Sobre corpos que não se encaixam: as peças sobrantes de um quebra-cabeça exposto em rede nacional

Talvez, no fim, seja só sobre isso, sobre espaços que não nos cabem, onde nunca fomos aceitos. Não fomos aceitos na casa grande, e nem conseguimos sobreviver a ela, muito menos aos senhores, as sinhazinhas e aos capitães do mato. Muitos de nós tentaram, iludidos pelo brilho nos olhos de se alimentar com os restos de banquetes, ou de dormir nos pequenos cômodos dentro da casa grande. Corpos que invariavelmente foram vilipendiados, usados, expostos e também marcados pelo açoite e pelo extermínio, mesmo que tardio, se comparado aos corpos habitantes das senzalas.

133 anos depois da falsa libertação dos escravos, nossa existência é ainda deslegitimada e somos mortos objetiva e subjetivamente todos os dias, em todos os confinamentos…eu disse todos os confinamentos!! Prisões, hospitais psiquiátricos, clínicas ditas de reabilitação para usuários de substâncias psicoativas, reality shows. Ao vivo e em cores, para que todos possam ver e tomar como exemplo – corpos negros não devem habitar alguns espaços!

O corpo preto do menino homem do reality show é um exemplo, é só mais um corpo morto, execrado, incompreendido e exposto. Sua exposição, a violência psicológica a qual é submetido, sua saída como mentiroso, manipulador, desequilibrado e sem controle com o alcool é sobre isso. É sobre o fato de que as ofensas, a intolerância religiosa, a síndrome de capitão do mato de alguns dos nossos, a bifobia, a criminalização da periferia, o extermínio e o racismo venceram…estamos de nossas casas assistindo, compactuando e votando. O circo dos horrores é também uma parte de nós.

Corpos pretos não foram feitos para amar, muito menos em rede nacional. Corpos de homens pretos foram feitos para o trabalho pesado, o fetiche, a animalização ou o extermínio autorizado…extermínio, essa é a palavra que cabe ao corpo jovem negro que ousou ocupar o reality show!! Corpo jovem negro que é político…corpo que não cabe e nunca foi aceito, por isso, “cancelado”.

Mas ele resiste, insiste, sobrevive a toda a violência que potencializa seus traumas de homem negro, se nega a permanecer onde o jogo decretou que sua sina era a morte pública. Contrariando todas as estatísticas, incluindo aquelas que colocam os suicídios entre pessoas negras como 45% mais prováveis do que de pessoas brancas, o menino-corpo-negro vive.

Ao viver, ele narra sua própria história, não abre mão dela. Fala de si, mas coletivizando dores e vitórias, brigando pelo aquilombamento dos seus, celebrando em rede nacional a história de resistência do seu povo. Ao viver, ele não sucumbe às estatísticas que tombam um corpo negro a cada 23 minutos, e ao escolher a hora de partir, sobrevive não só ao extermínio, mas ao suicídio e a invisibilidade que eram guardados para seu corpo preto.

Não, essa escrita não é sobre um reality show, é sobre um país que “cancela” um jovem negro a cada 23 minutos…para sempre!! Felizmente ainda temos corpos que resistem, insistem…

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico...

MG lidera novamente a ‘lista suja’ do trabalho análogo à escravidão

Minas Gerais lidera o ranking de empregadores inseridos na...

para lembrar

Se é negro, é negão, mas se é branco é brancão? Sobre a brutalização do homem negro

Este aumentativo para se referir aos homens negros sempre...

A solidão e falta de esperança do preto gay

Desde cedo, eu nunca tive muitas figuras de preto...

Era uma vez a presunção de inocência

Por 7 votos a 4 o Supremo Tribunal Federal...
spot_imgspot_img

Rio cria dia estadual para reflexão sobre morte de jovens negros

O governo do Rio de Janeiro sancionou a lei que cria o Dia de Luta Jovem Preto Vivo – João Pedro Matos Pinto, aprovada...

Ambiente escolar é onde mais se sofre racismo, diz pesquisa

Uma pesquisa conduzida pelo Instituto de Referência Negra Peregum (Ipec) e Projeto SETA mostra que 38% dos entrevistados disseram que escolas, faculdades e universidades...

APAN lança escola de audiovisual negro em parceria com entidade colombiana

A Associação de Profissionais do Audiovisual Negro (APAN), em parceria com a Manos Visibles, entidade colombiana de audiovisual, lança a primeira escola negra de...
-+=