Bené, por Sueli Carneiro

Combinar os critérios de qualificação técnica com recorte de gênero e de raça é um risco e um desafio que, até o momento, apenas essa mulher, negra e ex-favelada, se dispõe a enfrentar. Coragem típica de quem teve que reescrever com dor e lágrimas o próprio destino.

Mulher, negra, ex-favelada assume pela primeira vez o governo do Rio de Janeiro. Essa foi a tônica das manchetes sobre a ascensão de Benedita da Silva ao governo do Rio. As ênfases na condição de raça, gênero e de classe da governadora é, por si só, exemplar do ineditismo de que o fato se reveste.

Para Millôr Fernandes, é preciso acabar com essa demagogia porque a favela do Chapéu Mangueira é favela de grã-fino, o slogan black is beautiful já superou a identificação entre negro e pobre e, a não ser como piada, ele nunca ouviu alguém ser contra mulher. Poderia e deveria ser simples assim, mas não é.

Na favela de grã-fino onde nasceu Benedita, as mulheres são estupradas aos 7 anos, perdem filhos por doenças evitáveis, abortam em condições subumanas e a fome é a rotina do cotidiano. Essa é a história de Benedita da Silva, que, segundo a deputada Heloneida Stuardt, ‘‘conseguiu ser mais forte que o seu destino”.

Um destino que condena a maioria daqueles que nascem e vivem sob essas condições à marginalidade, prostituição e toda sorte de degradação humana. Bené, como toda exceção, confirma a regra.

Diz Roberto da Matta que uma das características do sistema racial brasileiro é que ‘‘cada categoria racial conhece o seu lugar em uma hierarquia”. É essa ‘‘sabedoria”, aprendida em séculos de racismo e discriminação, que determina outras manchetes sobre o caso. Diz uma delas: ‘‘Nova governadora do Rio se transfere com o marido-ator para o endereço símbolo da riqueza carioca”.

Ou ‘‘primeira negra… se muda com o marido, o ator Antônio Pitanga, para o palácio construído no século passado pela família Guinle, a mais tradicional representante da elite carioca”. Sem dúvida, Benedita está ‘‘fora do seu lugar”.

Mais expressivas ainda são as reações em relação à montagem da equipe de governo. Dizem as manchetes: ‘‘Governadora coloca sete negros no primeiro escalão”. Outra diz: ‘‘Priorização da escolha pela raça”. São apenas sete negros nomeados num conjunto de 33 secretarias, mas parece já estar sendo considerado demais.

As reações foram imediatas: um dos leitores do jornal O Globo exige explicações sobre o critério ‘‘cor negra da pele” adotado pela governadora para a escolha de seu secretariado. E acrescenta: ‘‘Certamente se alguém afirmasse ter feito semelhante escolha priorizando ‘‘a cor branca da pele” já teria sofrido toda sorte de retaliações…”

O racismo é cruel. Ao instituir a superioridade de um grupo racial e a inferioridade de outro, gera diversas perversidades: a excelência e a competência passam a ser percebidas como atributos naturais do grupo racialmente dominante, o que naturaliza sua hegemonia em posto de mando e de poder.

Nunca ouvimos alguém se levantar – além da minoria de mulheres feministas ou militantes negros -, quando um secretariado é composto em sua totalidade por homens brancos. Encara-se como normal.

Não se coloca em questão se a competência ou a qualificação técnica foram devidamente contempladas nas nomeações. Menos ainda nos assustamos quando um engenheiro assume uma pasta da Cultura ou da Saúde. Entende-se que isso se deva às composições partidárias necessárias à governança. Ou, pior, em geral esses ‘‘seres superiores” são considerados ‘‘naturalmente” aptos, a despeito de sua formação ou trajetória profissional, para assumir qualquer cargo de poder.

O estranhamento se dá quando esse mundo inteligível ao qual nos habituamos sofre alguma alteração. E sobretudo quando ele muda por ações intencionais ditadas pelo princípio democrático de respeito à diversidade.

Os critérios adotados na montagem do secretariado foram, segundo Bené, ‘‘a experiência, a competência, a valorização do servidor de carreira, a inclusão de representantes da sociedade civil, e que todas essas questões tivessem um recorte de gênero e etnia, como foi um compromisso assumido pelo PT…”

Somente quem pertence a grupos historicamente discriminados sabe dos inúmeros negros, as incontáveis mulheres e homossexuais que deixam de ser lembrados para ocupar posições nas estruturas de poder por essa lógica de exclusão que o racismo e a discriminação determinam.

Combinar os critérios de qualificação técnica com recorte de gênero e de raça é a única maneira de romper com a lógica excludente que historicamente norteia as estruturas de poder do país e, sobretudo, é requisito para o aprofundamento e radicalização de uma perspectiva democrática no Brasil.

Um risco e um desafio que, até o momento, apenas essa mulher, negra e ex-favelada, se dispõe a enfrentar. Coragem típica de quem teve que reescrever com dor e lágrimas o próprio destino. Certamente ela pagará um alto preço pela ousadia. Que Deus a proteja porque os homens não terão complacência!

+ sobre o tema

“Todas Podem Mixar”: DJ Miria cria projeto para ensinar mulheres a arte da mixagem

Pra quem ainda não conhece, essa é a maravilhosa DJ...

“Nada assusta mais do que uma mulher trans negra com um diploma”

Em maio de 2013, Monica Jones, trabalhadora sexual e...

Mulheres negras enfrentam barreira maior no mercado de tecnologia

O Brasil tem mais negros (56%) e mulheres (52%),...

Aborto invisível

Mesmo nas circunstâncias em que é legal, interrupção da...

para lembrar

Veja as medidas do governo Lula para garantir os direitos das mulheres

Em cerimônia histórica, realizada  no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira, 8...

Antes de boicotar Elza Soares, repense o seu racismo

Por que tentar retirar a autonomia da "cantora do...

Oferecer ‘cura gay’ no país que mais mata LGBTs no mundo é reforçar ciclo de violência

"As chamadas terapias de 'reorientação sexual' produzem violências das mais...
spot_imgspot_img

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...
-+=