo, relatos e depoimentos de situações humilhantes e vexatórias vividas por empregadas domésticas no Brasil. Ela foi criada por Joyce Fernandes, mais conhecida como Preta Rara. Hoje historiadora, rapper e ativista, Preta Rara era empregada doméstica em Santos (SP) e começou a colher depoimentos de colegas de profissão. Marginalizada, a profissão de empregada doméstica ganhou um suspiro de dignidade quando, em 2015, Dilma Rousseff sancionou uma lei garantindo mais direitos a esses trabalhadores e trabalhadoras. A situação, no entanto, segue sendo absurda. Um relato ...

    Leia mais
    (Matt Petit/Miss Universe Organization/AFP)

    “Cara de empregada. Não era pra tá ai” : Negra, Miss Brasil sofre ofensas

    Negra, de cabelos cacheadas e piauiense, a nova Missa Brasil (2017)  Monalysa Alcântara foi saudada neste final de semana como uma representação da brasilidade; foi assim que os jurados afirmaram no discurso que lhe rendeu a coroa; apesar de vitória, a jovem de 18 anos está sendo alvo de alguns ataques racistas e de ódio nas redes sociais; uma internauta disse no Twitter que Monalysa tinha cara de “empregada”: (Matt Petit/Miss Universe Organization/AFP) no Brasil 247 “Credoooo! A Miss Piauí tem cara de empregadinha, cara comum, não tem perfil de miss, não era pra tá aí” Negra, de cabelos cacheadas e piauiense, a nova Missa Brasil (2017)  Monalysa Alcântara foi saudada neste final de semana como uma representação da brasilidade. Foi assim que os jurados afirmaram no discurso que lhe rendeu a coroa. Apesar de vitória, a jovem de 18 anos está sendo alvo de alguns ataques racistas e de ódio ...

    Leia mais
    blank

    ‘Você faz faxina?’ Perguntou uma mulher, e a resposta foi: “Não. Faço mestrado”

    A historiadora e professora Luana Tolentino, de 33 anos, foi mais uma vítima do preconceito racial. Na última terça-feira, ela seguia para o trabalho, em Belo Horizonte, Minas Gerais, por volta das 6h30, quando foi surpreendida por uma mulher e uma pergunta: "Você faz faxina?". Espantada com a abordagem, Luana respondeu: "Não. Faço mestrado. Sou professora". Com a resposta, a mulher, que a historiadora jamais tinha visto, seguiu adiante. por Gabriela Viana no Extra - Primeiro eu tive um impacto, mas infelizmente é algo recorrente. É como se fosse um soco no estômago e você perde o ar, sabe? Mas aí, como a gente passa por um longo processo de afirmação, eu consegui responder. Ela não respondeu mais e ficou impactada pela minha resposta. Ela foi andando pra trás e ficou me olhando e eu segui. A linguagem corporal dela disse muito. Acho que o constrangimento dela impediu que ela dissesse ...

    Leia mais
    blank

    Eu Empregada Doméstica Preta Rara – TEDxSaoPaulo

    Joyce, a Preta Rara, fala do que aprendeu com sua experiência de trabalho como empregada doméstica e com a página de Facebook que criou em julho de 2016. no TEDx Talks Preta Rara, ou Joyce Fernandes, é graduada em História e dá aulas de história. Também é rapper e ativista. Se tornou porta-voz das empregadas domésticas no Brasil depois de criar a página Eu Empregada Doméstica no Facebook.

    Leia mais
    blank

    Promotor de Justiça de SP diz que desembargadora tem cara de empregada

    Mesmo depois de já ter sido punido por isso, o promotor de Justiça Rogério Zagallo voltou ao Facebook para escrever insultos preconceituosos. Neste domingo (8/1), disse que uma desembargadora do Tribunal de Justiça do Amazonas tem cara de empregada doméstica. Por Pedro Canário, para ConJur  O comentário foi feito num post do advogado Caio Arantes. Ele compartilhou em sua página na rede social uma notícia sobre a desembargadora Encarnação das Graças Salgado. O texto, do jornal O Estado de S. Paulo, reproduz uma acusação de que ela é ligada a uma facção criminosa. E Zagallo comentou: “Pela carinha, quando for demitida poderá fazer faxina em casa. Pago R$ 50,00 a diária”. Rogério Leão Zagallo é o promotor titular do 5º Tribunal do Júri de São Paulo. É o responsável, portanto, por representar a sociedade em casos de crimes contra a vida. E não é a primeira vez que ele publica ...

    Leia mais
    blank

    Eu Empregada Doméstica e mais alguns relatos de experiências vividas por empregadas domésticas no Brasil

    A maneira com que historicamente sempre se tratou as empregadas domésticas no Brasil, sem que sequer houvesse uma legislação adequada para a profissão (e quando enfim foi criada, a gritaria de indignação foi geral, diante do mero estabelecimento do direto profissional mínimo), com um verdadeiro apartheid racial e social dentro de nossas próprias casas, diz muito sobre como vemos e vivemos os privilégios e desigualdades no país. Uma página foi criada no Facebook para que retratos desses tratos entre patrões e empregadas pudessem ser relatados. no Hypeness Eu Empregada Doméstica reúne, portanto, comentários, apontamentos e relatos propriamente revelando pequenas histórias e situações que ilustram a desigualdade e o destrato que essa tão importante classe profissional sempre sofreu. Em poucas horas a página já reúne mais de 12 mil curtidas, e basta uma dose dura de honestidade para se identificar com a maioria dos relatos, esteja do lado do patrão ou da empregada, como ...

    Leia mais
    blank

    Empregadas domésticas e babás- Necessidade ou Status?

    Sobre a imagem do casal com camiseta da seleção durante a manifestação “anti-corrupção” do dia 13 de março de 2016 nas ruas de Copacabana, onde logo atrás vemos uma babá negra com seu uniforme branco padrão empurrando o carrinho de seus filhos: Por Fabiana Pinto Do via Guest Post para o Portal Geledés Soube que o homem que aparece na imagem(diretor financeiro do Clube de Regatas do Flamengo e ex-banqueiro) deu uma declaração se “explicando”, ou apenas repetindo o que vimos na imagem, uma empregada/babá(trabalhadora formal) em seu horário de serviço. O homem em questão ressaltou o quanto, o que ele fazia não era errado, afinal “ele paga o salário em dia, 13º e hora extra para que ela trabalhe aos finais de semana”, e também ressaltou que “ela é livre para pedir demissão a hora que quiser, caso esteja insatisfeita com o serviço”. Será? Será que essa mulher não tem filhos, ...

    Leia mais
    blank

    “Os filhos de pedreiros querem ser engenheiros!”

    Michele Silva, 26, publicitária e repórter do jornal Fala Roça e do portal Viva Rocinha, escreveu artigo para o Favela 247 sobre os paralelos entre sua vida e o filme Que horas ela volta? Michele, também filha de empregada doméstica, escreveu: "Eis que o filme Que Horas Ela Volta?. surge e apresenta para o país e o mundo esse tema com uma sutileza capaz de nos fazer perceber as histórias que, na maioria das vezes, ficam escondidas atrás de cada uniforme, atrás de cada “sim, senhora”. Foi assim que eu tive a oportunidade de estar frente a frente com meu preconceito, que me fez odiar a Jéssica, filha da empregada, logo nas primeiras cenas do filme. Achei ela muito abusada. Depois as semelhanças foram se afunilando e, quando percebi, vi minha mãe, eu e meus irmãos na tela" Por Michele Silva, no Favela 247 Que horas ela volta? Não é raro encontrar pessoas que vieram de famílias pobres, estudaram, conseguiram ...

    Leia mais
    blank

    “Que horas elas voltam?” Foto de Carolina Dieckmann e Regina Casé com empregadas domésticas provoca polêmica na web

    Natal é tempo de paz e tranquilidade, certo? Não na internet. Uma fotografia publicada por Carolina Dieckmann no Instagram vem enfurecendo muita gente nas redes sociais. O motivo: na imagem, a atriz aparece acompanhada da apresentadora Regina Casé e de empregadas domésticas uniformizadas para preparar a ceia de Natal. no Veja  “Aqui, com essas lindezas batalhadoras, que fazem tudo tão caprichado e com tanto carinho, que a gente saiu de lá flutuando de amor”, escreveu a atriz. Detalhe: Casé recebeu elogios este ano por interpretar uma empregada no filme Que Horas Ela Volta?, que traz um olhar bastante crítico para as relações entre patrões e empregados no Brasil. Confira o clique: A reação mais enérgica veio da fanpage Empodere Duas Mulheres, que publicou o seguinte texto: “Regina Casé e Carolina Dieckmann postando foto com as empregadas negras uniformizadas que prepararam a ceia de Natal. Que horas elas voltam?” Em seguida, publicaram uma longa citação: “Segundo a Stephanie Ribeiro: ...

    Leia mais
    blank

    Afinal, o que leva os Brancos adorarem Que horas ela volta?

    Que Horas Ela Volta está sendo um dos filmes mais comentados do momento sem dúvidas, textos sobre ele já saíram em todos os veículos nacionais desde jornais até pequenos blogs, e o que mais me espanta nisso tudo é que essas críticas e conclusões em sua maioria foram escritas por pessoas brancas de uma classe social que se assemelha mais a dos patrões do filme, do que as empregadas protagonistas. Não séria no mínimo incoerente esse posicionamento, de se colocar num lugar distante daquela crítica? Por Stephanie Ribeiro Do Imprensa Feminista É, mas estamos falando de um país onde os privilegiados são totalmente sem limites. Acho que no fundo tudo só se torna pior, quando eu após assistir “Que Horas Ela Volta” entendi o porquê desta euforia toda. O filme deixa evidente a questão de diferença de classe social, ou seja, ele pauta a luta de classes e pessoas brancas brasileiras principalmente as ...

    Leia mais
    blank

    Assistir a “Que horas ela volta” na Europa: passar vergonha pelo Brasil

    "Mas é verdade que no Brasil tem gente que não levanta para pegar um copo de água?" "É verdade que existe empregada que não pode sentar na mesa?" Infelizmente, digo para eles, é. Por Nina Lemos Do Revista Tpm “Val, me traz um copo de água”, por favor? “Val, você pode colocar a mesa, por favor?” “Val, você pode tirar a mesa, por favor? Val, você pode trazer um sorvete para a gente?” Esse tipo de pedido é repetido sem parar em “Que horas ela volta”, o filme gênio de Anna Muylaert estrelado com maestria por Regina Casé. Val, por favor! Val é a empregada da casa, uma pessoa “praticamente da família”. Val é uma escrava. A familia de classe média alta brasileira, sentada na mesa, faz os pedidos, e Val vem e volta. Algumas vezes eles estão sentados na mesa da cozinha, ao lado da Val, mas pedem para ela: ...

    Leia mais
    blank

    Fernanda Lima posta fotos de babás e é chamada de racista

    A apresentadora do Superstar, Fernanda Lima, discutiu com seguidores na tarde desta segunda-feira, 3. Ela postou uma foto com as babás Ângela e Tayane Dias, dos gêmeso dela, João e Francisco, com roupas "descoladas". "Aqui em casa não tem essa de babá vestida de branco! Ó o grau das mina!", escreveu na legendas. Uma seguidora a considerou racista. "O mais triste desse pais não é o fato de estarem vestidas de branco ou não, é o fato de sempre vermos pelo passado escravocrata esse tipo de foto, a Sinha branca falando 'Olha minhas negras não vivem na senzala, são da casa'. Pode até tratar bem mas infelizmente elas sempre serão as babás e a sinhá sempre será a boazinha tipo Princesa Isabel. Um dia, neste país, ainda vamos ver os negros no poder e não só subalternos como essa foto #prontofalei", escreveu uma seguidora. Fernanda Lima respondeu ao comentário:  "Querida, ...

    Leia mais
    Página 1 de 2 1 2

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist