terça-feira, novembro 24, 2020

    Tag: Sueli Carneiro

    (Foto: Marcus Steinmayer)

    Golpes de caneta

    O projeto de Lei do Deputado Paulo Paim (PT-RS) que procura regular a disposição racial e étnica na TV, determinando quotas mínimas para negros e pardos em filmes e peças publicitárias motivou editorial do jornal A Folha de São Paulo de 02 de abril último sob o título Problemas de Raça.  Nesse, o jornal reconhece a sub-representação dos negros em filmes e peças publicitárias e a necessidade de se combater essa sub-representação mas adverte que a reversão desse quadro não pode se dar a "golpes de caneta" como parecer ser o entendimento do jornal sobre o referido projeto, sobretudo porquanto entende o jornal haver dificuldades para a implantação de políticas de ação afirmativa no Brasil em função da dificuldade de se definir quem seja negro Brasil sobretudo quando segundo o jornal, "Na verdade o projeto se refere a afro-descendentes . Se o termo deve ser entendido em sentido amplo, é ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    Realidade estatística, por Sueli Carneiro

    Em 21 de março último comemorou-se o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial. A revista Veja trouxe em relação ao tema a matéria ‘‘O apartheid daqui'', cuja chamada diz: ‘‘Pesquisa mostra que a educação dos negros no Brasil é pior que na África do Sul''. A matéria se inicia assim: ‘‘Acaba de sair do forno outra pesquisa sobre racismo no Brasil. Como as anteriores, o estudo, feito desta vez pelo Ipea, constata a situação de inferioridade econômica e social dos negros em relação aos brancos''. Por Sueli Carneiro O paradoxo dessa matéria está no fato de essa data ter sido instituída pela ONU em 1966 em repúdio ao massacre ocorrido, no mesmo ano, em Sharpeville, cidade da África do Sul, no qual, dos vinte mil negros que protestavam contra a ‘‘lei do passe'', 69 foram mortos e 186 feridos pelo exército sul-africano quando no Brasil experimentávamos o ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    Pelo direito de ser, por Sueli Carneiro

    Durante os anos de 1992 e 1993, a Federação Israelita de São Paulo, o Centro de Tradições Nordestinas e o Geledés Instituto da Mulher Negra receberam ameaças de grupos skinheads de São Paulo em geral, através de cartas, com toda sorte de impropérios sobre judeus, negros e nordestinos. Por Sueli Carneiro Chegaram a dar tiros no Centro de Tradições Nordestinos e em outros estados a violarem cemitérios judeus. E para os negros eles reservaram uma espécie de linchamento no qual o estudante negro Fábio Henrique Oliveira Santos foi espancado até a morte por 30 carecas em 1993. As três entidades-alvos articularam-se naquela oportunidade, para em ações unitárias, darem visibilidade á sociedade daquela violência, chamar a atenção das autoridades públicas e uma demonstração de que as minorias vítimas de racismo, discriminação e intolerância, podem e devem atuar juntas para combater a ascensão dessas ideologias intolerantes em nosso país. Essa articulação culminou ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    Vamos fazer política?

    O grande mestre se manifesta novamente e, como sempre, de forma lúcida, provocativa, convidando á reflexão. É Milton Santos, em entrevista á Folha de São Paulo de 08 de janeiro. Nela, ficamos sabendo que o medo do racismo nos fez perder um engenheiro, e paradoxalmente, nos deu, um dos mais importantes geógrafos do mundo, posto que sua família o aconselhou a desistir de estudar na Escola Politécnica por saber, que "os negros não eram bem recebidos na instituição."  Ele transita por diferentes temas, em especial sobre os males da globalização sobretudo no aprofundamento da exclusão social. E, em sendo ele, um dos raros intelectuais negros reconhecidos nacional e internacionalmente, a inevitável pergunta sobre a questão racial lhe é posta, mais especificamente, sobre a possibilidade de ter no Brasil reações muito violentas da parte dos negros em relação á situação em que eles se encontram, á qual ele responde serenamente: "Está ...

    Leia mais

    Falta o Congresso

    Registramos em nosso último artigo nessa coluna que embora insuficientes, iniciativas de enfrentamento das desigualdades raciais vem sendo implementadas pelo Executivo Federal e pelo Supremo Tribunal Federal, sendo que este último se coloca, nesse momento, na vanguarda da defesa de políticas afirmativas entendidas como um instrumento para dar substância ao princípio constitucional que prevê igualdade de oportunidades. Nada mais exemplar desse posicionamento do que o extraordinário artigo do presidente do STF, Marco Aurélio no Correio Braziliense de 20/12/2001. "Igualdade e as ações afirmativas." Por Sueli Carneiro Chama portanto a atenção a lentidão do Legislativo, para oferecer respostas concretas á sociedade sobre essa matéria. Esperam, há anos, por deliberação inúmeros projetos que poderiam alterar os padrões conhecidos de desigualdades raciais. Nos dias 24 e 25 de setembro de 2001 estiveram reunidas em Brasília, as organizações da sociedade civil: Articulação de Mulheres Brasileiras, Articulação de Organizações de Mulheres Negras, CEPIA, CFEMEA, Comunidade ...

    Leia mais
    sueli-carneiro-france

    Pobreza tem cor no Brasil, por Sueli Carneiro

    Pobreza tem cor no Brasil. E, existem dois Brasis. Por Sueli Carneiro Essa é a conclusão que se extrai do estudo "Desenvolvimento humano e desigualdades étnicas no Brasil: um retrato de final de século" apresentado pelo economista Marcelo Paixão, no II Foro Global sobre Desenvolvimento Humano, ocorrido nessa semana no Rio de Janeiro, conforme noticiado com destaque no dia 10 passado pelo Jornal O Globo em matérias de Flávia Oliveira e Mirian Leitão e já comentado anteriormente nessa coluna. Para Flávia Oliveira, "A desigualdade racial no Brasil é tão intensa que, se o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país levasse em conta apenas os dados da população branca, o país ocuparia a 48ª posição, a mesma da Costa Rica, no ranking de 174 países elaborado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Isso significa que, se brancos e negros tivessem as mesmas condições de vida, o país subiria 26 degraus ...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Os Negros e o Índice de Desenvolvimento Humano, por Sueli Carneiro

    Em julho passado, o presidente da Republica, Fernando Henrique Cardoso, reuniu-se com 14 governadores de estados da federação para o anúncio do Plano de Apoio aos Estados de Menor Desenvolvimento Humano, o IDH-14. Trata-se de um plano com recursos da ordem de R$ 11,5 bilhões, alçados de vários projetos governamentais, como o fundo de combate a pobreza, a serem aplicados em 14 estados cujo índice de desenvolvimento humano é considerado baixo. Por Sueli Carneiro Considerando os recursos previstos - mesmo que parte deles virtual - e a dimensão sócio-demográfica que poderá vir a alcançar, IDH-14 pode tornar-se o principal programa de políticas públicas de cunho social em áreas como juventude, trabalho infantil, programa de renda mínima, etc., e com indicação de um órgão executor, no caso, a Secretaria de Estado de Assistência Social, na pessoa da Sra. Wanda Engel Aduan. Entretanto, chama atenção no IDH-14 a ausência de políticas específicas ...

    Leia mais

    O matriarcado da miséria, por Sueli Carneiro

    De 01 a 03 de setembro, reuniram-se na cidade do Rio de Janeiro, 13 organizações de mulheres negras brasileiras para deliberarem sobre a participação das mulheres negras na III Conferência Mundial contra o Racismo, Xenofobia e formas Correlatas de Intolerância a se realizar no final de agosto de 2001 na África do Sul. Desta reunião nacional, organizada pelas ONGs Geledés Instituto da Mulher Negra de São Paulo, Criola, do Rio de Janeiro e Maria Mulher do Rio Grande do Sul, resultou uma declaração pró Conferência de Racismo que configura, o matriarcado da miséria que caracteriza as condições de vida das mulheres negras no Brasil. Por Sueli Carneiro Nesta declaração constata-se que a conjugação do racismo e o sexismo produzem sobre as mulheres negras uma espécie de asfixia social com desdobramentos negativos sobre todas as dimensões da vida. Esses se manifestam em seqüelas emocionais com danos à saúde mental e rebaixamento ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    Raça e educação por Sueli Carneiro

    Os estereótipos dos professores a respeito da educabilidade das crianças negras e pobres funcionam como profecias que se auto-realizam. Esses estereótipos estão na base de um sistema de mensagens que contribui a configurar a auto-estima das crianças. Essa parece ser uma área crucial de intervenção; já que não se destrói esse gargalo no sistema educacional brasileiro, continuará a funcionar um dos principais mecanismos de transmissão intergeracional das desigualdades raciais (Carlos Hasenbalg). Por Sueli Carneiro O racismo e a discriminação produzem exclusões no acesso à educação: nas possibilidades de adentrar e concluir os ciclos formais de escolaridade; de ver reconhecida e valorizada a diversidade das contribuições dos diferentes grupos étnicos e raciais e suas culturas no patrimônio da humanidade. O reconhecimento desse problema na sociedade brasileira vem promovendo o desenvolvimento de inúmeras ações pelas organizações negras e outras instituições da sociedade civil empenhadas na superação do racismo e das desigualdades raciais ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    Reparações e compilações – Sueli Carneiro

    O jornal O Tempo, de Belo Horizonte, procurou-me, esta semana, interessado no tema das reparações que está pautado internacionalmente em função da Conferência de Racismo, que ocorrerá na África do Sul em agosto de 2001. Por Sueli Carneiro O tema me traz à lembrança o extraordinário artigo ‘‘Dívida de Sangue'', de Rubens Ricupero, na Folha de S. Paulo, sobre a monstruosidade do tráfico negreiro que trouxe para as Américas em torno de 11,5 milhões de africanos, a grande maioria deles para o Brasil. Nele, Ricupero demonstra, por meio de textos do séculos 18, como o tráfico negreiro se constituiu a mola propulsora do desenvolvimento da Europa Ocidental e da América como ‘‘inexaurível fundo de riqueza e poder'' para essas nações, responsável ‘‘pela elevação do nível de vida de muitos europeus e americanos, ao mesmo tempo em que degradava a vida de numerosos negros escravizados''. A conclusão de Ricupero em relação ...

    Leia mais

    Miscigenação – Sueli Carneiro

    A miscigenação racial presente em nossa sociedade vem se prestando a diferentes usos políticos e ideológicos. Não é assunto que se possa esgotar em um artigo, dada a sua complexidade, mas, em tempos de novo recenseamento, vale a pena levantar alguns de seus aspectos.  Em primeiro lugar, a miscigenação vem dando suporte ao mito da democracia racial na medida em que o intercurso sexual entre brancos, indígenas e negros seria o principal indicativo de nossa tolerância racial, argumento que omite o estupro colonial praticado pelo colonizador sobre mulheres negras e indígenas, cuja extensão está sendo revelada pelas novas pesquisas genéticas que nos informam que 61% dos que se supõem brancos em nossa sociedade têm a marca de uma ascendente negra ou índia inscrita no DNA, na proporção de 28% e 33%, respectivamente. Por Sueli Carneiro no Jornal Correio Braziliense  - Coluna Opinião Em segundo lugar, a miscigenação tem se constituído ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    Rede de advogados contra o racismo

    Em alguns estados, iniciam-se programas jurídicos para atendimento às vítimas de práticas de racismo Por Sueli Carneiro Foto: Marcus Steinmeyer Em 5 de agosto último, na cidade de São Paulo, cerca de setenta advogados, entre eles professores universitários, juízes de direito, promotores de justiça, defensores públicos, negros e brancos, de vários estados da Federação, constituíram a Rede Nacional de Advogados e Operadores do Direito contra o Racismo e a Desigualdade Racial, num encontro nacional promovido pelo Geledés (Instituto da Mulher Negra de São Paulo) em parceria com o Escritório Nacional para Assuntos da População Negra Zumbi dos Palmares de Brasília e o Ceap (Centro de Articulação de Populações Marginalizadas do Rio de Janeiro), resultado de um longo processo de construção de uma perspectiva político-jurídica de enfrentamento das práticas discriminatórias presentes na sociedade a partir do enfoque legal. No início da década de 90, diversas entidades do Movimento Negro deram início aos ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    Brasil, EUA e África do Sul, por Sueli Carneiro

    Aconteceu de 29 de maio a 1º de junho deste ano, na Cidade do Cabo, África do Sul, o lançamento do relatório ‘‘Para Além do Racismo: Abraçando um Futuro Interdependente'', que contou em sua abertura com a presença de Nelson Mandela. Por Sueli Carneiro, no  Jornal Correio Braziliense- Coluna Opinião Foto:  Marcus Steinmeyer Esse relatório é uma das várias publicações produzidas pela Iniciativa Comparada de Relações Humanas, um projeto da Southern Education Foundation sob a coordenação da dra. Lynn Huntley, que consistiu num estudo comparativo que, durante quatro anos, investigou as relações raciais no Brasil, EUA e África do Sul. O projeto foi desenvolvido em parceria com instituições brasileiras e sul-africanas e enlaçou nessa tarefa pesquisadores, ativistas, personalidades, políticos e membros de governo, negros e brancos dos três países. A iniciativa partiu das seguintes constatações a respeito de Brasil, EUA e África do Sul: ‘‘Todos possuem um governo democrático; todos são ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    Por um tempo mais feminino, por Sueli Carneiro

    Aprendemos a administrar a escassez e, como Cristo, temos multiplicado o pão em nossas mesas. Milagres que os nossos economistas não sabem realizar Por Sueli Carneiro Foto: Marcus Steinmeyer Um novo milênio nos convida a balanços e o artigo de Marta Suplicy da última sexta-feira nos instiga, como velhas feministas, a revisitar a trajetória de luta das mulheres e a deixar para as novas gerações um registro do nosso tempo e sobretudo dos desafios que as jovens de hoje e de amanhã terão que enfrentar para a consolidação da eqüidade de gênero e de raça. A primeira angústia que nos atormenta é a pequena presença de mulheres jovens no movimento. Um baixo engajamento, típico de quem desconhece a privação de direitos, na proporção em que as gerações anteriores de mulheres experimentaram. Pensávamos que a esta altura do campeonato estaríamos todas articuladas, como numa corrida de bastão, em que as mais ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    A conferência sobre o racismo, por Sueli Carneiro

    A ONU decidiu convocar a III Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e as Formas Conexas de Intolerância, que será realizada em final de agosto de 2001 na África do Sul, com o objetivo de avaliar a situação dos países em relação a essas temáticas, bem como elaborar recomendações de políticas públicas para a erradicação dessas práticas e promoção e valorização das populações discriminadas do mundo. Ao longo dos anos 90, as várias conferências convocadas pela ONU deram visibilidade a problemas críticos de nosso tempo: meio ambiente e desenvolvimento (Rio, 1992); direitos humanos (Viena, 1993); população e desenvolvimento (Cairo, 1994); desenvolvimento social (Copenhague, 1995); mulher, desenvolvimento e paz (Beijing, 1995); habitação (Istambul, 1996). Essas conferências ampliaram a consciência mundial sobre tais questões e recomendaram aos Estados medidas para o seu equacionamento. Espera-se que a conferência da África do Sul possa produzir idênticos resultados, em relação aos ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    “Terra Nostra” só para os italianos, por Sueli Carneiro

    A mensagem subliminar é a de uma suposta resignação dos negros à escravidão  por Sueli Carneiro no Folha de São Paulo em 27 de Dezembro de 1999 Em um recente seminário em Brasília, o deputado Aloizio Mercadante comentou sobre o impacto positivo que a novela "Terra Nostra" tem tido sobre a auto-estima da comunidade italiana. Auto-estima que, de tão elevada, estaria promovendo a revitalização das festas tradicionais da comunidade. Os negros, ao contrário, permanecem se defrontando nessa novela com as questões básicas que envolvem as suas contradições com a mídia em geral: a invisibilidade ou a visibilidade perversa, recheada de estereótipos. O sociólogo Muniz Sodré diz que a TV brasileira está para o negro assim como o espelho está para o vampiro. O negro olha: não se reconhece, não se vê! Em "Terra Nostra", o barão do café pondera com seu contratador sobre a impossibilidade de abrigar os italianos nas senzalas ...

    Leia mais
    Página 12 de 12 1 11 12

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist