segunda-feira, setembro 21, 2020

    Tag: política

    blank

    Duas caras na política, no cotidiano, na vida: o problema da consciência dissociada.

    Há um fator fundamental a ser analisado na formação política e cultural de nossa época. Trata-se da “consciência dissociada”. O termo consciência é complicado, mas significa basicamente o modo como as pessoas pensam. Consciência tem a ver com mentalidade. A mentalidade, por sua vez, é construída no âmbito social e coletivo. Ninguém pensa sozinho, mas pensa a partir de influências diversas. Filosofia, nesse contexto, é um modo de buscar um pensamento próprio, o que só acontece como busca que precisa ser levada a sério de um modo honesto. Se perdemos de vista os elementos “inconscientes” que regem nossas ações, corremos o risco de cair na dissociação da consciência que precisamos analisar com cuidado. Por Marcia Tiburi Do Revista Cult A consciência dissociada é aquela em que o que se pensa e o que se faz andam em desacordo. Ela diz respeito à contradições: um político que age contra o povo quando ...

    Leia mais
    A leader holding flag, leading team, and showing direction. Formats: EPS8, 300dpi JPEG. Color space: CMYK. More from [url=http://www.istockphoto.com/search/lightbox/14997534#114d534b][IMG]http://i5.photobucket.com/albums/y194/runeer/istockphoto/new-biz-series_zpscc1306a2.png[/IMG][/url] and [url=http://www.istockphoto.com/file_search.php?action=file&lightboxID=4751499&refnum=runeer][IMG]http://i5.photobucket.com/albums/y194/runeer/istockphoto/profile-label2-business.jpg[/IMG][/url] Fresh Zero Download Files [url=/search/lightbox/12434680#1448fb81][img]http://i5.photobucket.com/albums/y194/runeer/istockphoto/downloads-labels-0.jpg[/img][/url]

    Mulheres e política: Uma análise das eleições de 2016

    A participação das mulheres nos cargos eletivos é pauta histórica do movimento feminista, que busca garantir uma real igualdade de gênero no sistema político. Ainda tentando digerir a vitória de Donald Trump nos Estados Unidos, famoso por declarações e atitudes machistas e misóginas, proponho um pouco mais de reflexão sobre o quadro nacional. O desfecho das eleições municipais de 2016 reforça a necessidade urgente de uma reforma política que garanta, de forma estrutural, a participação das mulheres nas disputas eleitorais. Por Ingrid Farias, do HuffPost Brasil Apesar de ter havido um aumento expressivo do número de mulheres eleitas - mais de 60% das capitais brasileiras elegeram mais mulheres para a legislatura 2017-2020 -, é preciso fazer uma avaliação sobre qual projeto político de sociedade elas representam. Quando avaliamos o perfil das legendas utilizadas por essas mulheres para suas candidaturas, percebemos o aumento crescente de candidatas eleitas por partidos que defendem ...

    Leia mais
    blank

    Judith Butler: corpo, política e linguagem

    Novo livro da filósofa Judith Butler versa sobre ocupações e o populismo reacionário que quer restaurar um estágio anterior da sociedade por Joanna Burigo, da Carta Capital  Rovena Rosa/Agência Brasil/Fotos Públicas Um dos afetos mais satisfatórios da relação que tenho com o conhecimento produzido por feministas é a sensação de alívio epistêmico ao deparar-me com argumentos que dão sentido para fenômenos complexos (ou os que explicitam análises óbvias, ou os que expressam bem os sentimentos resultantes de experiências comuns). Foi lendo feministas que percebi que o senso comum me incomodava não por eu ser irritável, mas por que ele é socialmente injusto. Foi estudando estas mulheres que entendi que o feminismo se ocupa de expor estruturas que são fundamentadas na nossa opressão. Foi assimilando a teoria feminista que percebi que alguns de meus incômodos não eram apenas sobre mim, mas sobre todas nós. O feminismo me ensinou o que é ...

    Leia mais
    blank

    Política: O que é ser esquerda, direita, liberal e conservador?

    Nas eleições presidenciais e estaduais de 2014, o Brasil assistiu a uma onda de discursos agressivos, especialmente nas redes sociais, que se dividiam em dois lados: os de esquerda e os de direita, associadas pela maioria aos partidos PT e PSDB, respectivamente. D0 Andréia Martins, no UOL Definir um posicionamento político apenas pelo viés partidário pode ser uma armadilha repleta de estereótipos, já que essa divisão binária não reflete a complexidade e contradições da sociedade. O fato é que não existe um consenso quanto a uma definição comum e única de esquerda e direita. Existem “várias esquerdas e direitas”. Isso porque esses conceitos são associados a uma ampla gama de pensamentos políticos. Origem dos termos As ideologias “esquerda” e “direita” foram criadas durante as assembleias francesas do século 18. Nessa época, a burguesia procurava, com o apoio da população mais pobre, diminuir os poderes da nobreza e do clero. Era ...

    Leia mais
    blank

    O boteco político e o sujeito que goza na sua ignorância primária como mecanismo de defesa

    O recente debate político nas redes sociais, e fora dela, é curioso. Particularmente, curiosíssimo! Um turvo esboço do tempo histórico o qual atravessamos. Dentre das possibilidades em jogo, vejamos suas ações e consequências do tão alardeado “cidadão de bem”, um novo (mas não tão novo assim) eufemismo para relatar o sujeito do cotidiano e que se apresenta como detentor da verdade divina e protegido pela sacralidade cristã. Por Wellington Fontes Menezes Do Espaço Acadêmico Se o sujeito está doente, irá um médico. Se o sujeito está passando por problemas emocionais, irá a algum dos meus colegas psicólogos ou psicanalistas. Ainda, se o sujeito está com fome, certamente irá a um restaurante, uma lanchonete ou procura entender como se prepara uma refeição. Porém, quando o assunto é política, o sujeito movido com alta octanagem da fragilidade do senso comum (o qual hoje se transformou no “senso infantilizado”), não tem dúvida: trata tudo como ...

    Leia mais
    blank

    Sobre educação e política: idade média aqui e agora

    Há um projeto de lei na Câmara dos Deputados criminalizando o professor que manifestar convicção política nas aulas (PL 1411/15), chamando isto de "assédio ideológico". E um outro (PL 867/15) proibindo-o de abordar conteúdos que possam estar em conflito com as convicções religiosas e morais dos pais dos estudantes, nisto incluído, no limite, falar da teoria da evolução das espécies e de sexualidade. Voltamos à Idade Média... Por Plinio Gentil, do Correio Cidadania  Reprodução/Youtube O jeito, então, será falar de política fora da sala de aula: no pátio, nos corredores, na lanchonete, na rua. Porque, enquanto professores, somos obrigados a promover a educação dos alunos, que é um direito fundamental consagrado na Convenção Americana de Direitos Humanos. E a educação é necessariamente política, como dizia Paulo Freire. Não há mesmo como não ser, eis que, por definição, a educação há de ser emancipadora: e não é possível ...

    Leia mais
    blank

    A jardinagem como terapia e um modo de fazer política

    Não entendo quem não tem uma plantinha para cuidar. A sensação é de aridez ao entrar em uma casa na qual não há nem uma jiboia num vidrinho com água dando um toque de verde, nem sequer onze-horas florindo num vasinho... Por Fátima Oliveira Do O Tempo A mais remota lembrança que tenho cuidando de plantas ornamentais é de minhas latinhas no saguão da casa da vovó, onde pontificava um caramanchão com uma frondosa videira de uvas roxas – fui criada comendo uvas no médio sertão do Maranhão, lá em Graça Aranha. Um luxo! Ainda gosto de plantar em latinhas de conservas, até de sardinha, massa de tomate, leite em pó, por aí. Hoje está na moda ter jardim de latas – há uma parede de latinhas em meu jardim; e outra de vasinhos de caixas de leite, de suco e de garrafas PET – lindezas recicladas! Uma lata no sertão ...

    Leia mais
    blank

    O sanatório geral da política

    Tem-se um país pronto para alçar voo, com uma sociedade civil complexa, estrutura universitária, de pesquisas, grandes empresas, diversidade regional, mercado de capitais,  múltiplas vocações econômicas. Por Luis Nassif Do GGN Mas há um vácuo político e uma imprevisibilidade total sobre os desdobramentos da crise. Vamos a uma análise dos principais personagens: Fernando Henrique Cardoso - ainda é o principal mentor dos grupos de oposição. Mas seu único objetivo é a revanche com Lula. O resto – país, PSDB, aliados – que exploda. Lula – entrou na chamada sinuca de bico. Tem que preservar Dilma e o PT, mas, ao mesmo tempo, teme afundar com ambos. Sua decantada intuição travou. PT – desde a prisão dos principais líderes, uma militância sem comando. com os parlamentares votando sistematicamente contra bandeiras que levantou um dia. A única bandeira capaz de unir a todos é a perspectiva de um impeachment de Dilma. PSDB –não ...

    Leia mais
    blank

    De quando rechaçamos a política

    Existe uma constatação muito fria e nociva sobre a crise política: as pessoas não querem discutir sobre ela ou estão quase sempre prontas a mudar de assunto quando o roteiro da discussão entra pela linha da política. Não se pode ir a lugar algum sem reflexão. E o brasileiro, de maneira geral, contenta-se em deglutir aquilo que a imprensa, sobretudo a imprensa hegemônica lhe oferece todos os dias em forma de notícia. O brasileiro simples tem repetido, como papagaio, o que o massivo cartel de notícias lhe impõe; não há alternância de discurso ou uma opinião divergente. Trilha-se pelo caminho mais curto, o das manchetes. por Mailson Ramos via Guest Post para o Portal Geledés Numa conversa franca, numa reunião de amigos num boteco, onde se fala sobre tudo e sobre todos, a política é assunto rechaçado. Alijada, ela não entra na pauta senão para referendar a crise de representatividade ...

    Leia mais
    blank

    Senado aprova cota para mulheres na Reforma Política

    A Comissão Temporária de Reforma Política do Senado aprovou a proposta sugerida pela Bancada Feminina de inclusão de cotas para gênero. Ficou assegurado percentual mínimo de 10% de vagas para mulheres nas cadeiras do Senado, da Câmara dos Deputados, das assembleias legislativas, da Câmara Legislativa do DF e das câmaras municipais de todo o Brasil nas primeiras eleições após a vigência da lei No Portal Fórum  A Comissão Temporária de Reforma Política do Senado aprovou, nesta quarta-feira (8), a proposta sugerida pela Bancada Feminina de inclusão de cotas para gênero. Ficou assegurado percentual mínimo de 10% de vagas para mulheres nas cadeiras do Senado, da Câmara dos Deputados, das assembleias legislativas, da Câmara Legislativa do DF e das câmaras municipais de todo o Brasil nas primeiras eleições após a vigência da lei. De acordo com o texto, essa cota passará para 12% nas eleições seguintes e para 16% na terceira ...

    Leia mais
    blank

    Jornada reúne movimentos, intelectuais e políticos neste domingo para debater o Brasil

    Em contraponto ao discurso de ódio, ativistas de diversos segmentos sociais promovem durante todo o domingo 12 debates ao vivo sobre fortalecer a democracia e avançar nas conquistas sociais; o economista Ladislau Dowbor, a arquiteta e urbanista Raquel Rolnik, o deputado federal Paulo Teixeira e o ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro estão na programação; Leonardo Attuch, diretor e idealizador do 247, também participa das rodadas de discussões No Brasil 247 Uma "Jornada pela Democracia" para fazer uma leitura crítica do atual momento vivido no país e debater ideias, tendo como horizonte o fortalecimento da democracia e a construção de um novo ciclo de avanços sociais e de redução das desigualdades. É esta a agenda propostas para este domingo, em contraponto ao discurso conservador que move as manifestações convocadas para o dia, tendo como mote a derrubada do governo democraticamente eleito. O evento acontece na sede da revista Fórum, ...

    Leia mais
    blank

    Hora da política estilo mandacaru, que não dá encosto nem sombra

    Há um ditado popular nordestino que diz: “Mandacaru não dá encosto nem sombra”, já que no lugar de folhas possui espinhos, muito usado para tipificar alguém que não é solidário: “Fulano é igual a mandacaru”. Por Fatima Oliveira Do O Tempo “Mandacaru” (Cereus jamacaru), palavra de origem tupi que significa “árvore ou fruta de espinheiro que se come”, é também chamado de “cacto candelabro”, “cardeiro”, “cardeiro-rajado”, “cardo”, “jamacaru”, “jumacuru”, “mandacaru-de-boi”, “mandacaru-de-feixo”, Pytaia arbóreae e “tuna”. É um cacto nativo do Brasil em regiões onde o solo é arenoso ou de clima semiárido. De porte arbóreo, o mandacaru pode crescer até cinco metros; não dá folhas, apenas espinhos de até 20 centímetros; dá flores grandes, que abrem à noite e fecham com o sol, fonte de alimento para abelhas e pássaros; e produz um fruto comestível, tipo baga, de coloração avermelhada, polpa branca e gelatinosa com sementes pretas, de sabor quase doce. Para ...

    Leia mais
    blank

    O marketing do ódio e o fim da política

    O marketing político é um dos maiores entraves à democracia que enfrentamos atualmente, e não damos suficiente atenção ao fenômeno. Explico. Por Guilherme Spadini Do Brasil Post Um pré-requisito básico para toda sociedade que tenha a liberdade como um valor é a crença na capacidade de seus indivíduos de tomar decisões. Se essas decisões são realmente livres, é uma dúvida genuína. Em neurociência, sabemos muito bem que decisões são influenciadas por diversos fatores inconscientes. Em sociologia, propõe-se que classe social, ou estruturas de poder, determinam nossas decisões. Mas, mesmo assim, repito: é um pré-requisito da sociedade livre que confiemos na capacidade das pessoas de tomar decisões. Sem isso, sempre haverá alguém, ou algum grupo, que se sentirá no direito de decidir por elas. Por isso, em uma tal sociedade livre, em que ninguém tem o direito de impor suas ideias, o convencimento é a forma legítima de arregimentar simpatia. Eu não ...

    Leia mais
    blank

    Encontro discute papel da mulher na política

    O dia 24 de fevereiro de 1932 é considerado um marco na história da mulher brasileira, um passo significativo para o reconhecimento da igualdade entre homens e mulheres no país.  Para não deixar passar em branco esta importante conquista cidadã, o município de Mesquita, na Baixada Fluminense realizou nesta terça-feira, dia 24, o Grande Encontro de Mulheres, cujo tema foi “Mais Mulheres na Política”. O evento, promovido pela Coordenadoria de Políticas para as Mulheres da Prefeitura de Mesquita, reuniu lideranças da região, além de autoridades e integrantes da sociedade civil. Porv  Juliana Portella  Do Viva Favela  Depois de muitos anos de reivindicações e discussões, foi garantido, às mulheres, naquela data, durante o governo de Getúlio Vargas, o direito a através do código eleitoral. Mais do que votar, na ocasião histórica as mulheres conquistariam o direito a candidatar-se a cargos eletivos. Entretanto, atualmente as mulheres ainda sofrem desigualdades e seguem reivindicando ...

    Leia mais
    blank

    Nenhum dos 13 governadores eleitos no 1º turno é mulher

    Apenas 51 deputadas federais foram eleitas, o que representa 9,9% dos 513 eleitos para a Câmara As três candidatas à Presidência da República receberem mais de 67 milhões de votos, o equivalente a 64,5% dos votos válidos na eleição de domingo. Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PSB) e Luciana Genro (PSOL) ficaram respectivamente em primeiro, terceiro e quarto lugar, em uma disputa com mais oito homens. O bom desempenho na corrida presidencial, no entanto, não se repete nos demais pleitos. No caso do Congresso Nacional, os brasileiros elegeram apenas 51 deputadas federais mulheres, o que representa 9,9% dos 513 eleitos para a Câmara. O número representa apenas uma pequena melhora em relação a 2010 (45 eleitas). Dos 27 novos senadores, cinco (13,6%) são do sexo feminino. Nas eleições para governador, as vitórias masculinas foram ainda mais predominantes. Entre os 13 eleitos no primeiro turno, nenhum é mulher. Outros 14 governadores ...

    Leia mais
    blank

    Seminário reúne mulheres para discutir economia e política no Rio de Janeiro

    Quando o sol nasce, a mulher negra desce morro abaixo puxando a carrocinha. Com o corpo curvado, percorre ruas e avenidas do asfalto e retorna quando já não há sol. De volta ao encontro dos/as demais catadores/as de materiais recicláveis, faz uma primeira seleção do que poderá ser reaproveitado e virar fonte de renda e do que não serve a esse propósito. Ao retornar pra casa, a família, a roupa, a louça, ainda exigem atenção. O corpo estafado tem mais uma jornada a vencer. Por Iara Moura Maria de Nazaré, moradora de Volta Redonda, catadora de resíduos sólidos, não compreendia de maneira tão clara como as dimensões do capitalismo e do machismo se relacionavam com o cansaço que diariamente lhe oprime corpo e alma. Sentada na mesma roda que Graciete Santos, militante feminista da Casa da Mulher do Nordeste, fez que sim com a cabeça ao ouvir a fala provocadora ...

    Leia mais
    blank

    Partidos políticos apenas reproduzem a exclusão racial

    Legendas até criam alas específicas, mas não investem no setor RAQUEL AYRES ESPECIAL PARA O TEMPO O último senso do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que 50,7% dos brasileiros são negros ou pardos. No entanto, no Congresso Nacional, apenas 8,5% das cadeiras são ocupadas por essa parcela da população. Na opinião de especialistas, essa razão inversamente proporcional evidencia a falta de interesse dos partidos políticos em promover candidaturas dos negros. “Existe um fosso que separa brancos e negros no que se refere à representação parlamentar. Somos 43 deputados federais e três senadores diante de um universo de 513 parlamentares brancos e 81 senadores também brancos”, afirma o presidente da ONG União de Negros pela Igualdade (Unegro), Alexandre Braga. Segundo ele, diferentemente dos evangélicos e ruralistas, a bancada negra, por ser pouco numerosa, encontra obstáculos para aprovar leis que favoreçam a raça. A Lei das Cotas, que levou ...

    Leia mais
    blank

    Edson Santos lembra histórico de exclusão dos negros na política

    O deputado federal e ex-ministro da Igualdade Racial Edson Santos escreve artigo exclusivo para o Favela 247 sobre a história da participação dos negros na política nacional. Desde a eleição de Eduardo Gonçalves Ribeiro, o primeiro parlamentar negro da história do Brasil, e do advogado abolicionista Monteiro Lopes, há muito para se mudar: "Embora representem quase 51% da população brasileira (...) os negros ainda estão sub-representados no legislativo. Só 8% dos deputados federais são negros (43 dos 513) e apenas dois parlamentares se declaram negros dentre 81 senadores" Por *Edson Santos, para o Favela 247 A cor da política no Brasil O modo pelo qual o racismo se estabeleceu e foi incorporado pela sociedade tornou-se uma barreira quase intransponível para a participação dos negros e negras no processo político brasileiro. Na condição de escravos na colônia e no império, e de cidadãos de segunda categoria da abolição até muito recentemente, os negros brasileiros sempre foram excluídos do ...

    Leia mais
    lupa mulher

    O pessoal é político… mas, pera lá! – Por: Camilla de Magalhães Gomes.

    Nos últimos dias andei tendo várias conversas online sobre feminismo, generalizações e a ideia de que existe uma mulher universal. Pensando em tudo isso, compartilho alguns apontamentos aleatórios. 1. NEM TODA mulher tem uma história de horror pra contar. Reconhecer que há mulheres que não sofreram abusos, violências, agressões, etc. em decorrência da violência de gênero não nega sua existência nem desconstitui a necessidade do feminismo. Pelo contrário, atesta a magnitude dessa realidade expressada em números e não em abstrações generalizantes. além de nos fornecer elementos para pensar em formas de ressignificar as relações de gênero. 2. Não há UM opressor. Não há UM inimigo. Na construção da luta contra o estupro e sua invisibilidade, o feminismo desenvolveu uma narrativa que lhe deu uma dívida: a do homem amedrontador, pronto para atacar as mulheres nas ruas. Ou, como identificam as feministas negras americanas: a imagem do homem NEGRO amedrontador pronto ...

    Leia mais
    Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

    A ministra Luiza Bairros é chamada de anta: o tratamento dispensado à face negra e feminina da política

    Jornal Metro, 17/1, coluna de Cláudio Humberto. Edição de Brasília, página 04. Imagem: Priscilla Brito. por Blogueiras Negras Cécile Kyenge, Christiane Taubira e agora Luiza Bairros. Ministras de estado atacadas em sua humanidade pela comunhão estreita entre o racismo, o sexismo e a sensação de impunidade. Mulheres que se recusaram a permanecer no lugar que lhes é destinado pela branquitude abjeta que, atônita, reage por meio de xingamentos. A primeira e a segunda foram chamadas de macacas. Por aqui o xingamento foi outro, dessa vez somos comparadas a uma anta porque a ministra expressou a opinião de que os jovens do rolezinho também são vítimas de racismo. O sujeito da agressão é Cláudio Humberto, colunista do Jornal Metro, que se sentiu confortável o bastante para chamar uma ministra de estado de anta ao mesmo tempo que defende a tese de que não existiriam brancos no país. O que está subjacente ...

    Leia mais
    Página 3 de 4 1 2 3 4

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist