Intolerância religiosa, racismo, misoginia e homofobia serão temas de um dos carnavais mais politizados do Grupo Especial

Em 2020, mesmo enredos aparentemente menos engajados flertarão com questões contemporâneas

Por Rafael Galdo, Do O Globo

Hélio de la Peña, Carla Cristine e Nando Cunha vão desfilar no Salgueiro, que leva para a Avenida discussão sobre o racismo (Foto: Marcelo Theobald / Agência O Globo / Agência O Globo)

A imagem de Jesus pregado a uma cruz que chegará a 20 metros de altura, na Mangueira. Mulheres ativistas e o símbolo do feminismo estampado em fantasias da Viradouro. Um “planeta fome” na Mocidade. No Salgueiro, a homenagem a artistas negros que lutam contra o racismo. E, na Grande Rio, padres, pastores, pais e mães de santo juntos, numa alegoria para representar um terreiro de candomblé. Impassível ninguém ficará aos desfiles do Grupo Especial que começam hoje à noite na Sapucaí. Aprofundando um rumo trilhado nos últimos carnavais, o deste ano levará ao Sambódromo assuntos que fervilham na sociedade atual.

Será um cortejo de bandeiras sociais, recados à classe política e a signos que estão no centro dos debates do momento. Ainda haverá espaço para viagens a civilizações antigas e temas abstratos. No entanto, mesmo enredos aparentemente menos engajados flertarão com questões contemporâneas.

— A exuberância simbólica de uma escola de samba, onde o pobre vira um deus ou faz algo mágico, como uma compensação da realidade, é um fato político importante. Mas os assuntos cada vez mais sérios fazem dos desfiles uma crônica do cotidiano brasileiro, “rotinizam” mais o carnaval — afirma o antropólogo Roberto DaMatta.

O carnavalesco Leandro Vieira - homem negro, careca, vestindo calça jeans e camiseta- sentado sorrindo
A Mangueira do carnavalesco Leandro Vieira levará para a Avenida uma versão da vida de Cristo Foto: Leo Martins / Agência O Globo

Tolerância religiosa, sem dúvidas, será um dos apelos mais recorrentes. A versão mangueirense para a vida de Cristo — representado em diversas faces, como a de um negro ou de um indígena — reverbera uma das temáticas mais polêmicas dos últimos anos, como a que cercou a peça “O evangelho segundo Jesus Rainha do Céu”, encenada por uma atriz transexual. Nessa cadência, o próprio carnavalesco Leandro Vieira costuma ressaltar que todo artista é uma espécie de “esponja”, um radar das tramas que desenrolam à sua volta.

Santos católicos

A religião também atravessa as abordagens de outras escolas, mesmo quando não é o tema central do enredo. E, assim como a Mangueira, algumas delas, como Mocidade, Beija-Flor, Grande Rio e Viradouro, são apontadas como favoritas, numa disputa que promete ser acirrada. Só as imagens de diferentes santos católicos são reproduzidas nas alegorias de pelo menos sete agremiações.

Na União da Ilha, o abre-alas será uma favela hiperrealista, sobre a qual vai “flutuar” uma lua de cinco metros de diâmetro que se abrirá e revelará São Jorge, representado pelo carnavalesco Fran-Sérgio. Já a escultura do Cristo Redentor aparecerá na Tijuca. E, na Grande Rio, o homenageado é o pai de santo Joãozinho da Gomeia, com o último setor inteiro, chamado “O revoar da liberdade”, como um grito contra a intolerância religiosa, o racismo e a homofobia.

Uma lua de cinco metros de diâmetro se abrirá e revelará São Jorge sobre o abre-alas da União da Ilha (Foto: Imagem retirada do site O Globo )

— É um personagem que traz essas questões. Quantos não são os terreiros de candomblé atacados na Baixada Fluminense? — lembra o carnavalesco Leonardo Bora.

Sociólogo do Observatório de Carnaval da UFRJ, Mauro Cordeiro ressalta que essas escolhas não são aleatórias:

— O debate sobre religião, por exemplo, é central na cena pública do país e da cidade do Rio atualmente.

O pesquisador afirma ainda que, num cenário de crise no carnaval, as escolas tentam se reaproximar de seu público e das comunidades. Para ele, isso reflete não só nos enredos, mas também na repetição de cenas como as das favelas, que aparecem na Ilha, Tijuca, Mangueira e Mocidade.

A verde e branco da Zona Oeste, aliás, celebra Elza Soares, a principal personalidade homenageada este ano na Sapucaí. Ela própria encarna muitas das bandeiras que serão levadas à Sapucaí. E, no desfile da escola, aparecerão temas como racismo, feminicídio e misoginia, com a diva como porta-voz das mulheres e da população LGBT.

A Mocidade celebra Elza Soares (Foto: Raphael Vidal / Agência O Globo)

Já a questão ambiental aparecerá na Tijuca e na Portela. A São Clemente, que, desde 2019, retoma sua identidade crítica, tratará de fakenews, caixa 2 e “laranjas”.

— Somos a escola cômica do carnaval — afirma o carnavalesco Jorge Silveira.

Primeiro palhaço negro do país
O caminho da alegria também é o do Salgueiro para tratar de uma ferida exposta do Brasil. A escola celebrará Benjamin de Oliveira, que, entre muitos talentos, foi o primeiro palhaço negro do país. Através de sua história, discutirá o racismo, com a presença de dezenas de artistas negros, como Helio de la Peña, Nando Cunha e Carla Cristine Cardoso.

— Representaremos os “Benjamins” em busca de reconhecimento — diz Helio.

Nando completa:

— O Benjamin se apresentava com uma maquiagem branca no rosto, porque sua pele causava estranheza. O carnaval serve como voz potente para tratar do racismo. O mundo todo está lá para ver.

+ sobre o tema

O preconceito racial será abordado na série do Luke Cage

Jeph Loeb, chefe da divisão de TV da Marvel...

Yzalú: Alma Negra

Yzalú: Alma Negra. Confira a canção abaixo: ** ESTE ARTIGO...

Ludmilla vira empresária e lança linha de perucas em parceria com empresa dos EUA

Sucesso no mundo da música, Ludmilla vai virar empresária...

Adriana Alves mostra o rostinho de Olivia, sua filha com Olivier Anquier

Adriana Alves mostrou o rostinho de sua primeira filha...

para lembrar

Netflix cria setor pró-diversidade após demitir executivo por racismo

A Netflix contratou a executiva Verna Myers para o...

Alaíde Costa interpreta Chico Buarque e Edu Lobo no Sesc

Uma das vozes femininas mais importantes da música brasileira,...

“BAQUAQUA – Documento Dramático Extraordinário”

A Cia do Pássaro – Voo e Teatro e...
spot_imgspot_img

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais quando a artista subiu no palco principal do Coachella, na Califórnia, na tarde deste domingo, acompanhada...

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...

Comitê irá monitorar políticas contra violências a pessoas LGBTQIA+

O Brasil tem, a partir desta sexta-feira (5), um Comitê de Monitoramento da Estratégia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Pessoas LGBTQIA+, sigla para...
-+=