Racismo: uma questão bioética?


O presente texto tem por objeto investigar a relação da bioética e do racismo por meio de uma analogia histórica que irá ressaltar a importância de debater no ensino da bioética as injustiças sociais que assolam a população afrodescendente

Apesar de tal discurso, a população negra ainda sofre com a discriminação, principalmente no que tange ao acesso à saúde e a igualdade de oportunidades.

É com base no exposto, que os bioeticistas devem reconhecer o racismo como uma questão concernente a bioética, promovendo a partir disso a equidade racial.

Desse modo, o presente texto tem por objeto investigar a relação da bioética e do racismo por meio de uma analogia histórica que irá ressaltar a importância de debater no ensino da bioética as injustiças sociais que assolam a população afrodescendente, buscando compreender as disparidades existentes entre as raças.

A disseminação da teoria da pureza racial na Europa do século XIX, foi fator determinante para que diversos países se voltassem a uma corrida pelo progresso.

Em geral, nesse período, pregava-se que as nações mais evoluídas eram as compostas por uma raça humana específica:  a ariana, caucasoide ou branca.

Surgiu dessa perspectiva um determinismo biológico que pautava o progresso da civilização na questão racial.

Com isso, a hegemonia de certos países no cenário mundial foi naturalizada a partir de uma ótica discriminatória.

Em 1883, Francis Galton criou o termo Eugénia: o estudo dos agentes sob o controle social que podem melhorar ou empobrecer as qualidades raciais das futuras gerações, seja física ou mentalmente.

Galton acreditava que as forças cegas da seleção natural, como agentes propulsores do progresso, deveriam ser substituídas por uma seleção consciente a fim de promover o progresso físico e moral no futuro.

O estudioso propôs utilizar o melhoramento genético na população humana a fim de fazer uma seleção de raças tidas como superiores, o que aponta claramente um problema ético, visto que se baseava na categorização de seres humanos em aptos (leia-se: brancos) e não aptos  (leia-se “não brancos”) à reprodução, o que pode ser entendido como um viés racista da ciência.

No cenário global, o Brasil na condição de um país mestiço, vinha na contramão da evolução e, com isso, a elite política e intelectual brasileira, a fim de assegurar que o Brasil estivesse entre as grandes nações mundiais, almejava garantir um futuro branco para o país,  já que as teorias raciais clássicas exaltavam a pureza racial e pregavam que a mistura de raças representava verdadeira degeneração.

Desse modo, a política do branqueamento surge como uma alternativa de “transformar uma raça inferior em uma raça superior” bem similar ao pensamento eugênico e do mito da pureza das raças.

O “branqueamento” nada mais foi do que uma tentativa de relativizar a mestiçagem e criar uma nação homogênea, consoante com os padrões europeus.

A partir desses fatos, percebe-se que a bioética teve momentos racistas em sua evolução. Uma vez que a problemática histórica da questão racial está atrelada a aspectos éticos e biológicos, os bioeticistas contemporâneos devem considerar a questão racial sob pena de cometer os mesmo erros do passado.

A bioética pode contribuir para o combate ao racismo considerando, por exemplo, os trabalhos desenvolvidos por estudiosos da cultura africana, a fim de se familiarizar com as evidências empíricas relativas à pobreza, à violência racial e ao racismo.

Este tipo de conhecimento deve ser transmitido aos estudantes de bioética para impedir que está se transforme em uma disciplina preocupada apenas com problemas da população branco-europeia.

Combater o caráter racista existente no meio médico e de cuidados com a saúde, que é reforçado pelo modo que é conduzida a educação médica no Brasil, passa pelo debate da questão racial em sala de aula. Por fim, cabe ressaltar que a mudança na  estrutura da Academia com a presença de um maior número de bioeticistas negros é fundamental.

Com ela, surge o engajamento necessário capaz de promover mudanças comportamentais no ramo da saúde e combater o racismo institucional.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

OLIVEIRA, Fátima: “Bioética: novo espaço para a luta anti-racista”, IN BRIO, nº 0, novembro de 1995.
Danis M, Wilson Y, White A. Bioethicists can and should contribute to addressing racism. The American Journal of Bioethics 2016; 16(4): 3-12.

Leia Também:

Uma visão bioética de Tratamento Fora de Domicílio no SUS por Fátima Oliveira

https://www.geledes.org.br/adilson-moreira-o-humor-racista-e-um-tipo-de-discurso-de-odio/

https://www.geledes.org.br/as-varias-dimensoes-do-racismo-religioso/


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Sobre elogios e autoestima. Por que elogiar uma irmã negra

As mulheres negras que escolhem (e aqui enfatizo a...

Bonita é a mãe

Ensaio de fotógrafa paulistana retrata mães com seus filhos...

Transexual é perseguida e assassinada a caminho da academia em MG

Nicolly Banks já havia sofrido uma tentativa de homicídio...

para lembrar

Bolsa de estudos Graça Machel para mestrado e doutorado. Só para mulheres.

Há mulheres, não há Mulheres que sinceramente até dão...

Irã expulsa diplomata acusado de cometer abusos sexuais no Brasil

Um diplomata iraniano foi expulso do Ministério de Relações...

A miscigenação racial no Brasil

A miscigenação racial presente em nossa sociedade vem se...

STF derruba “legítima defesa da honra”: números bastam como prova, diz Fux 

Em votação histórica na noite desta sexta-feira (12), o...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=