sexta-feira, setembro 18, 2020

    Tag: Carnaval

    blank

    Blocos do Rio adicionam feminismo ao Carnaval

    Dentre as centenas de blocos que vão às ruas ao longo dos próximos dias, alguns se destacam pelo mote feminista. Do BBC No Rio de Janeiro, grupos como o Mulheres Rodadas e o bloco Comuna que Pariu – com o enredo "Lugar de mulher... É onde ela quiser" – desfilam contra o machismo. O movimento vem crescendo ao longo dos últimos anos e se repete em outras cidades, com blocos feministas como o Grêmio Anárquico Feminazi Essa Fada, que desfila pela primeira vez em Olinda, e o bloco afro Ilú Obá de Min, que está completando dez anos e é formado só por mulheres, em São Paulo. http://youtu.be/dW0XiMWcFps

    Leia mais
    blank

    Bloco de Carnaval de ativistas protesta contra alto número de cesáreas

    Maternidades particulares do Rio e de São Paulo estiveram lotadas nos últimos dias com cesáreas agendadas para antes do feriado de Carnaval. O Maternar ligou em duas que são referência em São Paulo e ambas foram unânimes em afirmar: não há vagas. Por GIOVANNA BALOGH, do Maternar  A mulher que chega em trabalho de parto demora horas para conseguir um quarto após o seu bebê nascer. Mesmo as com cesárea previamente agendadas demoram para conseguir um quarto devido à lotação. “Deixamos as pacientes na enfermaria por um tempo e só quando vaga um quarto elas sobem”. Conforme o  Maternar  já mostrou, o número de cesáreas, assim como de internação na UTI neonatal devido à prematuridade,  é bem maior no pré-feriado do que nas datas comemorativas. Foi pensando em protestar contra as cesáreas agendadas, que ativistas do parto normal criaram marchinhas de Carnaval com letras como “olha o obstetra da mulher, será que ele é? ...

    Leia mais
    cris-vianna

    ‘Carnaval tem preconceito com rainhas negras’

    A dançarina Barbara Sheldon afirmou que as escolas acham que "negra é para ser passista e não serve para rainha" Por Marcus Vinicius Pinto no Terra  Ser rainha de bateria de uma escola de samba requer muito ensaio e muito samba no pé? Nem sempre. Para a dançarina Barbara Sheldon, professora de dança de Nanda Guimarães, rainha da Parque Curicica, da série especial, o samba é muito preconceituoso com as mulheres negras. “Acham que negra é para ser passista e não serve para rainha”, disse Sheldon, com uma certa dose de exagero. “Mas não demora muito e ela supera esse preconceito. Vai estar entre as grandes”, garantiu. A própria Nanda Guimarães considera exagerado falar em preconceito contra as mulheres negras nesta situação. “Cada um conquista seu espaço com tempo. Estou começando na escola e quero crescer junto com ela”, opinou, sem afirmar que pretende chegar logo a uma escola do grupo ...

    Leia mais
    blank

    História do carnaval no Brasil

    Desenho de Jean Baptiste-Debret (1768-1848) mostrando a brincadeira do entrudo entre os escravos O carnaval no Brasil tem suas raízes históricas no período colonial, tornando-se uma lucrativa atividade comercial no século XX. no Brasil Escola por Me. Tales Pinto A história do carnaval no Brasil iniciou-se no período colonial. Uma das primeiras manifestações carnavalescas foi o entrudo, uma festa de origem portuguesa que, na colônia, era praticada pelos escravos. Estes saíam pelas ruas com seus rostos pintados, jogando farinha e bolinhas de água de cheiro nas pessoas. Tais bolinhas nem sempre eram cheirosas. O entrudo era considerado ainda uma prática violenta e ofensiva, em razão dos ataques às pessoas com os materiais, mas era bastante popular. Isso pode explicar o fato de as famílias mais abastadas não comemorarem junto aos escravos, ficando em suas casas. Porém, nesse espaço havia brincadeiras, e as jovens moças das famílias de reputação ficavam nas janelas jogando águas nos ...

    Leia mais
    blank

    Ilú Obá De Min: a diversidade cultural no carnaval de São Paulo

    Composto exclusivamente por mulheres e desde 2005 desfilando pelas ruas de São Paulo, bloco afro-brasileiro homenageia o centenário da escritora Maria Carolina de Jesus   Por Guilherme Franco  Do  Spresso Sp Desde 2004 um grupo de arte e cultura negra vem se estabelecendo no meio cultural paulistano. Sob a coordenação de Beth Beli, pesquisadora de manifestações das culturas de matrizes africanas e afro-brasileiras, o Ilú Obá De Min é um coletivo de tambores e corpo de baile com a participação exclusiva de mulheres, que hoje já conta com várias participantes. O coletivo não nasceu dentro de um terreiro (como os afoxés) porém trabalha com fundamento nas questões do povo de santo e no culto aos orixás, deuses africanos. São trazidos para região urbana a dança e os cantos dos terreiros do candomblé e de diversas manifestações da cultura negra como o maracatu, batuque, coco, jongo, entre outras. Todos esses elementos ...

    Leia mais
    blank

    ONU Mulheres ensina o caminho para “chegar” sem forçar a barra no Carnaval

    Fluxograma da paquera usa bom humor por mais respeito às mulheres Por  Luiz Yassuda no B9 Na contramão da polêmica campanha de Skol (leia mais aqui), as Nações Unidas lançam uma sobre o Carnaval, época em que o xaveco está liberado e incentivado, mas em que “não” continua significando “não”. Com foco na rapaziada, a peça – um fluxograma com potencial ~viral~ nestas redes sociais que tanto gostamos, em JPG e vídeo – reforça que “chegar” não significa forçar a barra e que dá para se divertir do mesmo jeito (ao contrário daqueles que afirmam que o mundo anda tão chato hoje em dia). “Como festa de rua, o carnaval é o momento em que as pessoas se relacionam e se permitem a viver com intensidade. Esse clima precisa ser mantido para mulheres e homens. Por isso, a campanha entra no clima da diversão e propõe práticas que respeitem os limites ...

    Leia mais
    blank

    Jovens dançarinos vão levar o passinho para a Sapucaí

    A Imperatriz Leopoldinense, a penúltima a desfilar na Marquês de Sapucaí no Rio de Janeiro na segunda-feira (16), pretende unir a dança do passinho que tem origem no funk ao samba. A ideia foi do coreógrafo Fabio Batista que garante que o passinho tem tudo a ver com as danças negras contemporâneas. Por Fabíola Ortiz, do UOL "O funk e os movimentos do passinho são muito tribais. A batida dos pés, a maneira como dançam e saltam, tem também elementos do frevo e da polca. É uma dança de estilo próprio, espontânea e de improviso", observou Fabio.   Oito jovens, entre 14 e 22 anos, de um grupo de dança do Andaraí, na zona norte do Rio, irão fazer performances do passinho na primeira ala da escola, antes mesmo do carro abre-alas. Três meninas dançarinas e cinco rapazes irão compor a ala de 96 guerreiros zulus. "Haverá momentos na ala que ...

    Leia mais
    blank

    Bloco Domésticas de Luxo: onde racistas se divertem

    No último sábado (7), o portal  Tribuna de Minas repercutiu algo de forma, no mínimo, intrigante: apresentando o Bloco chamado “Domésticas de Luxo” com entusiasmo, o portal deu à matéria o título de “Pretinhas em contos de fada”, explicando que os participantes do bloco – tradicionalmente homens brancos -, além de se fantasiarem de mulheres negras, ainda adicionavam à “fantasia” roupas de princesas de contos de fada, como a Branca de Neve. Por Jarid Arraes no Revista Fórum  É chocante que o racismo escrachado, debochado e explícito seja tratado como uma tradição divertida que tem mérito em ser preservada. Pior, é revoltante perceber que a população de Juiz de Fora – onde o bloco acontece – considera tão natural e adequado o fato de que homens brancos se vistam de mulheres negras, pintando o rosto com tinta preta, vestindo perucas que imitam cabelos crespos, exagerando no batom vermelho para desenhar lábios ...

    Leia mais
    blank

    África pop da Imperatriz quer exaltar o negro e combater o preconceito

    Carros coloridos têm inspiração em trabalho de artista e ONG sul-africanas. Negros que fizeram a diferença no país são destaque em alegoria high tech. por Alba Valéria Mendonça no G1 Mandela é pop. E a Imperatriz Leopoldinense, que este ano faz uma exaltação à negritude, também. É com a representação de uma África moderna, supercolorida, com tons vibrantes, inspirada nos trabalhos da artista sul-africana Esther Mahlangu, da etnia Ndbele, que o carnavalesco Cahê Rodrigues quer mostrar a força e a nobreza da cultura negra e combater o preconceito na avenida. O gesto do jogador de futebol Daniel Alves - que zombou de um torcedor preconceituoso, ao comer a banana que ele lhe atirara em campo - foi a inspiração para a exaltação à negritude, que aproveita para homenagear o líder negro Nelson Mandela, no enredo “Axé, Nkenda! Um ritual de liberdade e que a voz da igualdade seja sempre a nossa voz”. ...

    Leia mais
    blank

    Sepromi: Folião vítima de racismo ou intolerância religiosa terá apoio de centro da Sepromi

    A Secretaria de Promoção da Igualdade Racial do Estado (Sepromi) prestará atendimento jurídico, social e psicológico a vítimas de racismo e intolerância religiosa, por meio do Centro Nelson Mandela, nos seis dias de Carnaval. O equipamento funcionará excepcionalmente no Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra (CDCN), de quinta-feira à sábado, das 18 às 22h, e de domingo à terça, das 14 às 22h. As denúncias poderão ser registradas no prédio do órgão, localizado na Ladeira do Passo, número 42, Pelourinho, ou pelos telefones 162 e (71) 3117-7438. Desde a criação da unidade, em 2013, já foram registrados cerca de 100 casos relacionados, sendo os mais frequentes em shoppings e locais de trabalho.

    Leia mais
    blank

    Carnaval e a tradição do “beijo roubado”

    Em Salvador, um homem foi condenado a 7 anos de prisão por beijar uma mulher à força no Carnaval e não são poucos os relatos de pessoas que passaram por uma violência parecida; especialistas alertam que a cultura machista e a objetificação do corpo feminino nessa época do ano ficam ainda mais evidentes Por Maíra Streit na Revista Fórum As comemorações de Carnaval já estão a todo o vapor pelo país e, em meio às fantasias, músicas e algumas latinhas de cerveja, outro item parece ter virado tradição nesse período: o beijo roubado. Não são poucos os relatos de mulheres que passaram pela violência de ter que ‘ficar’ com um estranho à força. Para os abusadores de plantão, vale tudo: puxões de cabelo, apalpadas e até casos em que a mulher é cercada por uma roda de homens e obrigada a beijar um deles para conseguir se libertar. O que muitos não sabem é ...

    Leia mais
    blank

    Carnaval de Salvador e o processo de elitização dos espaços públicos

    O carnaval de Salvador é fruto da indústria cultural e não conserva, senão no nome, nenhuma qualidade essencial resguardada de sua origem. Perde suas qualidades de festa popular, porque não é, de longe, uma representação castíssima do respeito do baiano ao espaço como foi há algumas décadas. Por Mailson Ramos, no Pragmatismo Politico O carnaval de Salvador, exibido por algumas emissoras de TV, é um conto de fadas. Porque as câmeras somente alcançam o camarote, onde estão posicionadas, e os blocos que fazem um cortejo elitista em torno dos trios elétricos. A pipoca – grupo de foliões posicionados entre os blocos e os tapumes dos camarotes – tem seu espaço cada vez mais dirimido no contexto da festa. Cabe dizer aos leitores que a pipoca ou os foliões populares foram os verdadeiros criadores do carnaval, uma festa originada pela mistura de classes, pela difusão da cultura baiana, pelo amor dos ...

    Leia mais
    blank

    Bloco Rolezinho das Crioulas leva cultura negra para as ruas da Vila Madalena no próximo domingo

    No próximo domingo dia 08 de fevereiro acontece a segunda edição do Bloco Rolezinho das Crioulas, na Vila Madalena, em São Paulo. A concentração será a partir das 15h e saída prevista às 17h na Rua Inácio Pereira da Rocha, 170, esquina com a Rua Fradique Coutinho, na frente do Jongo Reverendo. O bloco surgiu no ano passado com o objetivo de ocupar espaços públicos a partir da cultura negra e é organizado por diversas frentes representativas da produção cultural em São Paulo, como produtores, artistas, músicos, empreendedores, entre outros profissionais. “O Rolezinho nasceu dentro do contexto da coletividade e o questionamento da ocupação de diferentes territórios da cidade de São Paulo, inclusive a Vila Madalena”, explica Adriana Barbosa, uma das idealizadoras do Bloco, que será puxado por diversos músicos e percussionistas, inclusive de grupos consagrados como sambistas do Samba da Vela e do grupo Samba D’Elas. Enviado por Lau Francisco via Guest Post para o Portal Geledés Neste ano o Bloco ...

    Leia mais
    blank

    Passistas femininas: resistência e autoestima da mulher negra

    Tenho pensado muito sobre o significado de ser passista. Por algum motivo extraordinário as pessoas ficam extremamente surpresas quando descobrem que sou passista de escola de samba. Mas apenas as pessoas que me conhecem nos espaços acadêmicos, de trabalho ou de militância, ou seja, as pessoas que me vêem expressar minhas opiniões e posicionamentos políticos. Para essas pessoas, por mais que elas não digam, ser passista contraria todos esses posicionamentos. Para essas pessoas ser passista é muito pouco ou é inapropriado para quem “tem consciência”. por Monique Britto Eleotério via Guest Post  para o Portal Geledés Ser passista no pensamento dessas pessoas é corresponder a um estereótipo sexualizado da mulher negra, é incentivar o pensamento sexual dos turistas estrangeiros, é se exibir e se vender. E isso é um grande e grave equívoco. As passistas surgem dentro da cultura das escolas de samba como o reconhecimento das mulheres da comunidade que melhor representam a ...

    Leia mais
    blank

    Mulher negra não é fantasia de carnaval

    "Black face" é ferramenta de opressão e não desculpa pra folia. Respeitem nossa humanidade. Por Djamila Ribeiro por Djamila Ribeiro Do Carta Capital Em épocas de carnaval é muito comum ver pessoas se “fantasiando” de negra, pintando o rosto de preto, colocando peruca afro, passando batom vermelho de forma esdrúxula com a intenção de aumentar os lábios. Para entender o quão ofensivo isso é, se faz necessário entender o contexto e a história do black face. De acordo com o site “History of Black face”, o black face começou quando homens brancos se caracterizavam de homens negros escravos ou livres durante a era dos shows dos menestréis (1830-1890) e essas caricaturas tornaram-se fixas no imaginário americano reforçando estereótipos. Comediantes faziam sucesso apresentando, para um público formado por aristocratas brancos, personagens estereotipados de pessoas negras com o intuito de ridicularizá-las. Além de pintar o rosto de preto, esses comediantes pintavam exageradamente ...

    Leia mais
    blank

    Olha o Carnaval feminista aí, gente!

    Minha carne é de Carnaval e meu coração é igual, e por isso tá difícil segurar a ansiedade pra este que será meu primeiro carnaval no Brasil em três anos. Acabei sendo obrigada optando por ficar em São Paulo, e conversando com um amigo há alguns dias fui elencando os blocos em que pretendo brilhar nas próximas semanas: Bloco da Abolição, Bloco Soviético, Bloco do MAL,Bloco do Peixe Seco… “Quanto bloco engajado! E cadê o bloco feminista?” Boa pergunta: cadê, gente? Por Carolina de Assis, do  Opera Mundi  Bom, no Rio este ano tem o Mulheres Rodadas, que na esteira do maravilhoso tumblr Mulher Rodada vai pra rua no dia 18 de fevereiro lembrar que a gente rooooda e dá pra todo mundo, mas não dá pra qualquer um. O Grêmio Anárquico Feminazi Essa Fada também estreia este ano, mas em Recife (QUERO), com esquenta no dia 07 de fevereiro e desfile no dia ...

    Leia mais
    Sobre mulheres, literatura e emancipação

    Indignada, Olívia Santana critica recrutamento de mulheres para o Carnaval

    A secretária estadual de Políticas para as Mulheres, Olívia Santana, ficou indignada com as notícias veiculadas, quanto aos critérios supostamente utilizados pela Mega Polo Models, para atender a um processo de seleção de mulheres que desejam trabalhar no Carnaval da Bahia, em um camarote, produzido pela empresa 2GB, sendo a Ambev responsável pelo espaço. Do Black Brasil Em ofício já encaminhado ao procurador-geral do Ministério Público da Bahia (MP-BA), Márcio José Fahel, a titular da pasta solicita providências do órgão na investigação do suposto processo seletivo de mulheres para trabalharem no camarote, durante o Carnaval da Bahia. Com relação ao pronunciamento das empresas, que negam a autoria da contratação, a secretária Olívia Santana destaca que é fundamental que o Ministério Público investigue o espaço virtual, através do Núcleo de Combate aos Crimes Cibernéticos (NUCCIBER) do órgão, conduzido pelo procurador Fabrício Rabelo Paturi, para que se descubram os reais culpados e que ...

    Leia mais
    blank

    Tinga, jogador do Cruzeiro, vai desfilar na Imperatriz Leopoldinense

    O jogador Tinga aceitou o convite da Imperatriz Leopoldinense e vai defender as cores da escola de Ramos no próximo carnaval. O atleta, que atua pelo Cruzeiro e está em pré-temporada para o Campeonato Mineiro,virá ao Barracão na próxima semana para acertar os detalhes da participação dele no desfile e conhecer o projeto que está sendo desenvolvido pelo carnavalesco Cahê Rodrigues. Do sidneyrezende Com importantes títulos na carreira, Tinga foi destaque do noticiário nacional e internacional no início de 2014 ao ser alvo de racismo num jogo disputado no Perú entre o Cruzeiro e o Real Garcilaso, pela Taça Libertadores da América. A torcida do time peruano imitava macaco cada vez que o volante mineiro tocava na bola. A atitude, condenada pela opinião pública, entidades e personalidades do futebol, fortaleceu ainda mais a campanha contra o racismo no futebol, da qual Tinga se tornou um dos representantes após este fato lamentável ...

    Leia mais
    blank

    Morre Tia Dodô, a porta-bandeira do primeiro título da Portela

    Morreu, nesta terça-feira, Maria das Dores Alves, a Tia Dodô, da Portela. Ela estava internada desde o dia 22 de dezembro no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, em Acari, na Zona Norte do Rio, com quadro grave de desnutrição e desidratação, somados a um tipo de infecção não divulgado. No último sábado, Dodô completou 95 anos de idade. A informação foi confirmada pelo assessor do vice-presidente da Portela, Marcos Falcon. No Extra Sambistas já lamentam em suas redes sociais a morte da primeira porta-bandeira portelense. Selminha Sorriso, porta-bandeira da Beija-Flor, relatou que rezou muito pela recuperação de saúde da “Rainha linda Dodô”. Outro que lamentou a morte de Dodô foi Diogo Jesus, atual mestre-sala da Mocidade. O velório e enterro de Dodô será nesta quarta-feira no cemitério São João Batista, em Botafogo, na Zona Sul do Rio. A pedido da própria Dodô, nada será na quadra da escola. Ela repetiu diversas ...

    Leia mais
    blank

    Colorida, leve e luxuosa! Imperatriz levará ‘África moderna’ e combate ao racismo para a Sapucaí

    A Imperatriz Leopoldinense deu mais um passo importante para o Carnaval de 2015 na noite deste domingo. A Verde e Branca realizou, com portões abertos, a apresentação de seus protótipos para o desfile do ano que vem, com o enredo “AXÉ-NKENDA – Um ritual de liberdade”, desenvolvido por Cahê Rodrigues. Com uma grande mistura de luxo e cores, a escola segue compactuando com a proposta do carnavalesco de levar uma “África pop” para a Sapucaí.   Por:  RAFAEL ARANTES Para revelar os figurinos que levará para o Sambódromo no próximo carnaval, uma grande festa marcou a quadra da Imperatriz. Mesmo ainda em recuperação após o incidente da última semana, o carnavalesco Cahê Rodrigues marcou presença, mas não apresentou a cerimônia. A rainha de bateria Cris Vianna foi a responsável por liderar o evento. Uma temática afro foi responsável por decorar e embalar toda a festa. Com fantasias ricas e bastante ...

    Leia mais
    Página 7 de 8 1 6 7 8

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist