Os Kennedy, seres mágicos e canonizados do Olimpo?

Fonte: O Tempo –

Desde criança sou voeirista da saga dos Kennedys. Talvez uma herança. Papai, que era vereador, era fascinado pelo John Fitzgerald Kennedy (JFK). Eu e meu irmão Gil, apelidado Gil de Ferran, a que chamo de Deda, herdamos de papai o gosto pela política. Falar sobre os Kennedy é um pouco rememorar papai, leitor compulsivo. Na Palestina, onde nasci, um povoado num vale do sertão perdido no meio do nada, hoje Graça Aranha (MA), havia fila para ler as revistas “Seleções” e “O Cruzeiro” de papai!

Por Fátima Oliveira

Ouvi no rádio, caladinha sentada ao lado de papai, a notícia do assassinato de JFK (22.11.1963). Foi a última vez em que falei com meu pai, que viajou no dia seguinte e faleceu cinco dias depois (27.11.1963). Sei que os Kennedys não são “a última coca-cola do deserto”, mas são democratas desde que seus ancestrais irlandeses, no século 19, vieram “fazer a América”. Credencial respeitável.

Em “Os Kennedys: a realeza americana”, Adriana Maximiliano diz que “eles enriqueceram enquanto o mundo ruía, conquistaram o Senado, a Casa Branca e inúmeras beldades de Hollywood. Não fossem as tragédias que assombram sua história, os Kennedys seriam uma família invejável”. Porém, na vida pessoal eram “cafajestes e irresistíveis” e “a corte do rei Arthur e a família Kennedy têm muito em comum”. Daí o mito de Camelot – lendário castelo, sede da corte do rei Arthur, onde havia num salão uma enorme mesa, a Távola Redonda, para “les chevaliers de la table ronde”, responsáveis pela busca do santo graal.

Na campanha de Obama, os Kennedy emergiram com a aura que os cerca, materializados no artigo de Caroline Kennedy: “Barack Obama: um presidente como meu pai” (28.1.08) e na figura do senador Ted Kennedy (1932-2009), o “leão liberal do Senado”/”o príncipe da dinastia Kennedy”, cujo apoio a Obama foi decisivo.

Até então, para mim o senador era o caso Chappaquiddick (ilha descolada de outras), quando perdeu o controle do seu Oldsmobile numa ponte e mergulhou no rio (18.06.1969).

Presume-se que sua acompanhante, Mary Jo Kopechne, morreu afogada. Ela era professora e foi ativista na campanha presidencial de Bob Kennedy (1968). Diziam que era um affaire de Ted, à época casado com Joan, que só comunicou o acidente às autoridades dez horas depois. Negou embriaguez. Participantes da festa disseram o contrário. Foi condenado por dirigir de modo negligente, mas foi inocentado pela morte de Mary Jo. Em Chappaquiddick ele enterrou a chance de ser presidente dos EUA e inspirou uma publicidade da Volkswagen na revista “National Lampoon”: um fusca flutuando sobre a água, com os dizeres: “If Ted Kennedy drove a Volkswagen, he’d be President today” (Se Ted Kennedy dirigisse um Volkswagen, ele seria presidente hoje).

Em 1991, quando seu sobrinho William Kennedy Smith, filho de John Kennedy, foi acusado de estupro em Palm Beach (foi julgado e absolvido), Ted e um filho estavam na cena do suposto crime. O senador, no maior porre. Alguns jornais o descreveram correndo bêbado de cuecas na praia.

Como disse Lucas Mendes: “No Senado rugia, na vida pessoal prevaricava”. Foi senador durante quase meio século (1962-2009), exatos 47 anos, e fazia bonito na política: votou contra as intervenções militares norte-americanas; foi contra a ditadura no Chile, o apartheid na África do Sul e a guerra do Vietnã. No cenário doméstico, defendeu as cotas raciais, os direitos de imigrantes e fez da cobertura universal do direito à saúde a sua eterna e mais cara bandeira.

Matéria original

+ sobre o tema

Salve Zumbi e João Cândido, o mestre sala dos mares

Por Olívia Santana   Há 15 anos, após uma grande marcha...

Olimpíadas de Tóquio devem ser novo marca na luta por igualdade

Os Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968,...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

para lembrar

Dez juristas internacionais denunciam “injustiça e parcialidade”no caso Lula

Por meio de uma carta, grupo formado por renomados...

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Boaventura de Sousa Santos – Terceira Carta às Esquerdas

As novas mobilizações e militâncias políticas por causas historicamente...

Dizem que `num´pega, mas um dia ainda vão aprender que pega

Domingo passado, folheando revistas velhas, bati o olho numa...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=