terça-feira, janeiro 26, 2021

Tag: Literatura africana

terra_sonambula

10 obras fundamentais da Literatura africana de língua portuguesa

por Sandro Brincher Literatura africana de língua portuguesa Já li em alguma antologia que toda seleção é ingrata. Ora, não é preciso lembrar que o objetivo das listas e das antologias não é nem justiça, nem equilíbrio. Elas refletem, afinal de contas, uma opinião em um determinado tempo sob certas influências teóricas ou metodológicas. O objetivo de toda lista – e aqui me refiro a uma lista bibliográfica – é oferecer um panorama de leitura, um primeiro empurrão, um norte aos interessados num determinado assunto. Proponho-me então, mui injusta e desequilibradamente, a apresentar uma lista pessoal de dez obras fundamentais das chamadas Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. Outra questão que se faz importante é essa pluralização do objeto: literaturas. Cada país da chamada lusofonia (o conjunto de países onde se fala Português) – termo que, vale frisar, não agrada a muita gente – tem sua própria história de colonização, suas ...

Leia mais

Escritor moçambicano Ungulani Ba Ka Khosa discute papel do negro na literatura mundial

A Biblioteca de São Paulo, espaço cultural do Governo de São Paulo administrado em parceria com a Poiesis - Organização Social de Cultura, promoverá um bate-papo sobre "O negro na literatura internacional" com o escritor moçambicano Ungulani Ba Ka Khosa, no dia 20 de novembro, das 15 às 17 horas. A mediação do encontro ficará a cargo de Carmen Tindó, doutora e professora de Literaturas Africanas na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Durante o evento, realizado no mesmo dia em que se celebra a Consciência Negra, Ungulani falará sobre a influência do negro na cena literária. "Nunca procurei a cor num escritor, mas identidades, fluxos literários representativos de parcelas deste mundo cada vez mais global", conta o escritor, quando perguntado sobre seus autores negros de referência. Na África, por exemplo, os espaços literários têm as línguas árabe, francesa, inglesa e portuguesa como grandes meios de expressão e tenta-se navegar ...

Leia mais
scassamo-289x300

Um olhar sobre as Literaturas Africanas de Língua Portuguesa

Por muito tempo, o continente africano foi visto, na menos pior das hipóteses, como um lugar exótico. Visão que foi amplamente difundida por Portugal, que, durante um longo período, teve o monopólio sobre alguns países africanos. Esse modo ocidental de entender a África contribuiu para que, ainda hoje, o discurso das “’estranhezas’ africanas” seja, erroneamente, reproduzido. Discurso este que se centraliza em classificar o africano por meio de estereótipos, desprezando, desse modo, a constituição do “homem humano”, termo tomado emprestado de Guimarães Rosa. Desde janeiro de 2003, quando entrou em vigor a lei nº 10.639, que torna obrigatório o ensino de Literatura, História e Culturas Africanas e Afro-Brasileiras nas escolas do Brasil, aumentou, significativamente, o número de pessoas que – estudiosas de Literaturas ou não – começou a nutrir certa curiosidade sobre essas Literaturas. Ainda bem que, para auxiliar aos curiosos, temos pesquisadores – como a Professora Doutora Laura Padilha- ...

Leia mais
Lendas da África Moderna

Lendas da África Moderna

Autoras: Heloisa Pires Lima Rosa Maria Tavares Andrade Ilustradora: Denise Nascimento Lendas da África Moderna 72 páginas - Apresentação: 21 x 28 isbn - 978-85-99306-50-5 - preço: R$ 39,50 As lendas nascem. Não se sabe ao certo se de ouvido a ouvido ou de boca a boca. Para que elas cresçam, basta alguém relatar um episódio heroico ou descrever um ser fora do comum. Da mesma forma, alguns feitos extraordinários que chegaram como notícias da moderna África logo se tornaram lenda no Brasil. Este livro apresenta lendas da África moderna que permitem ao leitor viajar e conhecer as belas histórias, cuja inspiração vem de Nelson Mandela, Wangari Maathai, a arte e os griôs do noroeste africano: - Madiba: a lenda viva! enfrenta a fera de pelo branco devoradora de gente de pele negra. Por isso ele se tornou quem se tornou. - A visionária menina Kikuiu reúne ...

Leia mais
Ondjaki Ndalu

Angolano Ondjaki Ndalu vence prémio brasileiro Jabuti na categoria juvenil

Ondjaki Ndalu é o primeiro autor angolano a ser distinguido com esta premiação. Luanda - O escritor angolano Ondjaki Ndalu de Almeida venceu, no Brasil, o prémio literário Jabuti na categoria juvenil, com o livro "Avó Dezanove e o Segredo do Soviético", publicado pela editora angolana Nzila em 2008. O prémio Jabuti é um dos mais prestigiados galardões literários brasileiro e é atribuído em 21 categorias. De acordo com uma nota de imprensa divuldada pela Angop, Ondjaki é o primeiro autor angolano a ser distinguido com este galardão. Já em Lisboa (Portugal), o escritor angolano apresenta quarta-feira a sua nova obra literária intitulada "Dentro de mim faz sul". A ser publicada pela Texto, do grupo editorial Leya-Angola, a obra será lançada também em Angola, ainda este mês. Fonte: África 21

Leia mais
Heroinas3

Angola: Heroínas sem Nome – O Livro da Paz da Mulher Angolana

Livro organizado pela moçambicana Paulina Chiziane e pela angolana Dya Kassembe, ambas escritoras, contém oitenta narrativas de mulheres angolanas que sobreviveram à guerra para contar as suas histórias de vida. por Pambazuka News A revista angolana África 21, diz que "Este livro fala da guerra, do desespero e da desilusão das sobreviventes, mas também do amor à vida debaixo de um céu coberto de pólvora". Um livro que inscreve na memória colectiva e na história de Angola, "Heroínas Sem Nome", actores periféricos cujas experiências de vida são quase sempre silenciadas pelo discurso oficial da história. Editado pela Nzila, pode ser encomendado à ONG, APN, Ajuda Popular da Noruega. Angola: Heroina sem Nome - Apresentação do livro - PDF

Leia mais
viriato_cruz01

Viriato da Cruz

Porto Amboim, Angola, 1928 - Pequim, China, 1973. Foi um dos mentores do Movimento dos Novos Intelectuais de Angola (1948) e da revista Mensagem (1951-1952). Foi membro-fundador e secretário-geral do MPLA. Dissidente deste movimento, esteve exilado em Portugal e noutros países europeus, fixando-se posteriormente na China. Viriato da Cruz teve grande importância no desenvolvimento da literatura angolana, caracterizando-se a sua obra pelo apego a certos valores africanos, quer quanto à temática, quer quanto à forma. A sua produção está dispersa por publicações periódicas e representada em várias antologias, das quais uma - No Reino de Caliban - reúne a sua obra poética. Obra Poética: Poemas, 1961, Lisboa, Casa dos Estudantes do Império. ________________________________________ Mamã negra (canto da esperança) (À memória do poeta haitiano Jacques Roumain) Tua presença, minha Mãe - drama vivo duma Raça, Drama de carne e sangue Que a Vida escreveu com a pena dos séculos! Pela tua ...

Leia mais
antonio_jacinto

Antonio Jacinto

Antonio Jacinto(Golungo Alto,28 de Setembro de 1924 - 23 de Junho de 1991) António Jacinto do Amaral Martins, realizou seus estudos liceais em Luanda. Foi empregado de escritório e técnico de contabilidade.Destacou-se como poeta e contista da geração Mensagem e, como membro do Movimento de Novos Intelectuais de Angola. tendo colaborado com produções suas em diversas publicações nomeadamente "Notícias do Bloqueio", "Itinerário", "O Brado Africano". Por questões políticas foi preso em 1960 sendo desterrado para Campo de do Tarrafal, em Cabo Verde, onde cumpriu pena até 1972, ano em que foi transferido para Lisboa sendo-lhe imposto o regime de liberdade condicional, por cinco anos. Em 1973 evadiu-se de Portugal e foi para Brazzaville, onde se juntou à guerrilha do MPLA. Após a independência de Angola foi co-fundador da União de Escritores Angolanos, e participou activamente na vida política e cultural angolana, sendo Ministro da Cultura de 1975 a 1978. Antonio ...

Leia mais
ruy-duarte-de-carvalho

Ruy Duarte de Carvalho

Ruy Duarte de Carvalho Biografia Nasceu em Santarém, Portugal, em 1941. Passou a infância e adolescência no sul de Angola, acompanhando o pai, aventureiro português caçador de elefantes, nas suas intinerâncias pelo deserto do namíbe. Regente agrícola, foi criador de ovelhas caracul, mais tarde estudou cinema em Londres e antropologia em Paris, doutorando-se com uma tese sobre os pescadores da Ilha de Luanda. É atualmente professor na Universidade de Luanda. Obra Poética: Chão de Oferta, 1972, Luanda, Culturang; A Decisão da Idade, 1976, Lisboa, Sá da Costa; Exercícios de Crueldade, 1978, Lisboa, Publicações Culturais Engrenagem; Sinais Misteriosos... Já Se Vê..., 1979, Lisboa, Ed. 70; Ondula, Savana Branca, 1982, Lisboa, Sá da Costa; Lavra Paralela, 1987, Luanda, União dos Escritores Angolanos; Hábito da Terra, 1988, Luanda, União dos Escritores Angolanos; Memória de Tanta Guerra (Antologia Poética), 1992, Lisboa, Vega; Ordem de Esquecimento, 1997, Lisboa, Livros Quetzal; Observação Direta, 2000, Lisboa, Edições ...

Leia mais
arlindo

Arlindo do Carmo Pires Barbeitos

Biografia Arlindo do Carmo Pires Barbeitos, nasceu em Catete, Província de Icolo e Bengo, Angola, em 24 de Dezembro de 1940. Em 1961, foi obrigado a fugir de seu país por motivos políticos. Foi para a França, Bélgica, Suíça, Alemanha, onde cursou Antropologia e Sociologia na Universidade de Frankfurt. Doutorou-se em Etnologia e foi professor na Universidade Livre de Berlim Ocidental e na Universidade de Angola, país ao qual regressou em 1975. A sua poesia tem reminiscências da poética tradicional africana, de tradição oral, e das poesias chinesa e japonesa. Obra Poética: Angola Angolê Angolema, 1975, Lisboa, Sá da Costa; Nzoji (Sonho), 1979, Lisboa, Sá da Costa; Fiapos de Sonho, 1990, Lisboa, Vega; Na Leveza do Luar Crescente, 1998, Lisboa, Editorial Caminho. ________________________________________ Amanheceu/quem diria amanheceu quem diria que inda agora hoje era ontem e que cacos ao longe não iam ser olhos de bicho quem diria que patos-bravos mergulhando ...

Leia mais

Angola e Moçambique Experiência Colonial e Territórios Literários

Resenha: Adriana Graciano Rita Chaves é uma potente voz no cenário acadêmico brasileiro. Raríssima combinação de excelência tanto em sua prática docente quanto de pesquisadora reitera a relevância de seu trabalho e a agudeza de seus olhares no impecável Angola e Moçambique Experiência Colonial e Territórios Literários publicado pelo Ateliê Editorial em 2005. A autora integra o corpo docente da Universidade de São Paulo onde leciona Literaturas Africanas de Língua Portuguesa e dirige o Centro de Estudos Portugueses. Além de ser pesquisadora associada do Centro de Estudos Afro-Asiáticos da Universidade Candido Mendes, também atuou como professora na Universidade Eduardo Mondlane durante dois anos. Sua obra inclui A Formação do Romance Angolano e a co-organização de Portanto... Pepetela, Literaturas em Movimento - Hibridismo Cultural e Exercício Crítico e Brasil/África: Como se o Mar Fosse Mentira. A breve, mas nem por isso menos precisa, apresentação de Benjamin Abdala Junior antecipa os pontos cardeais da trajetória percorrida pela professora ...

Leia mais
Página 4 de 4 1 3 4

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist