Meu irmão, meu limoeiro, por Sueli Carneiro

Ele era o príncipe encantado das jovens negras de minha geração. Belo, charmoso, irreverente e altivo. Nenhuma manifestação da subserviência que sempre se espera de um negro. Parecia que sua trajetória de sucesso seria infinita como seu talento e sua capacidade de mobilizar e encantar multidões com suas canções. A interpretação antológica de Meu limão, meu limoeiro, sacudindo todo Maracanãzinho ao reger uma orquestra de vozes de 50 mil pessoas com todo o swing, que Deus e os Orixás lhe deram, é inesquecível. O negro Simonal era demais!

Mas então aconteceu o impensável. O príncipe era um sapo, um dedo-duro a serviço da ditadura militar, responsável pelo martírio de companheiros de profissão nas mãos da repressão.

A destruição moral que se seguiu levou o astro ao isolamento, à perda de contratos, ao tratamento de portador de doença contagiosa e, finalmente, à morte. Segundo Ziraldo, ”ele era tolo, se achava o rei da cocada preta, coitado. E era mesmo. Era metido, insuportável. Morro de pena, ninguém merecia sofrer o que ele sofreu”.

Na verdade, o patrulhamento ideológico foi o solo fértil para a manifestação de sentimentos inconfessos: inveja, ressentimento, racismo e outros tantos que perseguem as celebridades sobretudo quando negras. A sua retirada de cena abriu espaços para a consolidação de talentos menores que seguem festejados e reverenciados enquanto a ele restou ser inocentado, post mortem, por crime que não cometeu. Segundo as matérias sobre o caso, ”a indisposição contra Simonal vinha de antes. Em julho de 69, o semanário de esquerda O Pasquim publicou entrevista de capa sob o título ‘Não sou racista’, em que acuava Simonal com perguntas sobre racismo e o fato de ele comer caviar e ter mordomo”. Foi exemplarmente punido pela petulância. Um filme recorrente na história de negros famosos. O goleiro Barbosa da seleção brasileira de 50 dizia que, ao contrário de um criminoso, sua pena era imprescritível. Pagou até o fim da vida, com o ostracismo e o desprezo, o erro atribuído exclusivamente a ele pela o gol do Uruguai que calou o Maracanã. Pelé foi execrado quando falou das criancinhas e conseguiu manifestações iradas à esquerda e à direita quando ousou dizer que negros deviam votar em negro.

Simonal era tolo, sim, como costumam ser príncipes, reis e cinderelas negros quando acreditam que basta ter talento e serem ”amigos dos homens” para gozar de alguma complacência. Esquecem que negros são suspeitos a priori para os quais se dispensa julgamento formal para serem condenados. Antônio Ribeiro Romanelli, advogado exilado do Brasil durante o regime militar, disse que ”Simonal foi julgado sem defesa pela mídia, o que acabou com ele não só como pessoa e artista, mas acabou com sua vida”.

Sobre o caso, disse Caetano Veloso: ”Assim que cheguei, os militares me interrogaram por seis horas e disseram nomes de artistas que os estariam ajudando com denúncias etc. Foram vários nomes. Eles queriam me amedrontar. O nome de Simonal estava entre eles”, afirma Caetano. ”Parecia estar sendo usado como um nome fácil de parecer crível.”

O que havia de crível nessa estória é o que sempre aguarda os negros, apesar dos mimos e salamaleques de que desfrutam do mundo branco enquanto estão em posição inatacável mas que dá lugar à virulência, a uma sede de destruição, a uma intolerância quase sempre desproporcional ao ”erro” cometido quando comparado às tolerâncias indisfarçadas ou acobertamentos em relação a crimes e delitos maiores praticados por outros. Aliás, fato compatível com o que já se sabe por estudos acadêmicos e empiricamente: réus negros recebem penas superiores à dos réus brancos para os mesmos crimes. Em muitos casos é desnecessária a existência do próprio crime.

No dia 13 de maio de 1988, vi pela primeira vez, cara a cara, o meu ídolo. Era passeata de contestação ao centenário da famigerada Lei Áurea. O cortejo saiu do Largo do Paissandu com destino à Praça da Sé. Lembro que a altura da Avenida Ipiranga com a Avenida São João, onde, segundo Caetano Veloso, ”alguma coisa acontece/no meu coração” . Ali estava Simonal, camisa de mangas compridas avermelhadas, sapatos de brilhos acanhados, rosto aparentemente inchado pela embriaguez gerada pelo ostracismo e o repúdio. Houve um alvoroço em torno dele. Uma parcela do Movimento Negro, refém do patrulhamento ideológico, endossava o seu criminoso prejulgamento. Prevaleceu a porção da consciência negra mais antenada – e contra o fratricídio estimulado – com o destino miserável dos negros artistas ou não. Essa militância garantiu a presença do Rei da Pilantragem (por ironia) no palco daquele evento.

É elogiável o ato da OAB, sobretudo, para seus talentosos herdeiros etnomusicais Simoninha e Max de Castro. Porém, trata-se de uma reparação irreparável, Simonal pagou com a própria vida. Foi martirizado. O mesmo destino não tiveram outros artistas brancos sobre os quais pesavam as mesmas suspeitas, encobertos pelo manto da cor da pele da impunidade hereditária.

O recado é claro. Há sempre algo à espreita, pronto para se manifestar ao menor deslize. A destruição moral, pessoal, política etc. é o início do processo de recondução ao seu ”devido lugar” a todos e todas que dele ousaram sair.

+ sobre o tema

Amores escravos e amores mestiços no Brasil do século XIX

Há poucas referências de cronistas estrangeiros aos casamentos entre...

SP: prefeitura abre centro para combater homofobia e promover cidadania LGBT

Equipe de pelo menos 20 profissionais, entre advogados, psicólogos...

Líderes negras abalam as estruturas do racismo

No Dia da Consciência Negra, conheça 10 profissionais que,...

Djokovic questiona igualdade salarial no tênis

Tenista sérvio entrou em polêmica sobre igualdade de gêneros Do...

para lembrar

“Não se pode defender apenas algumas igualdades”, pedem as feministas negras

Ainda “estamos na fase da infância” do feminismo negro...

O testamento de Judas é peça literária de grande criatividade

Gosto de ouvir testamento de Judas, cultura popular que...

I Seminário Biopolíticas e Mulheres Negras” acontece amanhã em Salvador

Será realizado amanhã (20), às 9h, na sede do...

Mulheres brancas ainda não sabem tratar do feminismo interseccional

* Texto orginalmente publicado no site For Harriet. Por  Jaimee...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=