Greve é política; e tudo bem

O que está em jogo é a forma de vida numa metrópole desigual

Se tirarmos a poeira dos nossos livros de teoria política, aprenderíamos como melhor ler os jornais.

“A greve desta terça (3) nos trens de Metrô e CPTM, que circulam sobretudo na capital paulista, e na Sabesp teve a motivação apenas política”, lê-se em editorial desta Folha, cujo título é uma ordem (ao leitor, imagino): “Privatize-se” —isto num estado onde 43% se opõem à privatização. Como uma aula de semiótica, há em cada linha um rastro de signos. A linha-fina (ou subtítulo) de fina nada tem: opõe greve política à regulação eficaz.

Entrada da estação Consolação do metrô com placa de aviso sobre a greve – Zanone Fraissat/Folhapress

E aqui entra a teoria política. Despolitizar o que é político por essência, como decisões sobre como o coletivo quer exercer o direito de ir e vir nas cidades, não é um acidente, mas um projeto, leia-se, também político. Carl Schmitt dividia o mundo entre Estados que governam pessoas (o mundo do “imperium”), de um lado, e coisas ou propriedade e suas leis, de outro (o mundo do “dominium”). Por que isso é relevante?

Qualificar a greve como política versus a privatização, que seria técnica, reforça a divisão de um mundo que retira do político decisões sobre propriedade. No livro “Globalistas”, Quinn Slobodian define o encastelamento da propriedade do escrutínio democrático como a essência do neoliberalismo. O problema não é (apenas) ser a favor da privatização de serviços que são direitos básicos —embora haja bons argumentos contrários, do metrô do Rio de Janeiro à crise hídrica em Flint, em Michigan (EUA). O problema é nem sequer qualificar tal posição como política, que é.

Confundir embates político-partidários com politicagem ou ler eleições como referendos onde o ganhador tudo leva apenas reforça a despolitização da vida que levou ao bolsonarismo. O que está em jogo é a forma de vida numa metrópole desigual. A “razão dos centavos”, para usar expressão de Roberto Andrés sobre junho de 2013, é travar a disputa política sobre quem controla, e como, os rumos da cidade e a serviço de quem. Politize-se, portanto.

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

Ações transformadoras recebem prêmio em SP

O Itaú Cultural criou um prêmio especial para homenagear...

Emílio Santiago! – Por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva Todas as vezes em que ouço...

HIstoriador Rutger Bregman propõe repartição gratuita de dinheiro e jornada semanal de 15 horas contra desigualdade

O historiador Rutger Bregman. CARLES RIBAS O historiador Rutger Bregman...

Lealdade constitucional à prova

Não há uma virgula no ordenamento constitucional brasileiro que...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=