Tag: Guest Post

    imagem Adobe Fotos

    Infâncias, Intersecção e Educação Infantil: Quem tem direito ao afeto?

    por Flávio Santiago para o Portal Geledés imagem Adobe Fotos O debate acerca das intersecções tem suscitado importantes debates no campo do feminismo e das relações raciais, dentro dessa debate trago um pouco do contexto da educação infantil, para pensar essas relações: As crianças pequenininhas estavam chegando à creche. Eu estava perto da estante de brinquedos enquanto as observava entrar na sala e começar a se organizar nos grupos de brincadeiras. Carolina se aproxima de mim com uma boneca negra nos braços e me entrega. Sem hesitar, pergunto para ela: – É a nenê? Vamos fazer ela dormir? Ela olha pra minha cara e diz: – Não é nenê, ela é preta, se vira sozinha! Um pouco atônico com as palavras que a menina negra pequenininha havia me falado, peguei uma boneca branca com formatos semelhantes àquela que Carolina havia me oferecido e ...

    Leia mais
    AdobeStock

    Coisa de preto e coisa de branco

    Tenho notado que alguns amigos brancos me fazem convites seletivos. Explico o que isso significa, me chamam, exclusivamente, quando querem transitar por espaços de pretos. por Lígia Santos Costa¹ enviado para o Portal Geledés AdobeStock Nessas horas me sinto um greencard de acesso ao território da negrada, como se comigo, ao serem interpelados sobre o que estão fazendo alí possam dizer: “Calma! Eis aqui minha amiga preta.” e assim teriam a circulação liberada. Essa coisa de coisa de preto e coisa de branco é muito interessante. Certa vez recebi o convite de uma amiga para ir a sua casa jantar e seguido ao convite, enfeitada por risos de brincadeira, veio a recomendação: “Se comporte, viu!”. (Não! Não pense que não aprendi boas maneiras com meus pais. Até já me disseram que sou bem educadinha). Mas acho que meu problema é minha língua, tenho um pouquinho de dificuldade ...

    Leia mais
    Image above: still from Guy Deslauriers’s Passage du milieu.

    Não veio do céu nem das mãos de Isabel a liberdade

    Artigo que fala sobre a falsa abolição e repúdio as homenagens que serão prestadas na Câmara dos Deputados Por Elisiane Santos e Ludmila Reis Brito Lopes* enviado para o Portal Geledés Image: still from Guy Deslauriers’s Passage du milieu. É desrespeitoso com a luta histórica dos movimentos negros e incompatível com os princípios constitucionais de igualdade e não discriminação a celebração da assinatura da Lei Áurea pela Princesa Isabel no dia 13 de maio. Tal medida aboliu oficialmente a escravidão no Brasil, quando grande parte da população negra não se mantinha mais nos cativeiros, por força da luta e resistência dos movimentos negros nos quilombos, nas irmandades, nas rebeliões como a Revolta dos Malês, bem como em razão das pressões internacionais, tendo sido o Brasil o último país da América a fazê-lo. A Princesa Isabel, assim, somente cumpriu o papel de formalizar a libertação já insustentável ...

    Leia mais
    blank

    Kapulana recebe originais em nova edição do “Seja Nosso Autor”

    Autores interessados podem enviar os originais para a Kapulana até 31 de maio Por Jorge Lalanji Filholini, Enviado para o Portal Geledés (Foto: Divulgação) De 29 de abril até 31 de maio, a Editora Kapulana está com inscrições abertas para quem quiser fazer parte de seu catálogo. Os gêneros literários solicitados para esta edição são romances e contos. Pode inscrever mais de uma obra por autor e o custo da publicação é por conta da editora. Escritores brasileiros que quiserem se inscrever devem preencher o formulário presente no site da Kapulana (www.kapulana.com.br), localizado na seção “Seja Nosso Autor”. O catálogo da Kapulana é composto por livros de ficção e científicos, para adultos e crianças, em prosa e poesia. Os escritores são de países como Brasil, Angola, Moçambique, Nigéria, Portugal, Quênia e Zimbábue. EDIÇÃO DE 2018 – Ilha, do brasileiro Marcelo Jucá, foi a obra selecionada na edição ...

    Leia mais
    imagem: Freepik.com

    Sem união não haverá evolução

    Imagem: Frepick por Luiz Antonio para o Portal Geledés Saudações família afro-brasileira, para os que não me conhecem meu nome é Luiz Antonio, resido no Vale do Ribeira na cidade de Registro-SP. O que me trouxe a este contexto é o fato de que estamos vivendo em cima de uma estrutura que nos condicionou a uma existência secundária e que apesar de todas as vitorias conseguidas ainda estamos muito longe do ideal. Não sou teórico, deixarei as teorias para os filósofos e escritores, historiadores, sem prescindir de suas colaborações. Pois são pilares fundamentais para a percepção da estratégia utilizada e a sua desconstrução imediata para uma nova consciência e retomada de um processo evolutivo de forma equilibrada, onde a justiça seja base das correções. Certo é que estas correções não serão cedidas de bom grado, pois se assim fossem já as teríamos a disposição para uso ...

    Leia mais
    São Pauo - Dado Galdieri para The New York Times

    Precisamos falar sobre o direito a cidade

    O acesso à moradia, mesmo sendo um direito reconhecido no ordenamento jurídico não é uma realidade para todos. por Maciana de Freitas e Souza para o Portal Geledés São Pauo - Dado Galdieri para The New York Times Sob a ótica constitucional, o conceito de direito à cidade está relacionado a construção de direitos relativos à moradia e ao meio ambiente sustentável, assim, discutir esse tema é de fundamental importância para a classe trabalhadora e deve ser responsabilidade de todos os lados: gestores, urbanistas, sujeitos jurídicos, incorporadores, mercado, sociedade. O acesso à moradia, mesmo sendo um direito reconhecido no ordenamento jurídico não é uma realidade para todos. Segundo pesquisa da Fundação João Pinheiro, o Brasil possui mais de 6,9 milhões de famílias sem habitação e nesse cenário há cerca de 6,05 milhões de imóveis desocupados. Essa situação evidencia que o poder público muitas vezes está alheio ...

    Leia mais
    blank

    Lançamento: Exuzilhar, Pra começar e Kuami, de Cidinha da Silva, dia 19/04 no Aparelha Luzia

    Passados 13 anos ininterruptos de publicações e 8 livros de crônicas espalhados pelo mundo, um olhar retrospectivo permite mapear temas e contextos muito presentes na obra da autora. Por Cidinha da Silva enviado para o Portal Geledés Capa do livro "Exuzilhar: melhores cronicas de Cidinha da Silva. Vol. 1" Exuzilhar é o livro de abertura da Série. Africanidades, orixalidade, tensões e diálogos entre tradição e contemporaneidade são os motores deste Exuzilhar, verbo-neologismo que Cidinha da Silva criou em 2010, depois de compreender que o verbo “encruzilhar” poderia ser ainda mais complexo. Pra começar é o segundo livro da Série. Este volume destaca crônicas próximas ao universo de crianças e adolescentes e outros em que pessoas dessas faixas etárias são protagonistas ou narradoras. São textos que pretendem despertar o gosto pela leitura. Capa do livro "Pra começar: Melhores Crônicas de Cidinha da Silva. ...

    Leia mais
    Reprodução/YouTube

    Green Book: o livro até que pode ser verde, mas o filme é bem branco

    Acauam Silvério de Oliveira  (Foto: Reprodução/YouTube)   No Oscar 2019, pelo menos quatro dos oito títulos indicados para o prêmio de melhor filme tratavam diretamente de questões relacionados a aspectos raciais, confirmando a tendência cada vez mais pronunciada de Hollywood de focar em questões ligadas a pautas de identitarismo e representatividade – o que se observa não apenas na escolha dos filmes, mas também nas premiações individuais, como as de melhor ator e atriz. Green Book, de Peter Farrely, ganhou como melhor filme, ator coadjuvante e roteiro original. Pantera Negra, de Ryan Coogler, levou por trilha sonora, figurino e direção de arte. Infiltrado na Klan, de Spike Lee, levou por roteiro adaptado, enquanto Se a Rua Beale Falasse faturou o prêmio de melhor atriz coadjuvante. Ou seja, Green Book ficou com os prêmios principais, Pantera Negra com os técnicos, enquanto Infiltrados na Klan e Se a ...

    Leia mais
    Imagem: Nayara Khaly Silva Sanfo

    E eu, não sou brasileira?

    “Brasileira? Tem certeza? Mas, você nasceu no Brasil mesmo, ou só cresceu aqui?” por Nayara Khaly Silva Sanfo para o Guest Post Geledés Imagem: Nayara Khaly Silva Sanfo “Paulista, sério? Caramba, eu jurava que você era de Salvador..” Vou contar um segredo para vocês: por incrível que pareça, existem negros retintos no Brasil. Parece louco, não é? E mais louco que isso, eles estão presentes em todo Brasil. Obviamente, o estado da Bahia possui a maior concentração de negros do país – com cerca de 80% de sua população autodeclarada afrodescendente – mas, isso não te exime de ignorar toda a pluralidade de vivências negras presentes em nosso território. Se você já assistiu uma aula de História Brasileira – que tenha sido minimamente coerente ao tratar de nossa formação étnico-racial – você sabe que a população originária, do que viria a se chamar Brasil, é indígena. ...

    Leia mais
    blank

    Kapulana publica a obra ‘Minha irmã, a serial killer’, da nigeriana Oyinkan Braithwaite

    Chega ao Brasil o aclamado livro Minha irmã, a serial killer (Kapulana, 184 pp, R$ 44,90), da escritora nigeriana Oyinkan Braithwaite. Elogiada pela crítica internacional, a obra estará nas livrarias do país no dia 8 de abril. Por  Jorge Filholini para o Portal Geledés  A obra estará nas livrarias do país no dia 8 de abril (Divulgação/Kapulana) Na obra, ambientada na Nigéria, Braithwaite conduz com maestria literária um thriller psicológico que conta a história assustadora sobre duas irmãs com temperamentos e atitudes bem diferentes uma da outra. Korede é amargurada, mas pragmática. Sua irmã mais nova, Ayoola, é a filha favorita e, possivelmente, com sérios distúrbios comportamentais. Seus três últimos namorados aparecem mortos. Um livro com humor peculiar e ácido, cheio de suspense e drama, que prendem a leitura a cada capítulo. Os direitos de adaptação para cinema foram adquiridos pela produtora Working Title, do Reino Unido. Oyinkan Braithwaite Divulgação Oyinkan ...

    Leia mais
    blank

    1 ano sem Marielle: mataram uma voz, levantaram milhares!

    Nota da Oxfam Brasil Por Jorge Henrique Cordeiro Enviado para o portal Geledés Márcia Foletto / Agência O Globo Hoje faz um ano da morte de Marielle Franco, assassinada covardemente com 13 tiros na região central do Rio de Janeiro juntamente com o motorista Anderson Pedro Gomes. A evidente execução premeditada da vereadora e ativista dos direitos humanos tinha como objetivo calar uma poderosa voz - feminista, negra, lésbica, política - mas teve o efeito contrário, fazendo surgir milhares de outras vozes, para levar adiante sua luta e suas bandeiras. Bandeiras como as que defendia em seu mandato como vereadora do Rio de Janeiro e também como presidenta da Comissão da Mulher da Câmara Municipal, a favor daquelas pessoas que são mais discriminadas, em especial as mulheres pobres e pretas das muitas comunidades, periferias e favelas de sua cidade. Marielle, moradora da Favela da Maré, conheceu ...

    Leia mais
    blank

    Documentário “As Cores da Serpente” terá estreia nacional em março

    As Cores da Serpente, um documentário de Juca Badaró Por Silvana Inácio para o Portal Geledés  O desafiador processo artístico de jovens grafiteiros em Angola, com a preocupação de fazer um registro que traduzisse o significado de colorir os Murais da Leba, uma estrada histórica com cerca de 20 quilômetros, na sinuosa Serra da Leba, no país africano, é a essência do documentário As Cores da Serpente, do diretor brasileiro Juca Badaró, que será lançado em São Paulo, com a presença de diretores e artistas, no dia 21 de março. O filme também entrará em exibição na mesma data em Brasília (DF), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR). Diretores e artistas também participarão das estreias no Rio de Janeiro (RJ), em 28 de março, e em Salvador (BA), em 4 de abril. Não se trata de um documentário contemplativo, nem expositivo, porque não se propõe a defender uma linha de pensamento ...

    Leia mais
    Plenária, mulheres negras de Minas Gerais discutem desafios da população negra - Foto: Larissa Amorim

    Em plenária, mulheres negras de Minas Gerais discutem desafios da população negra

    No sábado (23), mulheres que integram a Rede de Mulheres Negras de Minas Gerais, realizaram a primeira plenária organizativa de 2019. por Iris Pacheco enviado para o Portal Geledés Plenária, mulheres negras de Minas Gerais discutem desafios da população negra - Foto: Larissa Amorim A atividade retoma processo iniciado em 2014, quando dezenas de mulheres mineiras se organizaram para participar da Marcha das Mulheres Negras em Brasília. Quatro anos depois, em 2018, foi o momento de se organizarem para a construção do Encontro Nacional das Mulheres Negras, ocorrido em Goiânia, em dezembro daquele ano. Segundo Andreia Roseno, da Rede de Mulheres Negras de Minas, é preciso mudar a lógica sobre a qual a história é contada e entender como o sistema colonial agiu para nos dividir. Ela destaca que é fundamental entender a atuação das mulheres negras numa perspectiva de construção de unidade e resistência contra ...

    Leia mais

    Reforma da previdência para quem?

    A atual proposta da reforma da Previdência (PEC 287/2016) apresentada pelo Poder Executivo traz sérios prejuízos à classe trabalhadora. A retórica dada pela grande imprensa, como forma de acionar a aprovação, está centrada na falta de dinheiro pelo governo. O sistema previdenciário brasileiro não é deficitário, ao contrário do que é apresentado, o capital financeiro recebe investimentos privados como públicos do Estado, em um processo contínuo de reprodução do capital. A financeirização ocorre quando o Estado repassa recursos financeiros do fundo público às instituições bancárias que utilizam esse capital para investimentos financeiros e, consequente, geração de lucro através de juros. por Maciana de Freitas e Souza para o Portal Geledés imagem Ilustrativa - imagem: Freepik Conforme dados da Pnad contínua de 2018, divulgado pelo IPEA, A vulnerabilidade das mulheres negras ao desemprego é 50% maior, independente de crise econômica, idade ou escolaridade. A cada 1 ponto ...

    Leia mais
    blank

    “Jé Oliveira e sua Cia apresenta no Centro Cultural São Paulo a reedição de Gota D’Agua de Chico Buarque e Paulo Pontes, com elenco predominantemente negro”

    Foto: Evandro Macedo Em Gota D’Água {PRETA}, nova versão do texto de 1975, o premiado ator, diretor, dramaturgo e fundador do Coletivo Negro, realça a realidade negra, a discussão social e de classes e o protagonismo da mulher preta. A cantora e atriz Juçara Marçal, do Metá Metá, interpreta Joana e o próprio Jé faz o papel de Jasão, personagens principais da peça Por Elcio Silva para o Portal Geledés  A trama traz para a cena paulistana a realidade negra que perpassa a obra, mas pela primeira vez tem um elenco predominantemente negro. Nesta montagem, o artista mostra sua versatilidade ao transitar entre o Rap e a MPB. Em seu último trabalho, homenageou os Racionais MC’s com a peça-show Farinha com Açúcar que rodou o país por três anos. Inspirado na tragédia Medeia, de Eurípedes, Gota D’Água {PRETA} tem como personagem principal Joana, mulher madura, sofrida, moradora de ...

    Leia mais
    Arte: jornal.usp.br

    Desafios da liberdade de expressão

    No ano de 2018, a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) completou 70 anos, no seu artigo 19 a liberdade de expressão é considerada um direito fundamental e, para isso, estratégias específicas no campo das políticas públicas devem ser buscadas para garantir sua efetividade. A liberdade de expressão é um elemento importante de todas as democracias. “Todo homem tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transferir informações e ideias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.” (ONU, 1948). Por  Maciana Freitas e Souza Portal Geledés  Arte: jornal.usp.br Considerando o direito à comunicação, é importante compreendemos o seu lugar nos processos sociais. Com o recente processo eleitoral no país vimos o fortalecimento político da extrema-direita e a partir desse cenário, a proliferação de discursos deterministas, unilaterais, perspectivas que sustentam formas de controle social e ...

    Leia mais
    Nu masculino (sem data), por Boscoe Holder.

    A Exclusão e o Preterimento do Negro Gay Afeminado

    Um quadro ancestral com desenhos lúdicos de cor negra que reluz ouro e não se é exposto na parede principal. A metáfora poética da não existência dos corpos negros gays afeminados na redoma das afetividades. A solidão que ocupa a grande parte de nossas vidas e orquestra nossos silêncios. Por Marcos Wandebaster, para o Portal Geledés  Nu masculino (sem data), por Boscoe Holder. Hoje aprecio refletir no espelho a imagem de um belo quadro. Negro e banhado em ouro… Mas lembro-me bem dos dolorosos dias em que esse quadro não aparecia. No lugar dele, um menino, e anos depois, um adolescente que via seus olhos refletirem o auto-ódio que aprendeu desde cedo por ser negro, e em seguida, por não caber na lata de lixo tóxico que a sociedade preparou para moldar o que seria um menino, e posteriormente, um homem. É quase missão impossível construir autoestima ...

    Leia mais
    Marvel/Reprodução

    Pantera negra e a questão da representatividade

    O filme Pantera Negra, dirigido por Ryan Coogler (EUA, 2018), foi indicado a categoria de Melhor Filme do Oscar 2019. A narrativa apresenta de forma ficcional a cultura e a diáspora africana no ocidente, tendo T’Challa como protagonista, o rei de Wakanda. Com maioria do elenco negro, vemos que o cinema tem acompanhado o movimento da sociedade com pautas que evidenciam a representatividade. Por Maciana Freitas e Souza para o Portal Geledés  Marvel/Reprodução O cinema ao criar uma narrativa que dar voz as questões culturais e históricas dos povos africanos como é o caso de Pantera Negra, é aqui entendido não apenas como uma representação visual comumente, mas sendo uma produção política e estética que pretende trazer à tona uma reflexão crítica sobre as desigualdades provenientes dos processos colonizadores. Como podemos pensá-la no cotidiano da educação? Introduzir reflexões sobre a importância da cultura africana é fundamental, ...

    Leia mais
    blank

    A (auto) cobrança sobre nossos corpos

    Ao tratar do Movimento Negro é nítida as especificidades que cercam o grupo e de como o sentimento de coletivo é muito forte: "Eu sou, porque nós somos" e nesse viés é difícil reconhecer o quanto é adoecedor carregar responsabilidades que não respeitam as nossas limitações. Por Victória Emanuele Oliveira Ribeiro para o Portal Geledés  É relevante ponderar, e é o que espero abordar, como essa luta coletiva de ocupar espaços e adentrar os mesmos de forma influenciadora é desumanizadora, e que a humanização de nossos corpos é uma luta contínua para ser reconhecida, principalmente, pelo Estado, visto que o ideal de indivíduo negro e negra é fruto de uma construção de civilidade a partir advinda do processo escravização desses corpos. Corpos esses que foram abandonados a partir de uma libertação fajuta que não pensou em políticas de inclusão, possuindo interesses meramente econômicos devido ao boom da Revolução Industrial na ...

    Leia mais
    Geicimara a autora em um campo verde com uma arvore atrás

    Racismo: uma questão bioética?

    O presente texto tem por objeto investigar a relação da bioética e do racismo por meio de uma analogia histórica que irá ressaltar a importância de debater no ensino da bioética as injustiças sociais que assolam a população afrodescendente por Geicimara Kelen Custódio Silva para o Portal Geledés Foto: Guilherme Fay Apesar de tal discurso, a população negra ainda sofre com a discriminação, principalmente no que tange ao acesso à saúde e a igualdade de oportunidades. É com base no exposto, que os bioeticistas devem reconhecer o racismo como uma questão concernente a bioética, promovendo a partir disso a equidade racial. Desse modo, o presente texto tem por objeto investigar a relação da bioética e do racismo por meio de uma analogia histórica que irá ressaltar a importância de debater no ensino da bioética as injustiças sociais que assolam a população afrodescendente, buscando compreender as disparidades ...

    Leia mais
    Página 7 de 51 1 6 7 8 51

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist