Mais um ataque à democracia

Aprovação da PEC coincide com julgamento de pautas anticonservadoras no STF

Semana passada tirei da estante e reli trechos do livro “Como as Democracias Morrem“, de Steven Levitsky e Daniel Ziblatt. Tentava entender melhor o que aconteceu no Senado com a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que veda decisões monocráticas por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender a eficácia de uma lei.

Na obra, os professores da Universidade Harvard analisam o processo de subversão da democracia a partir da eleição do ex-presidente Donald Trump (EUA). Alertam para o fato de a escalada do autoritarismo passar a se dar por meio do “enfraquecimento lento e constante de instituições críticas, como o Judiciário e a imprensa, e a erosão gradual de normas políticas de longa data”.

Voltando ao Brasil, para além da votação e aprovação de uma PEC a toque de caixa, a “coincidência” entre a apreciação da proposta que estava engavetada desde 2021 e o julgamento de temas contrários à agenda conservadora, como a demarcação de terras indígenas, descriminalização do porte de drogas e liberação do aborto, é indício para ligar o alerta vermelho.

O filósofo Montesquieu defendia um Estado com Executivo, Legislativo e Judiciário para evitar a volta de governos absolutistas. E discorreu sobre a autonomia e os limites entre os Poderes.

Também vale lembrar que interesses pessoais não devem se sobrepor às instituições.

Como diz o senador Paulo Paim (PT-RS), com a propriedade de quem integrou a Assembleia Nacional Constituinte, nossa Constituição é uma das Cartas mais progressistas do mundo. E nela o STF aparece como órgão máximo do Poder Judiciário, cabendo a ele o controle de constitucionalidade das medidas aprovadas pelos parlamentares.

É provável que a “PEC do STF” seja derrubada por uma ação direta de inconstitucionalidade caso aprovada pela Câmara. Mas será que num Estado democrático de Direito o parlamento deveria se dedicar com tamanho afinco a um tema que pode afetar o equilíbrio democrático?

+ sobre o tema

A necessidade do ‘negro imbecil’ para o racismo brasileiro

por Sérgio Martins O estrato da cultura nacional propõe alguns...

Mulher acusa jovem universitário de roubar celular. Que estava na bolsa dela…

David Castro é estudante de Engenharia Civil da Universidade...

Cuidado, somos perigosos!

"Os tempos são difíceis. Mas a todos aqueles que...

Juventude brasileira grita contra genocídio de jovens negros

Realidade que atinge jovens negros foi diagnosticada em...

para lembrar

Outubro Rosa

O Outubro Rosa é um movimento internacional, iniciado nos...

PMs são presos suspeitos de envolvimento em execução em SP

De acordo com boletim, jovens executados tinham ferimentos de...

Torcida do Zenit pede ao clube para não contratar gays, negros e latinos

  Torcedores do Zenit, de São Petersburgo, na Rússia, causaram...

GO: Sintego prestigia lançamento de plano contra o racismo

A vice-presidenta do Sintego, Iêda Leal, representou o sindicato...
spot_imgspot_img

Na França, esquerda unida mostra que é possível barrar a extrema direita

Mais uma vez a democracia francesa deu um chega pra lá na extrema direita, repetindo o que já fez em outras eleições. Uma coisa...

A saída contra a extrema direita é negra

A campanha fria e sonolenta de Joe Biden fez os democratas buscarem alternativas e a pressão para que ele abandone a corrida eleitoral está...

Mbappé, a extrema direita e a pergunta: quem tem direito de ser francês?

Quando Mbappé concedeu uma coletiva de imprensa, há poucos dias, um repórter pegou o microfone para fazer uma pergunta ao craque da seleção francesa....
-+=