Brasil não é uma sociedade com democracia racial, diz antropólogo

Para Kabengele Munanga, enquanto o país não admitir o racismo estrutural será difícil enfrentar o genocídio negro

Da

 

Nos últimos 20 anos, o número de jovens negros assassinados aumentou 429%. A cada 100 assassinatos, 75 vítimas são negras. Entretanto, combate à violência contra a população negra parece não comover autoridades brasileiras (Foto: TVT)

São Paulo – Para o antropólogo brasileiro-congolês Kabengele Munanga, enquanto é um mito dizer que o Brasil vive uma democracia racial. Na opinião dele, enquanto o país não admitir o racismo estrutural presente na sociedade e os dados de violência contra população negra aumentarem, será difícil enfrentar o genocídio negro.

Nos últimos 20 anos, o número de jovens negros assassinados aumentou 429%. A cada 100 assassinatos, 75 vítimas são negras. Entretanto, o combate à violência contra a população negra parece não comover autoridades brasileiras. Este foi o tema da palestra do professor da USP no 25º Seminário Internacional de Ciências Criminais, do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim).

“A sociedade brasileira não é uma sociedade com a democracia racial porque nós convivemos com vários tipos de preconceito e discriminação, o que desemboca numa ideologia chamada racismo. O racismo brasileiro tem suas peculiaridades e um dos problemas é a negação de sua existência”, afirma o antropólogo, em entrevista ao repórter Jô Miyagui, da TVT.

A advogada Dina Alves fez tese de doutorado sobre as mulheres negras e o sistema de justiça do Brasil, na qual concluiu que a justiça é igualmente racista com as mulheres. “Nos últimos 14 anos, por exemplo, a gente percebe uma explosão das taxas de encarceramento das mulheres. Fazer esse recorte racial no sistema de justiça criminal é provar o racismo estrutural”, argumenta.

Kabengele acrescenta ainda que as prisões são a maior expressão do racismo e o capitalismo acentua a parcialidade do sistema de justiça. ““O capitalismo cria as classes sociais e se não tivesse classes sociais todo mundo teria, igualmente, o direito à justiça. A justiça funciona, relativamente, para quem paga caro por ela.”

De acordo com os pesquisadores, a primeira atitude para combater o racismo é admitir a existência do problema. Se a população e as autoridades ignoram o racismo, não há como fazer políticas públicas para combatê-lo. Nesse sentido, o governo Bolsonaro seria um problema no enfrentamento desta questão, afirmam os especialistas. “O Jair Bolsonaro vem para oxigenar essas relações racistas, esse projeto genocida no Brasil. Juntamente com o ministro Sergio Moro e o pacote anticrime, acredito que é o oxigênio para colocar em curso esse projeto genocida histórico”, criticou Dina.

O IBCCrim realiza, desde terça-feira (27), o 25º Seminário Internacional de Ciências Criminais, com o tema “As Ciências Criminais como resistência dos valores democráticos”. O objetivo é debater a politização do Judiciário e as violações cometidas contra a democracia brasileira, com a participação de especialistas nacionais e internacionais.

 

Leia Também:

Democracia racial: mito ou realidade?

Que democracia racial é essa?

+ sobre o tema

Documentário sobre racismo é vetado por canal austríaco

Documentarista Teddy Podgorski Jr. disse ter ficado surpreso com...

O segredo do Canadá para resistir à onda conservadora ocidental

À medida em que o populismo de direita avançou...

O estereótipo que estimula policiais brutamontes

Ao ingressar em qualquer profissão, o indivíduo é submetido...

Diretor da Medicina da USP pede investigação sobre racismo em competição

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de...

para lembrar

“Avatar” acusado de racismo

Uma «fábula messiânica branca» ou «uma fantasia racial por...

Meninos vítimas de racismo em hipermercado reconhecem mais um segurança suspeito de agressão

Outro funcionário do Extra já havia sido reconhecido em...

Racismo no Carrefour

Desde 2009 registramos casos de racismo no Carrefour e...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=