Meu corpo preto e meu dinheiro as marcas racistas não veem

O “Zara zerou” é mais um exemplo de como opera o sistema ao ativar a suspeição comumente atribuída a nós pessoas pretas quando adentramos os templos do capitalismo racista, que não nos veem como consumidores em potencial e nos associam, de forma preconceituosa e automática, à pobreza e criminalidade. Longe de ser novidade na terra brasilis, trata-se de uma violência simbólica cotidiana.

Não nos querem ali e há muito isso não me traz dor. Sabe por quê? Porque juntamente com consciência racial veio a compreensão de que o enfrentamento dessa violência passa por fazer tais empresas fecharem as portas recolhendo, além de falência, toda arrogância e desumanização lançadas contra nós. Assim, não consumir seus produtos tornou-se regra n. 01. Se meu corpo negro não está no padrão da marca, meu dinheiro também não. 

Isso vale para as grandes, como Zara, Farms e as marcas nacionais/ locais, que expõem o seu “zara zerou” quando não nos contemplam na publicidade nem contratam os nossos como vendedores de suas lojas nos shoppings em que somos maioria na prestação de serviços de limpeza. São ambientes palco da brancura aclamada como humana, bonita e bem vestida.

É o chamado pacto, como nos diz a psicóloga e pesquisadora Maria Aparecida da Silva Bento, conhecida como Cida Bento, que cunhou em sua tese de Doutorado intitulada “Pactos Narcísicos no Racismo: Branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público”. Para mantê-lo bem-sucedido os sujeitos que se pretendem universais criam seus próprios códigos de linguagem verbal e gestual com o objetivo vil de demarcar os nossos (não) lugares.

Individualmente não tenho poder para quebrar marca nenhuma, mas se o boicote a tais marcas se tornar modus operandi da coletividade negra veremos que elas não resistirão diante do imperativo lucrar.

Olhem para nossa comunidade, para o empreendedorismo do nosso povo e o fortaleçam. Pratiquem um blackmoneyzinho e façam o dinheiro correr entre/ para nós. 

Pretes,respeitemo-nos!! Não deixem que empresas/marcas racistas vejam a cor do nosso dinheiro, é simples. Que seus lucros zerem na mesma proporção em que zeraram nossa humanidade.

*Joselice Souza Barbosa é mestra em Educação pelo PPGE- UEFS e Professora na rede de ensino estadual- BA em Feira de Santana.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.


Leia também:

A desumanização dos negros e a cumplicidade com o capitalismo

A ambiguidade dos corpos de nossos iguais: do desprezo à solidariedade

Sobre corpos que não se encaixam: as peças sobrantes de um quebra-cabeça exposto em rede nacional

O corpo negro na Educação Física escolar

+ sobre o tema

Corrigir distorções históricas

As cotas para excluídos têm sido objeto de inúmeras...

A Literariedade da Obra de Carolina de Jesus: um reconhecimento necessário

O artigo tem como objetivo constatar se a obra...

Eu dentro de mim

Já que o mundo está em medida de contenção...

para lembrar

Repita Comigo: Racismo Reverso Não Existe

Uma das coisas mais comentadas nos últimos anos é...

Mulheres denunciam racismo em agência bancária na Barra e apontada como autora das ofensas é presa

Três mulheres registraram queixa na polícia afirmando terem sido...

Sobre futuros colecionáveis

Trabalho com tendências futuristas, tecnologia e inovação social. Muito...

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....

Estudante negra de escola pública ganha prêmio com pesquisa que apontou racismo em dicionários: ‘racismo enraizado na fala’

Uma aluna do Ensino Médio do Instituto Federal São Paulo, de Bragança Paulista (IFSP), conquistou medalha de ouro após apresentar uma pesquisa sobre racismo, durante a...

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...
-+=