Onda negra desperta reações de quem se beneficia da hegemonia branca

Descumprimento de lei sobre verbas a candidaturas de mulheres e negros é sistemático

A Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional conceitua “grupo criminoso organizado” como o grupo estruturado de três ou mais pessoas, existente há algum tempo e atuando concertadamente com o propósito de cometer uma ou mais infrações graves para obter um benefício econômico ou outro benefício material.

Precisamos acrescentar a esse conceito que, no Brasil, se o crime ocorre nos “palácios” e se os infratores não são pobres nem negros, a organização não é tachada de “criminosa”.

Quando os infratores, já condenados, podem eles mesmos mudar a lei que os criminaliza, se livrar das punições e não devolver centenas de milhões aos cofres públicos, recordo outra característica das organizações criminosas: elas operam no eixo dinheiro-poder, buscam esconder, proteger e limpar o dinheiro, produto de ilícitos, ou seja, praticam, sob outros nomes, a lavagem de dinheiro.

O descumprimento da legislação que destina verbas para candidaturas de mulheres e de pessoas negras tem sido sistemático, como sistemático também tem sido o perdão aos partidos que assim procedem. Parece um pacto não verbalizado entre iguais. Podes fraudar que serás perdoado!

Assim é que, em 2019, o governo federal sancionou a lei 13.831/19, que perdoou os partidos que não aplicaram os recursos do fundo partidário para apoio a mulheres nos exercícios anteriores. Já no ano de 2021, foi a vez de a Câmara aprovar a PEC 18/21, que concedia anistia aos partidos políticos que não cumpriram a obrigação legal de distribuir o financiamento público para candidaturas de mulheres e de pessoas negras.

Protesto durante sessão de instalação de comissão para análise da PEC da Anistia, na Câmara dos Deputados – Zeca Ribeiro – 2.ago.23/Divulgação-Câmara dos Deputados

E agora vem essa PEC (proposta de emenda à Constituição) 9, que objetiva ampliar o período para a aplicação de sanções no caso de descumprimento das regras de destinação de financiamento público para garantir a diversidade de gênero e raça, estendendo a anistia partidária para as eleições de 2022.

Mais conhecida como PEC da Anistia, ou PEC da Vergonha (segundo Frei David), ela pode ser aprovada em breve pela Câmara. No mesmo texto estão incluindo uma redução de mais da metade do dinheiro público (50%) que negros deveriam receber.

Segundo informação da Rede Brasil Atual, juntos, Câmara e Senado têm uma bancada empresarial cinco vezes maior que a trabalhista. Lembrando ainda que são bancadas majoritariamente masculinas e brancas.

Reportagem de Vinícius Dória, no Correio Braziliense, intitulada “Congresso é um espelho distorcido da sociedade“, informa com dados da Metapolítica que as mulheres, mais da metade da população do país, têm sua representação reduzida a menos de 20% da composição do Congresso. Levando em conta o critério da cor, se consideram brancos 70%, e 27% são negros. No caso dos indígenas, são apenas três representantes: dois na Câmara e um no Senado.

Olhando toda a “organização” que vem ocorrendo para que o Parlamento continue do jeito que está, é importante salientar a recorrente dobradinha “onda negra-medo branco”, que se refere ao imaginário da população branca escravocrata, marcado pelo medo de uma insurreição negra, a exemplo do que havia acontecido no Haiti, tal como relata a historiadora Célia Maria Marinho Azevedo em seu livro “Onda Negra Medo Branco: O Negro no Imaginário das Elites – Século 19“.

Evidentemente, no Brasil de hoje, não existe indício de uma insurreição como a haitiana (motivos há), mas há sim um contínuo avanço da população negra na luta contra a opressão, na conquista de direitos, na reparação das grandes desigualdades de que é vítima.

Esse movimento negro em busca de igualdade e equidade é percebido como a nova onda negra que desperta o medo e as reações contrárias de quem se beneficia da hegemonia branca vigente no país.

Esta coluna foi escrita em parceria com o jornalista Flavio Carrança, da Cojira.

+ sobre o tema

Sete a um é pouco para a derrota da política social

Pode ter sido revival do trauma pela eliminação da...

Cidadãos africanos atacados à facada em Moscovo

    Três cidadãos africanos foram esfaqueados ontem...

para lembrar

Estado que fuzila inocente abre mão de seu papel na segurança

Valentes para atacar bandidos, políticos não têm coragem de...

‘Negro não tem que falar só sobre raça’, defende professora

A professora Katemari Rosa ainda se lembra de um...

O Peso da História: A Escravidão e as Cotas

A História ainda é uma bola de ferro que...

O significado racista e reacionário por trás da mudança da faculdade de direito da UERJ

Há aproximadamente uma semana, fomos surpreendidos com a notícia...
spot_imgspot_img

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...
-+=