Guest Post »

Racismo em supermercados: Silvana Bueno, negra, é acusada de furto por guardas de hipermercado

Seguida e revistada por um policial militar, uma mulher negra ainda teve que apresentar a nota fiscal para comprovar a aquisição dos itens.

no SBT

mulher sendo revistada no supermercado por suspeita de roubo
racismo no mercado/ Imagem do vídeo/ SBTsup

Mais um caso de racismo e discriminação envolvendo clientes e seguranças de supermercados volta a causar indignação.

Desta vez, uma mulher negra foi acusada de furto por vigilantes e funcionários, em um hipermercado localizado em Campinas, no interior de São Paulo.

A garçonete Silvana Bueno, de quarenta e oito anos, foi seguida por seguranças e funcionários até um ponto de ônibus, após sair do estabelecimento.

Levada a uma sala da administração, ela foi revistada por um policial e, em seguida, teve que comprovar que havia pago por todos os itens, os quais foram comparados com a nota fiscal.

O caso ocorreu no dia seis de fevereiro e foi registrado em vídeo. No mesmo dia, Silvana registrou um Boletim de Ocorrência em uma delegacia.

Em nota, o Walmart afirmou repudiar veemente qualquer ato de desrespeito e discriminação e reconheceu o erro gravíssimo da equipe de segurança. A empresa ainda declarou ter dispensado o chefe da segurança.

O Shopping Parque Dom Pedro, onde está localizado o hipermercado, também se pronunciou e diz ter afastado o funcionário terceirizado que acompanhou a ocorrência.

Apesar das providências, Silvana afirma que o constrangimento gerado pelo racismo dos seguranças ainda lhe causam indignação.

Nos últimos meses, casos de discriminação racial envolvendo seguranças têm repercutido nacionalmente.

O mais recente aconteceu há uma semana, dentro de uma agência bancária da Caixa Econômica Federal, em Salvador, onde o microempresário Crispim Terral, de 34 anos, foi imobilizado por policiais, usando um golpe conhecido como “mata-leão”, e retirado à força do local.

Pelo mesmo golpe, também dentro de um hipermercado, um jovem de 19 anos foi morto por um segurança há duas semanas. Imagens gravadas por clientes registraram Pedro Henrique Gonzaga sendo asfixiado até a morte no Extra do Rio de Janeiro.

Racismo em supermercados:

Vigilante de supermercado Extra mata jovem por sufocamento no RJ

Supermercado é acusado de racismo após associar mulher negra a vassoura

Homem é perseguido por seguranças e acusa supermercado do Rio de racismo

Grupo protesta contra ato de racismo no supermercado Dia

Supermercado deve indenizar clientes negros revistados de forma humilhante

Professora de inglês faz ataque racista em supermercado na zona Norte de SP

Mulher é presa após ato racista em supermercado na Zona Sul do Rio

Rede de supermercados é condenada a pagar R$ 500 mil para funcionária vítima de ataques racistas

Supermercados Extra de Santos e o Grupo Casino responderão na justiça por “violência racial”, contra senhora negra de 77 anos

‘Essa neguinha pode ter roubado alguma coisa’: cliente acusa segurança de supermercado de racismo

 

Related posts