quinta-feira, outubro 15, 2020

    Tag: igualdade

    Humberto Adami presidiu evento que apontou medidas para a promoção da igualdade racial (Foto: Bruno Marins)

    OAB debate projetos para a promoção da igualdade em seus quadros

    Há anos atuando como porta voz dos anseios sociais e da defesa do Estado democrático de Direito, a OAB estuda aprimorar suas ações afirmativas para a promoção da igualdade. Projetos que estimulam a paridade de gênero e cotas raciais para as próximas eleições já estão sendo analisados pelo Conselho Federal. Estimuladas por iniciativas que saíram da OABRJ, as demais seccionais discutem, também, medidas como a inserção da autodeclaração de raça no formulário de inscrição de seu quadro de advogados e estagiários. Para o presidente da OABRJ, Luciano Bandeira, qualquer discussão que envolva a inclusão é muito relevante. "Apoiamos o debate dessas causas e consideramos isso como um avanço institucional importante", destaca. Defensora ativa do sistema de cotas raciais no ensino público superior e no serviço público - a entidade atuou como amicus curiae nesses processos -, a OAB analisa, agora, a reserva de 30% das vagas para cargos nos conselhos ...

    Leia mais
    foto- Ana Rayssa:CB:D.A Press

    Única docente negra do Departamento de História da UnB luta por igualdade

    Ana Flávia Magalhães Pinto busca inspirações no passado para lutar por um futuro mais igualitário por Deborah Fortuna no Correio Brasiliense foto- Ana Rayssa:CB:D.A Press “Toda a pessoa sempre é as marcas das lições diárias de outras tantas pessoas.” É assim que Ana Flávia Magalhães Pinto começa a contar sua história: com a música Caminhos do coração, de Gonzaguinha. Aos 40 anos, a professora da Universidade Brasília (UnB) entrelaça a própria trajetória com a de outras pessoas negras, como se a luta e a resistência delas, no passado, fizessem com que ela chegasse onde chegou. “Estar aqui, a despeito de todos os desafios, é honrar um esforço coletivo, o que faz com que, apesar de ser a única professora negra deste departamento (de História), eu não sinta que estou aqui sozinha”, resume a doutora. Ana dedicou a carreira profissional a estudar as narrativas de pessoas negras no ...

    Leia mais

    Qual o sentido filosófico de igualdade na educação que se quer libertadora?

    Artigo na revista “Educação e Pesquisa” discute o conceito e o valor da igualdade ao se pensar em uma educação emancipadora Por Margareth Artur, do  Portal de Revistas USP Para Paulo Freire, educadores e educadoras devem ser colocar em pé de igualdade e saber escutar educandos e educandas Foto:Kaz/Pixabay.com O que significa igualdade na relação entre quem se dispõe a ensinar e quem se dispõe a aprender? A questão é discutida em artigo publicado na revista Educação e Pesquisa. A partir da frase do educador e filósofo Paulo Freire (1921-1997), “Ninguém é superior a ninguém”, o texto apresenta um enfoque filosófico da palavra “igualdade”, exposta pelo educador como “condição de uma educação libertadora para a qual aceitar e respeitar a diferença”. O conceito de igualdade de Freire é comparado com o do pensador francês Joseph Jacotot (1770-1840), que enfatizava “a igualdade intelectual dos seres humanos como princípio de uma ...

    Leia mais

    Democracia, Liberdade e Igualdade é “Coisa de Preto”!

    A repercussão gigantesca causada pelas declarações racistas do jornalista William Waack da Rede Globo, nos bastidores de uma reportagem, divulgada na semana passada, deixou-me a pensar sobre o paradoxo e o enigma que o Brasil vive atualmente. De um lado a fala do jornalista representa em verdade o retrato mais bem acabado do racismo à brasileira. Na sua fala, bem como no seu riso irônico e prazeroso, refestelando-se do que havia afirmado, estavam presentes o desprezo, a arrogância e o ódio que os racistas brasileiros carregam no peito desde os tempos da Casa Grande e Senzala. Por Zulu Araujo, da Revista Raça  Na expressão usada por ele “É preto. Isto é coisa de preto”, via-se claramente  a elite brasileira se apresentando de forma desnuda, sem retoque ou maquiagem.. Na cena, não havia disfarce, nem conserto possível. Era a elite bem nascida, culta, rica, famosa, porém absolutamente racista A frase foi dita ...

    Leia mais

    Rimas, melodias e a luta por uma sociedade menos desigual

    Coletivo de mulheres mistura R&B com rap e eleva a representatividade feminina Fonte: Freak Market por, Gil Luiz Mendes De acordo com o matemático e filósofo grego Pitágoras, o número sete é sagrado, perfeito e poderoso. Do cristianismo à cabala o numeral tem um simbolismo para diversas crenças. Sete também é o número de integrantes do grupo Rimas & Melodias. Sagradas e perfeitas com certeza elas não são, mas não há dúvidas quanto ao poder que elas têm. Os dez vídeos produzidos pelo grupo e publicados no Youtube talvez deem uma ideia da força que elas produzem quanto estão juntas. Se mesmo depois de ver e escutar o conteúdo dos versos e a beleza harmônica das músicas, você achar que é mais um grupo de rap formado por meninas, experimente passar uma tarde com elas e ver o que elas têm a dizer além da canções. Fiz isso em uma ...

    Leia mais

    Capital pernambucana inicia campanha permanente ”Recife de Coração Aberto para a Igualdade”

    Ação visa abordar a temática racial de forma lúdica e afirmativa Do JC Online Para sensibilizar a população no exercício da cidadania através da denúncia ao racismo, a capital pernambucana apresenta a campanha permanente “Recife de Coração Aberto para a Igualdade”. Idealizada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, a ação acontece juntamente com o Programa de Combate ao Racismo Institucional da Gerência de Igualdade Racial. Com o objetivo de abordar a temática racial de forma lúdica e afirmativa, dois ícones de afirmação da identidade recifense estão sendo homenageados, são eles: o escritor Solano Trindade e a legendária Mãe Badia – a Senhora dos Carnavais. O racismo institucional é definido como “o fracasso das instituições e organizações em prover um serviço profissional e adequado às pessoas em virtude de sua cor, cultura, origem racial ou étnica. Ele se manifesta em normas, práticas e comportamentos discriminatórios adotados no cotidiano ...

    Leia mais
    FreeImages.com

    Quer igualdade de verdade? Faça com que todos sejam poderosos

    Eu acabei de ouvir uma história que eu adoro. Ela vem de Ali Raza Khan, um empreendedor social Ashoka que trabalha para reformar a educação no Paquistão. Por William Drayton Do BrasilPost No ano passado ele desafiou 6,000 estudantes pobres de 74 escolas vocacionais do governo a criarem empreendimentos dentro de um mês. Ele foi até eles e disse: "Eu acredito em vocês. Vocês podem todos começar seus negócios e projetos sociais e vocês podem ter sucesso." Ele disse isso para todos os estudantes em todas as escolas, nenhum dois quais vinha de família privilegiada. Ele os ajudou a se organizarem em equipes colaborativas e então eles começaram a compartilhar ideias, ajudando uns aos outros, construindo coisas juntos. Ele baniu os treinamentos convencionais porque, segundo ele, nesse modelo alguém diz a você o que deve fazer. A sua organização ofereceu um capital semente modesto para cada equipe, concordando em absorver quaisquer ...

    Leia mais

    Garota de 8 anos reivindica direito de comprar sapato de ‘menino’ em loja

    Uma garota chamada Sophia, de 8 anos de idade, foi com sua mãe a uma loja na Inglaterra para comprar um par de sapatos de uma coleção da marca Clarks Stomposaurus. Do Estilo Catraca  Os sapatos dessa coleção têm pequenos desenhos de dinossauros e, segundo a vendedora da loja, foi feita para meninos. Quando Sophia disse à vendedora que queria os tênis dessa coleção, a mulher respondeu que eles não foram feitos para a "estrutura óssea feminina". Espantada, Sophia reivindicou seu direito de comprar o sapato e escreveu uma carta para a loja. Leia: "Querida Clarks, minha mãe me levou para comprar tênis novos para a escola e eu vi que na loja tinham pares de tênis de dinossauros para meninos. Por que as meninas não podem ter tênis de dinossauros? Eu não gosto que as meninas tenham tênis de flores. Eu gosto de dinossauros e fósseis, e acredito que outras garotas também possam ...

    Leia mais

    Após ser provocada, Pitty dá uma aula de igualdade a seguidor no Twitter

    "Não volto pra cozinha, nem o negro pra senzala, nem o gay pro armário", disse cantora após tweet agressivo por O GLOBO Assim como muitas personalidades, a cantora Pitty se manifestou sobre os protestos políticos que aconteceram neste domingo em diferentes estados do país. “Pressionar qualquer governo por melhorias sim, marchar ao lado de extremistas de direita, fanáticos religiosos e saudosos da ditadura JAMÉ (sic)”, escreveu ela no próprio domingo, antes de dormir. Ao acordar na segunda-feira, porém, encontrou sua conta inundada com xingamentos e comentários agressivos. “Uau. Se vocês vissem nas minhas mentions o jorro de ódio irracional desde ontem... Diálogo zero, só ofensas preconceituosas”, escreveu Pitty. “Xingamentos impublicáveis, xenofobia, machismo e ‘comunista’. E olha que eu nem defendo o PT! Essa atitude é praticamente um endosso”. Ela retuitou um dos comentários: só gente de bem :) RT @___Padu___: @pittyleone Quando terminar o mimimi... volte pra cozinha! Quem sabe lá ...

    Leia mais

    Mães pela Igualdade

    O que queremos é que nossxs filhxs possam viver a sua afetividade plenamente. Do Revista Geni Como tudo começou   Quando o deputado Jair Bolsonaro disse “prefiro um filho morto a um filho gay”, a All Out, organização global pelos direitos LGBTs, reuniu mães de várias partes do Brasil e lançou uma campanha inspirada na iniciativa do artista plástico e fotógrafo francês JR, ganhador do prêmio TED de Direitos Humanos em 2011. O lançamento aconteceu no dia 29 de setembro de 2011, no Senado Federal como parte do seminário “Famílias pela Igualdade”, promovido pela Frente Parlamentar Mista pela Cidadania LGBT. Os retratos foram feitos por fotógrafas e fotógrafos sensíveis à causa LGBT em diversas cidades brasileiras. As Mães pela Igualdade “mostraram as suas caras” e contaram suas histórias como uma forma de alertar parlamentares, governantes e a sociedade para a crescente onda de violência contra LGBTs que têm classificado o ...

    Leia mais

    Audiência aborda a igualdade e o combate ao racismo

    Uma nova audiência foi marcada para dia 26 de novembro Uma audiência no Ministério Público Estadual (MPE) nesta quinta-feira, 9, abordou a Defesa do Direito Fundamental da Igualdade e Combate ao Racismo. A audiência serviu para ouvir a sociedade e discutir sobre a atuação em defesa dos direitos dos povos e comunidades tradicionais. A audiência toma como base a Lei nº 12.288/10 que trata do Estatuto da Igualdade Racial. O Estatuto institui a correção de desigualdades por meio do estabelecimento de políticas de educação, saúde, cultura e trabalho para a população negra, bem como defesa dos direitos das comunidades quilombolas e proteção de religiões de origem afrodescendentes. “Existe um projeto do Conselho Nacional do Ministério Público. A audiência foi para conclamar a população, entidades e instituições para tratar das angústias e as sugestões quanto ao combate ao racismo, o que seria racismo e injúria racial. Na audiência, foi sugerida a ...

    Leia mais

    Realizar tarefas domésticas cria filhas mais ambiciosas, revela estudo

    Os pais, que querem que suas filhas sigam para as profissões de maior prestígio, devem começar a cozinhar ou fazer atividades de casa, sugere um novo estudo. Por:Dr. Cristiano Nabuco A investigação realizada por psicólogos da Universidade de British, Columbia, indicou que os homens, que se engajam na realização de tarefas domésticas, estão mais propensos a interferir na carreira das meninas. Mas, afinal, qual seria a relação de um pai executar uma função caseira com a ambição profissional de uma filha?… Simples, mas antes vamos compreender melhor a investigação. A pesquisa O estudo envolveu uma amostra de 326 crianças com idade variando entre 7 e 13 anos e também com, pelo menos, um de seus pais. Além disso, os pesquisadores analisaram como as tarefas e o trabalho estavam divididos em cada domicílio. O objetivo era perceber se uma mudança de papel dentro de casa, ou seja, se o pai, ao ...

    Leia mais
    Qual o melhor lugar para ser mulher no mundo?

    Qual o melhor lugar para ser mulher no mundo?

    Um estudo anual divulgado nesta sexta-feira pelo Fórum Econômico Mundial aponta que a desigualdade entre homens e mulheres diminuiu na maior parte dos países do mundo. A pesquisa Relatório Global sobre Desigualdade de Gênero 2013, que analisou 136 países, concluiu que 86 deles apresentaram melhoras na desigualdade de gênero em relação ao ano anterior. No entanto, as mudanças são lentas, salienta à BBC Saadia Zahidi, principal autora do relatório. Pelo quinto ano consecutivo, a Islândia foi considerado o país mais avançado em termos de igualdade entre homens e mulheres. Em seguida vêm Finlândia, Noruega e Suécia. Segundo Zahidi, os países nórdicos continuam sendo exemplo porque têm uma longa história de reconhecer e investir no talento individual. "Tratam-se de economias pequenas, com populações pequenas. Eles reconhecem que o talento importa e este talento está nos homens e nas mulheres", afirmou Zahid. Os países mais igualitários Islândia Finlândia Noruega Suécia Filipinas Irlanda Nova ...

    Leia mais
    Consenso Montivideu

    ‘Consenso de Montevidéu’ destaca plena integração populacional com igualdade e direitos como chave para o desenvolvimento sustentável

    O documento síntese da 1ª Conferência Regional sobre População e Desenvolvimento da América Latina e Caribe, realizada em Montevidéu, Uruguai, de 12 a 15 deste mês, destaca a plena integração dos povos da região com garantia de direitos e igualdade. Já no título, a declaração do evento afirma que esta é a "chave para o Programa de Ação do Cairo após 2014". O foco central da Conferência foi a avaliação dos avanços alcançados pelos países da América Latina e do Caribe em relação ao Programa da Conferência Internacional de População e Desenvolvimento (CIPD), realizada pela ONU no Cairo, em 1994. Os representantes dos governos da região também discutiram propostas e estratégias para atingir os objetivos postos pela CIPD. A temática de gênero teve destaque no evento. Entre as bases orientadoras dos debates nesta questão estiveram a Plataforma de Ação da Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher (Beijing, China, 1995), o Consenso ...

    Leia mais

    Liberdade, igualdade, fraternidade e escravidão

    A escravidão foi uma das páginas mais triste da história da humanidade, pois todos os povos tanto foram escravistas como escravizados. Nesse cenário, o tráfico negreiro para a América foi uma das peças marcada pela ganância. Os altos lucros atraiam nobres, burgueses, plebeus, europeus, africanos, americanos e árabes e tornou uma atividade comercial importante, fonte de altas rendas. As ações e quotas das companhias traficantes eram negociadas nas bolsas de Londres, Amsterdam, Paris e Lisboa. Desde o início o tráfico tendeu a ser uma atividade em si mesma, quebrando o pacto colonial no que concerne à rigidez do monopólio metropolitano. Os comerciantes portugueses preferiam fornecer escravos às colônias espanholas (onde ganhavam mais) a trazê-los ao Brasil. Os traficantes ingleses, holandeses, franceses, norte-americanos, suecos e dinamarqueses os vendiam a quem quisesse comprá-los - legalmente, se possível; como contrabando, quase sempre. Na França, a terra da "liberté, égalité, fraternité", filósofos e reis ...

    Leia mais
    Cursos-EAD-Para-Professores-Gestores-e-Alunos-da-Rede-Estadual-de-Paraíba-3

    Orçamento da Educação para a igualdade executou 43%

    Nesta segunda semana de novembro, está na marca dos 43% a execução orçamentária das ações que objetivam a Educação inclusiva, não-sexista, não-racista, não-homofóbica e não-lesbofóbica, previstas no II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres - PNPM. Dez dos 15 programas governamentais comprometidos com o financiamento dessas ações prioritárias do II PNPM estão sob a responsabilidade do MEC. Fonte: Cfemea O acesso de mulheres, negras e quilombolas à educação O Programa Brasil Alfabetizado (1060) é um dos carros-chefe nesta área, em que se destacam três ações, orientadas a atender mulheres, negras, quilombolas e indígenas visando reduzir o analfabetismo. A primeira é para a Concessão de Bolsa para Equipes de Alfabetização (ação 0920), que já empenhou todo seu valor autorizado (R$164 milhões) e já empenhou 88,64% desse total. Para 2010, boas notícias: o governo propôs um aumento de 82,93%, passando a dotação da ação para R$300 milhões. A segunda, trata das ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist