Sobre ir em frente: fragilidades e fortalezas; também traições

Fonte: O Tempo –

por: Fátima de Oliveira

Chega de migalhas dos banquetes dos opressores…

 

“Escutem, eu sou um negro chamado Barack Obama, que está disputando a Presidência, não vão querer me dizer que eu não sou forte o bastante!” – pronunciamento de campanha de Obama, em resposta às alusões que ele era o máximo em tudo, mas não era forte o bastante para ser presidente dos Estados Unidos.

A frase é a propósito da nota sem eira nem beira emitida pela Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), intitulada “Nota de esclarecimento – Estatuto da Igualdade Racial”, na tentativa de se justificar e o escambau para bater contra o “Manifesto em defesa dos direitos e da autonomia política da população negra” (26.6.2009), elaborado durante a 2ª Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Brasília, 25 a 28.6.2009).

Se há coisa que me mata de vergonha é ler um texto como o da Seppir, que expõe, com todas as letras, que há negros ganhando um bom dinheiro em seus bons empregos na Esplanada dos Ministérios e que se amesquinham e se besuntam no desfrute do elogio da traição, cuspindo num instrumento amplo de equidade e justiça racial, como era a ideia original do senador Paulo Paim (PT-RS). O substitutivo é um engodo.

Afogo-me na tristeza ao constatar que o governo no qual votei não treme as entranhas para dizer que “a supressão do fundo (Fundo Nacional da Promoção da Igualdade Racial) deu-se em virtude da crescente destinação de recursos para implementação de políticas afirmativas”. É inqualificável que um ministro negro diga amém a tamanha tergiversação! A peleja sobre o Fundo é antiga. Remonta a 2005…

Lá se vão quatro anos de uma entrevista que concedi a Jamile Chequer, do IbaseNet: “Por que ainda temos entraves? Porque o racismo é uma erva daninha cujo combate não é simples e nem é fácil. Exige que propostas se tornem propósitos políticos em forma de linhas orçamentárias específicas. Não se supera o racismo por decreto e nem apenas com boa vontade. Há entraves racistas estruturais e conjunturais.

O do momento é a recusa do governo brasileiro em avançar rumo à democratização do Estado. Por exemplo, não referendar o Fundo Nacional de Promoção da Igualdade Racial proposto no Estatuto da Igualdade Racial, de autoria do senador Paulo Paim, expressa o que mesmo, a não ser uma mentalidade racista?

Como acreditar na boa-fé se o governo, que diz apoiar o Estatuto, se nega a conferir lastro financeiro específico para a implementação de políticas antirracistas? O que causa espanto é que a proposta prevê que o Fundo seja composto por recursos contidos na Lei Orçamentária da União, oriundos de 125 milésimos das receitas correntes da União, excluídas as transferências para os Estados, o Distrito Federal e os municípios e as receitas tributárias; 1% do prêmio líquido dos concursos de prognósticos; transferências voluntárias dos Estados, do DF e dos municípios; custas judiciais arrecadadas em processos que envolvem discriminação racial ou racismo; e de doações. Penso que a recusa é uma explicitação de que se considera recursos públicos como algo privado, que o governante do momento pode dispor ao seu bel-prazer”.

Relembro que o Estado brasileiro e suas classes dominantes, ambos de tradição escravocrata, são pautados pela intolerância para com a diversidade racial; então, urge que tenhamos um instrumento legal complementar à Constituição Federal que reflita a essência da justiça racial: reparação. Chega de migalhas dos banquetes dos opressores, de direita e de esquerda!

Matéria original: Sobre ir em frente: fragilidades e fortalezas; também traições

+ sobre o tema

Salve Zumbi e João Cândido, o mestre sala dos mares

Por Olívia Santana   Há 15 anos, após uma grande marcha...

Olimpíadas de Tóquio devem ser novo marca na luta por igualdade

Os Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968,...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

para lembrar

Dez juristas internacionais denunciam “injustiça e parcialidade”no caso Lula

Por meio de uma carta, grupo formado por renomados...

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Boaventura de Sousa Santos – Terceira Carta às Esquerdas

As novas mobilizações e militâncias políticas por causas historicamente...

Dizem que `num´pega, mas um dia ainda vão aprender que pega

Domingo passado, folheando revistas velhas, bati o olho numa...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=