sexta-feira, agosto 14, 2020

    Tag: Fatima Oliveira

    (Foto: João Godinho)

    Quem não tem senso de loção cria conflito de fragrâncias

    Por Fátima Oliveira A escola não pode consagrar a misoginia e o machismo Acabei de crer também que quem não tem senso de loção não educa ninguém. A Uniban deu atestado. Fala por si o título da nota paga - "Responsabilidade educacional - A educação se faz com atitude e não com complacência" - para "Desligar a aluna Geisy Vila Nova Arruda do quadro de alunos da instituição em razão do flagrante desrespeito aos princípios éticos, à dignidade acadêmica e à moralidade". Caetano assinou manifesto em defesa da moralidade da Uniban? Não creio! De qualquer modo, ninguém merece meu presidente! Poupando meu latim com quem não sabe usar vírgula e nem distinguir moral de ética, mas em nome delas expulsa uma aluna vítima de violência em suas dependências, classificar a nota da Uniban de expressão da moralidade taleban é ofensa inominável aos talebans, que têm direito à moralidade que escolheram ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Pare o mundo que eu quero descer pra virar lenda Brasil caiu no ranking de desigualdade entre os sexos

    Por: Fátima Oliveira Os assuntos são inúmeros. Deixam a gente zonza. Informação demais em algum momento nos exaure. Mas muvuca pouca é besteira. A vida política do país está uma zoeira só. Em horas assim tenho vontade de sumir e virar lenda. Em nome da honestidade intelectual digo que está difícil demais focar em apenas um assunto para palpitar. Tentar, até que tentei. "O Brasil caiu nove posições no ranking global de desigualdade entre os sexos organizado pelo Fórum Econômico Mundial, ocupando a 82ª posição entre 136 países." Piorou demais. Em 2006, o Brasil ocupava a 67ª posição; em 2007, a 74ª; e, em 2008, a 73ª. As principais razões apontadas para a queda em 2009 foram a diferença de renda obtida pelo mesmo tipo de trabalho de acordo com o gênero (da 100ª para a 114ª colocação) e a queda da renda estimada anual (da 54ª para a 69ª ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Dilema linguístico: entre valer ou não uma pitomba

    por: Fátima Oliveira - Conversava com uma amiga quando soltei que alguém não valia uma pitomba, então nada de perder tempo com o dito cujo. Ela indagou: "O que é valer ou não uma pitomba?" Às vezes falo coisas de difícil entendimento pra gente brasileira "não-nordestina-maranhense". No Brasil, os dialetos, como as culturas, são inúmeros. Minha amiga é da América Central. Há quase meio século em Beagá, às vezes fala portunhol-mineirês (dose, não?). Apelo para o "espacio" (falar devagar). Mas ela não sabe pedir "espacio" e dana a perguntar tanto que canso... Após umas três cervejas, personificamos tragédias gregas e quase não consegui descrever uma pitomba! Acabei falando de Pitombeira, que é um lugar, antes da pitombeira - árvore grande e frondosa, da mesma família da jabuticaba... Como não conhecia, se já comi pitomba em Beagá?! A pitomba é uma baga... E ela: "Baga?!" E eu: "Baga... Não sabe? Ora ...

    Leia mais
    Foto: João Godinho

    A Geni do Nobel da Paz atende pelo nome de Barack Obama

    Fonte: O Tempo - Por: Fátima Oliveira - "De tudo que é nego torto/ Do mangue e do cais do porto/ Ela já foi namorada/ O seu corpo é dos errantes/ Dos cegos, dos retirantes/ É de quem não tem mais nada."   São versos de qual música? E os seguintes: "Joga pedra na Geni/ Joga bosta na Geni/ Ela é feita pra apanhar/ Ela é boa de cuspir/ Ela dá pra qualquer um/ Maldita Geni." Versos de "Geni e o Zepelim", de Chico Buarque, 1978. Perfeita para Obama! Ouvindo-a, entende-se porque ele virou a Geni do Nobel da Paz. Até parece que o Nobel da Paz emerge de uma eleição ou consenso mundial! Ou é um dado matemático? É piração demais pra minha beleza e a mais completa tradução da rebimboca da parafuseta! Conforme a Fundação Nobel, "O prêmio Nobel da Paz é quase sempre atribuído a pessoas ou ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    O fetiche das tecnologias de comunicação contemporâneas

    Sou do tempo das cavernas. Tudo porque não tenho celular por: Fátima Oliveira Usufruo bastante das benesses tecnológicas da contemporaneidade, que considero essenciais ao meu modo de estar no mundo. Todavia, de uns tempos para cá, tenho a impressão de que, para algumas pessoas, sou do tempo das cavernas. Tudo porque não tenho celular! Nada de ludita. Apenas defendo para meu consumo pessoal o uso racional da tecnologia - uma subjetividade e um modo de simplificar minha vida. Todavia, para muita gente, é estranhíssimo eu não ter celular. "Você está sem celular, né?" Nããão! Não é que estou sem, é que não tenho! Já tive e enjoei. Era um desassossego. Há alguns anos, meu celular foi levado por um garoto na porta do meu prédio. Era Semana Santa e minha filharada toda estava viajando (alguém numa família precisa dar duro, é o esperado...). No sábado de Aleluia, eu chegava do ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    A anemia falciforme revela os legados de nossos ancestrais

    Fonte: O Tempo - por Fátima Oliveira - Em curso em Belo Horizonte (de 3 a 7 de outubro) dois eventos sobre saúde da população negra: o 5º Simpósio Brasileiro de Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias e o Encontro Pan-Americano para Doença Falciforme (Opas/OMS). O enfoque de ambos é a discussão e socialização de práticas inovadoras em relação aos aspectos científicos, clínicos e assistenciais do tratamento e acompanhamento das pessoas com doença falciforme e talassemia. Conforme as unidades de doenças não infecciosas, gênero e etnicidade da Organização Pan-Americana de Saúde, "a doença falciforme é um problema de saúde de origem genética que afeta a população afrodescendente em todo o mundo. Tanto o seu tratamento quanto a sua prevenção têm recebido pouca atenção das autoridades de saúde na região, o que gera morte prematura e deficiência aos acometidos, devido à falta de informação e controle apropriado. Para mudar esse cenário, é ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Manifesto 2009: pelo direito de decidir das mulheres

    É odioso satanizar quem não deseja a maternidade Fonte: O tempo Por Fátima Oliveira A liberdade reprodutiva das mulheres é violada de diferentes formas nos países que conservam a excrescência imoral e antidemocrática de criminalizar o aborto, onde também são gritantes as violações aos direitos sexuais - a antiga pretensão de impedir o direito ao prazer. Um governo que aceita passivamente que um procedimento médico seguro, como o abortamento, seja proibido e criminalizado num país em que o aborto seguro é um privilégio de classe, como no Brasil, merece que nome? A campanha 28 de Setembro - Dia pela Despenalização do Aborto na América Latina e Caribe lançou o Manifesto 2009, no qual consta que "milhões de mulheres em todo o mundo continuam a sofrer graves lesões e traumas e mais de 66 mil morrem a cada ano em abortos inseguros, e outras são criminalizadas ou presas". O Manifesto 2009 ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    As saudades do paladar são memórias culturais eternizadas

    Fonte: O Tempo - A comida é uma das expressões culturais mais expressivas de um povo, só comparável à língua, pois eterniza costumes, afetos e história. Dos lugares que conheço, a comida local é a imagem mais forte. Não faço cara de nojo diante de alimentos feitos de modo diferente ao que estou acostumada. E mais, quando sinto saudade, sinto fome de comer algumas coisas à moda da minha mãe ou da minha avó, cozinheiras eméritas... Por Fátima Oliveira Metida a gourmet, considero o preconceito contra o paladar odiento. Por anos travei uma guerrilha surda para manter viva em minha casa a cozinha maranhense, a sertaneja e a do litoral. Por circunstâncias da vida, aprendi muito da arte culinária e nichos de ecogastronomia de outros Estados do país. Cada lugar tem seu estilo culinário - o modo de fazer alimentos comuns, como o arroz, o feijão, as carnes e os peixes. ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    As presidenciáveis e seus problemas: deixa o trem arder

    Por Fátima Oliveira - As disponíveis na praça são todas mulheres difíceis O título é inspirado num livro que li em meu tempo de Colégio Colinense: "A Moça e seus Problemas" (Haroldo Shryock). Era leitura compulsória para "as meninas da Casa do Estudante". Datado de 1954, é uma lavagem cerebral contra os prazeres do parque de diversão que é o nosso corpo. Odiei. Desde sempre, curto estados de paixão, ao contrário das moças de fino trato. Pula! As presidenciáveis da praça são, todas, mulheres difíceis - que mandam em suas vidas. Gosto! "Pero", estou de tocaia. Matutando. Há homens amigos das mulheres e mulheres inimigas das mulheres. É assuntar. Deixei de votar em quem criminaliza o aborto e em quem fica em cima do muro, tucanamente, como Lula, em quem sempre votei. Nada mais plumagem de tucano do que Lula no tema aborto. Dá uma no cravo e outra na ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    De pegada carbônica, filosofia slow food e ecogastronomia

    Há muita gente insatisfeita com o tipo de vida que leva Por Fátima Oliveira Eu não imaginava que o impacto do artigo "Pelo nosso futuro comum: audite o lixo e use ecossacolas" (Opinião, 11.8), tivesse como eixo a referência a três temas, a saber: pegada carbônica, filosofia slow food e ecogastronomia. Pontuando que não sou um poço de sabedoria nos assuntos mencionados, apenas uma curiosa aprendiz, fiquei impressionada e feliz com os muitos e-mails recebidos com mil e uma indagações.   Há muita gente interessada em trilhar outros caminhos em busca de um padrão de vida mais condizente com a ecologia humana, sobretudo porque está asfixiada e insatisfeita com o tipo de vida que leva. É possível superar a dicotomia ser humano X natureza com a inclusão da dimensão humana aos ecossistemas naturais, em diferentes lugares, tanto urbanos como rurais. Nem sempre é preciso virar bicho-grilo e ir morar nas ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Os Kennedy, seres mágicos e canonizados do Olimpo?

    Fonte: O Tempo - Desde criança sou voeirista da saga dos Kennedys. Talvez uma herança. Papai, que era vereador, era fascinado pelo John Fitzgerald Kennedy (JFK). Eu e meu irmão Gil, apelidado Gil de Ferran, a que chamo de Deda, herdamos de papai o gosto pela política. Falar sobre os Kennedy é um pouco rememorar papai, leitor compulsivo. Na Palestina, onde nasci, um povoado num vale do sertão perdido no meio do nada, hoje Graça Aranha (MA), havia fila para ler as revistas "Seleções" e "O Cruzeiro" de papai! Por Fátima Oliveira Ouvi no rádio, caladinha sentada ao lado de papai, a notícia do assassinato de JFK (22.11.1963). Foi a última vez em que falei com meu pai, que viajou no dia seguinte e faleceu cinco dias depois (27.11.1963). Sei que os Kennedys não são "a última coca-cola do deserto", mas são democratas desde que seus ancestrais irlandeses, no século ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Sociopatas não são doentes, seus crimes devem ser punidos

    Fonte: O Tempo   É preciso desnudar coisas impensáveis e indizíveis na RHA Por Fátima Oliveira A prisão por acusações de atentados violentos ao pudor, abusos sexuais e estupros e a suspensão do registro médico de Roger Abdelmassih, 65 anos - originalmente urologista, dono de uma das mais famosas clínicas de bebê de proveta do mundo, a Clínica e Centro de Pesquisa em Reprodução Humana Roger Abdelmassih, em São Paulo -, é a ponta do iceberg para desnudar coisas impensáveis e indizíveis, tanto técnicas quanto éticas, na Reprodução Humana Assistida (RHA). Quando um(a) médico(a) é acusado de práticas que ferem normas de convivência social, provoca ira coletiva. Desde Hipócrates, há uma conduta a respeitar sempre: a relação médico-paciente, alicerçada na confiança da sociedade nas mãos de quem entregamos o bem mais precioso, a própria vida. Desde quando uma ex-funcionária do dr. Roger declarou ao Ministério Público de São Paulo que ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Alguém ainda se lembra da deliciosa água de quartinha?

    por: Fátima Oliveira - Em meio à azáfama cotidiana, uma amiga indagou se poderíamos almoçar dali a dois dias. Pinçando minha lânguida preguicite pós-almoço, negociei jantar. Sou firme contra almoçar fora. Nem convido para almoços em minha casa, pois não abro mão de fazer a sesta. Então, depois de virar matuta... Ao que ela pontuou: "depois de virar matuta, não! Sempre fui. Assim nasci. A matutice é um estado de espírito". Por anos, foi uma caipira que estava cosmopolita - morou em Londres, Nova York, Paris e em Sampa. Dona do seu tempo, estava em Beagá e, no dia seguinte, almoçaria numa cantina do Bexiga. "É para matar a saudade, pois Sampa em minha idade só em raras doses homeopáticas". Mostrou-me um brilhante no dedo e, toda zen, murmurou: "tá vendo o brilhantão? É o fa-le-ci-do! Quem diria que aquela rabugice toda daria um belo anel? Baita homenagem, né?" Are ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Pelo nosso futuro comum: audite o lixo e use ecossacolas

    Fonte: O Tempo - Uma leitora indagou como não descartar lixo em sacos e sacolas de plástico. E não imaginava que eu fosse "verdosa". Para começo de conversa, fora a coleta seletiva, a reciclagem e a compostagem, só saco de lixo ecológico. Aos trancos, estou aprendiz em auditar meu lixo. Nem chego a ambientalista, imagine a ecologista ou ecóloga! por: Fátima Oliveira Reverencio a sociobiodiversidade, o ativismo ecológico e a filosofia "slow food": prazeres da ecogastronomia, em contraposição ao "fast food"; aprendo com o conceito de "food miles": a "pegada carbônica" dos alimentos (como são transportados e produzidos); aprecio a filosofia da vida simples, a simplicidade voluntária, como estilo de vida; e tento ser consumidora consciente, reduzindo compras de supérfluos. Em casa, dizem que virei mi-se-rá-vel! Aspiro desplastificar minha vida dispensando sacolas plásticas. Zenzice? Sabedoria ou ranhetice da velhice? No último Dia Mundial dos Oceanos, 8 de junho, foi dito ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Da encarnação do verme à partida do verme encarnado

    Há gente que perde a chance de morrer velho honrado por: Fátima de Oliveira   Meu avô Braulino dizia que só aspirava morrer honrado. Fascinada, acreditava que era um desejo da sabedoria da velhice. Engano. Há gente que perde a chance de morrer velho honrado! Não é meu estilo chutar metamorfoses ambulantes nauseabundas, como o patriarca que arriscou a maquiada biografia por um ar de honradez para seu infecto clã, mas seria covardia calar. Em "O Sermão do bom ladrão", o padre Antônio Vieira diz: "os ladrões que mais própria e dignamente merecem este título são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e legiões, ou o governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais já com manha, já com força, roubam e despojam os povos". Vieira profetizou que o clã Sarney surgiria na política: "No Maranhão, a corte da mentira. O galante apólogo do diabo. O ...

    Leia mais
    Foto: João Godinho

    A gripe suína sem black-tie exige velhos acertos de contas

    Fonte: O Tempo - Há leitos inativos suficientes para suprir a demanda por: Fátima de Oliveira O governo Lula navega bem na atenção à gripe suína. Preparou-se para tanto: Plano de Contingência para a Pandemia Influenza (2005). A PBH tem sido exemplar no gerenciamento local da pandemia, mas há muita quilometragem a vencer. Do lugar de cumpridora de normas sanitárias, coordenando o plantão de 27 de abril, quando a biossegurança da UFMG comunicou, na metade da manhã, que receberíamos os dois primeiros casos suspeitos de gripe suína, não tive dúvidas: acionei o jamais usado "protocolo gripe aviária". Foi automático, parecia rotina! O protocolo de atenção à gripe aviária foi definido pelo Ministério da Saúde (MS) em 2005. Investiu uma fortuna numa anunciada epidemia, que não veio. Dinheiro jogado fora? Desde quando prevenção não é investimento responsável? Foi uma cartada de mestre do MS, e Beagá respondeu com prontidão ao investimento ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Fim da espetacularização: a influenza A sem black-tie

    Fonte: O Tempo - por: Fátima de Oliveira Às solicitações para escrever sobre a H1N1, influenza A, resisti enquanto durou a espetacularização da doença. Não opino em momento de crise sanitária para não correr o risco de involuntariamente atropelar as autoridades sanitárias. O manejo da epidemia no Brasil tem sido competente. Meus cumprimentos! Do lugar de formadora de opinião, sigo a ética da responsabilidade ao discorrer sobre qualquer tema. Sei exatamente qual é o meu lugar numa epidemia: fazer a parte que me toca na atenção, segundo mandam as autoridades responsáveis pelo bem-estar comum. São delas o papel e o lugar, pois detêm a mirada global e a responsabilidade da atenção. Cabe aos serviços e profissionais de saúde o cumprimento do dever da atenção condigna. Acabou-se o frege de black-tie! Quase três meses após diagnosticados os primeiros casos, a transmissão do vírus tornou-se sustentada no Brasil - como na Argentina, ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Saco é um saco – pro planeta, pro futuro e pra você

    Fonte: O Tempo - por: Fátima de Oliveira Um chamado ao "Pensar global e agir local" de grande impacto ambiental, se pegar, foi lançado pelo Ministério do Meio Ambiente em 23 de junho passado. Falo da campanha "Saco é um saco", no âmbito do consumo sustentável - eixo do processo de Marrakech do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), que incentiva ações de mudanças na produção e no consumo. "Saco é um saco" visa sensibilizar para o consumo consciente do uso de sacos e sacolas de plásticos - em feiras, farmácias, supermercados e todo o comércio varejista - com vistas a reduzir o consumo, estimado em 12 bilhões anuais de sacolas plásticas no país. Sacos e sacolas de plásticos são feitos de resina sintética derivada do petróleo, que não é biodegradável e leva séculos intacta na natureza. Sacolas de supermercado são feitas de "plástico filme" (polietileno de ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Sobre ir em frente: fragilidades e fortalezas; também traições

    Fonte: O Tempo - por: Fátima de Oliveira Chega de migalhas dos banquetes dos opressores...   "Escutem, eu sou um negro chamado Barack Obama, que está disputando a Presidência, não vão querer me dizer que eu não sou forte o bastante!" - pronunciamento de campanha de Obama, em resposta às alusões que ele era o máximo em tudo, mas não era forte o bastante para ser presidente dos Estados Unidos. A frase é a propósito da nota sem eira nem beira emitida pela Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), intitulada "Nota de esclarecimento - Estatuto da Igualdade Racial", na tentativa de se justificar e o escambau para bater contra o "Manifesto em defesa dos direitos e da autonomia política da população negra" (26.6.2009), elaborado durante a 2ª Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Brasília, 25 a 28.6.2009). Se há coisa que me mata de vergonha é ler ...

    Leia mais
    (Foto: João Godinho)

    Sobre talentos e celebridades que apenas a morte santifica

    Fonte: O Tempo por: Fátima de Oliveira Pense numa pessoa de sorte! É o patriarca José Sarney. Ô, bicho que tem poder! Tem Lula aos seus pés. Não é sorte, é po-der! Mas vai ficar devendo mesmo é a Michael Jackson... São tantos os assuntos instigantes na última semana que não consigo escolher sobre qual palpitar... Se o mais sensato é "passar", ou seguir o provérbio: "Ao falar, procura que tuas palavras sejam melhores que o silêncio". Prometi ao meu eu profundo não falar sobre Michael Jackson, de quem a rigor nunca fui fã. Talvez por ignorância musical pop; por não entender sua arte, o talento e o encanto que fluíam de suas performances. Não resisti. A overdose midiática da morte do pop star empanou a gripe suína, a doença da presidenciável Dilma e o mangue do Senado, onde Sarney está pulando mais do que cancão de fogo. Bendita morte ...

    Leia mais
    Página 17 de 18 1 16 17 18

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist