Professor da Ufes acusado de racismo durante aula é demitido

Dias depois da denúncia, em entrevista, Malaguti reforçou que “se tivesse que escolher entre dois médicos, um branco e um negro, escolheria um branco”.

por Lais Magesky no Gazeta Online

Foto do professor sentado em um sofá e justificando porque ele acha que negros não são capazes de serem médicos. imagem tirada de video
Professor teria feito declarações de caráter racista – Imagem Gazeta Online

O reitor da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) assinou nesta sexta-feira (15) a demissão do professor Manoel Luiz Malaguti Barcellos Pancinha, denunciado por alunos do curso de Ciências Sociais por ter dito frases de caráter racista e preconceituoso durante aula no dia 3 de novembro de 2014.

A decisão foi publicada no Diário Oficial da União pelo Ministério da Educação. A reportagem do Gazeta Online entrou em contato com o professor, que se recusou a conceder entrevista. De acordo com a Lei 8.112/90 citada na decisão, Malaguti foi demitido por “incontinência pública e conduta escandalosa na repartição”.

De acordo com relato de estudantes na época, ele teria dito que não gostaria de ser atendido por profissionais negros, como médicos ou advogados, e fez críticas ao sistema de cotas da universidade. Dias depois da denúncia, em entrevista ao jornal A Gazeta, Malaguti reforçou que “se tivesse que escolher entre dois médicos, um branco e um negro, escolheria um branco”.

Malaguti foi demitido pela universidade ainda em 2014, mas ele acionou a Justiça. Em 2015, a Justiça Federal rejeitou a denúncia por ter entendido que não houve crime de racismo na fala do professor. “O discurso proferido pelo denunciado demonstra o seu pensamento pessoal. Por outro lado, o mesmo discurso não é capaz de demonstrar qualquer fato criminoso”, dizia o texto da decisão do juiz Américo Bedê Freire.

O Ministério Público Federal do Espírito Santo (MPF-ES) recorreu da decisão na segunda instância, e, em setembro de 2017, o Tribunal Regional Federal (TRF2) votou por unanimidade para negar o recurso. Segundo o desembargador Abel Gomes, que relatou o caso, o “teor das declarações é moralmente repudiável e, em certa medida, mais do que preconceito, denotam até certa virulência dirigida aos negros em geral”. No entanto, ele escreveu, à época, que “o crime de injúria exige expressões direcionadas a vítima” e que “se chegar a uma incompreensível opção de profissional calcada na cor da pele, o que de fato se mostra absurdo, mas sem o direcionamento definido que o art. 140,3º do Código Penal exige”.

Assim, em março de 2016, Malaguti voltou a dar aulas na universidade com remuneração bruta de R$ 16.881,74. Mas o processo contra o professor ainda cabia um novo recurso, pela Procuradoria Regional da República da 2º região (PRR2). A sentença judicial derrubou os efeitos da liminar que concedia a Malaguti o direito de retornar ao trabalho, e a demissão dele foi publicada no Diário Oficial.

NOTA DA UFES NA ÍNTEGRA

A Procuradoria Geral na Ufes esclarece que o professor Manoel Luiz Malaguti Barcellos Pancinha foi demitido por decisão do reitor Reinaldo Centoducatte no ano de 2014. Após esta decisão, o professor ajuizou uma ação para anular a decisão, mas a liminar foi negada. O professor, então, recorreu ao Tribunal Regional Federal (TRF) e obteve liminar favorável, concedendo-lhe o direito de retornar ao trabalho. Agora, a sentença judicial derrubou os efeitos da liminar.

Leia também:

#meuprofessorracista: Nova hashtag relata racismo de professores

O julgamento das cotas no STF: Balanço de uma vitória histórica

STF: cotas raciais são aprovadas por 10 X 0

Caso do professor racista da UFMA serve para mostrar que o discurso da auto proclamada elite pensante, reproduz a mentalidade escravagista que ainda impera no Maranhão

Polícia abre inquérito para investigar ofensa racista a professor de colégio da Unicamp

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

Professor Sérgio Nogueira aponta os 10 erros de português mais frequentes

O professor Sérgio Nogueira explicou os dez erros mais...

Rodo cotidiano: eu, um motorista, o preconceito e 2 fuzis

Poderia ser apenas mais uma história para ilustrar o...

Racismo no Supermercado Andreazza em Caxias do Sul

Entidades em defesa do negro repudiam caso de racismo...

50 erros de português que você não pode mais cometer

Guia prático para não queimar mais o filme em...
spot_imgspot_img

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião conduzido por alguém que, pelo fato de pertencer à minoria desfavorecida, recebeu um empurrãozinho na...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...
-+=