Fátima Oliveira, uma nova estrela no Orun

É com grande pesar que informamos o falecimento de Fátima Oliveira , amiga, companheira de luta exemplo de coragem e  força da mulher , negra , nordestina. Honraremos sua memória sempre!

Geledés Instituto da Mulher Negra.

 

Hoje perdi uma grande amiga. Amiga que me ofertou conhecimento. Amiga que trazia as boas pingas de Minas e Maranhão. Amiga que não queria comer outra coisa que não fosse carne. Amiga de risadas. E que risadas!!. Amiga que me (nos) ensinou que acima de tudo tínhamos direito à saúde com humanidade e dignidade, para todxs as nossas enfermidades, especialmente àquelas afeitas à população negra. Feminista até as entranhas, sua contribuição é inestimável. Amiga que dizia: “ Se complicar, vai pro SUS…”e foi por onde ela nos deixou. Ela sempre acreditou, se dedicou e lutou por esse acesso por todxs nox. As Deusas a receberão com a mesma paixão que nós a admiramos e amamos. Muita Tristeza!! Fátima de Oliveira, Presente!! –

Solimar Carneiro

“Ela me fascina. É médica, fumante e carnívora empedernida. Mãe de três filhos naturais, mais um adotado, filho de um irmão que perdeu a mulher no parto e de uma menina que lhe foi dada aos 11 anos e que lhe deu os netos que ela mima e estraga com orgulho. Trabalha como um animal porque diz que tem fama de preguiçosa dentro de sua família e como de fato acha que isso é verdade, faz tudo com muita prontidão para se livrar logo. Mentira. Criou cinco filhos entre uma viuvez e um outro casamento. Ela dá plantão semanalmente, viaja pelo país e o mundo inteiros representando a Rede Feminista de Saúde. É autora de quatro livros, sendo o último um romance sobre aborto em relações de mulheres e padres. É ainda uma das poucas mulheres negras que tem coluna semanal num veículo da grande imprensa. Escreve na coluna de Opinião do Jornal O Tempo, de Belo Horizonte.

Caixeira viajante, viveu em Imperatriz e São Luiz, no Maranhão, em São Paulo e fixou-se agora, sabe-se por quanto tempo, em Belo Horizonte.

Entrou para o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) aos 16 anos. Permanece nele sendo uma de suas mais profícuas intelectuais. Um Partido notório pelo seu centralismo e disciplina exigida a seus membros e ela, imprevidente e irreverente é quem denuncia em seus artigos o que ela denomina de “neo-liberais” do PT e do PCdoB. Nem eu que vivo proclamando independência e autonomia em relação a partidos políticos consegui ainda ir tão longe nas minhas manifestações públicas.

Tem também uma auto-estima de fazer inveja a qualquer argentino. Coisa rara em negros, mulheres e nordestinos, sendo ela todos ao mesmo tempo, embora pudesse se considerar ou ser considerada “morena escura” para os padrões raciais do país. Tem absoluta confiança nos saberes de que é portadora e igual convicção para defender suas posições em arenas públicas. Dialoga com áreas da ciência da qual mulheres e negros se acham apartados. Introduziu os temas da bioética e da engenharia genética nas pautas feministas e anti-racista. É interlocutora pioneira, crítica e convocadora desse debate com a comunidade científica de uma perspectiva ética.

A conheci no âmbito da militância feminista. Guardei, por anos reservas em relação à sua filiação partidária. Fui sendo seduzida pela sua independência, coragem e capacidade de pensar e agir pelas causas que abraçamos. Tem também muitos desafetos e, por vezes, compra brigas de graça. Ela é uma monstrinha. É Fátima Oliveira. Vejam! “

( Sueli Carneiro na  introdução  do Testemunho de Fátima Oliveira à sua  tese de doutorado.  FE / USP/ 2005 .)

Textos de Fátima Oliveira:

O dilema e a crueldade da dupla moral sexual num Estado laico – Por: Fátima Oliveira

Fátima Oliveira: Candidatos parecem morar em bolha, nada a ver com a perda de direitos

Fátima Oliveira: Sem o SUS, o Brasil retrocederá ao tempo dos indigentes

As eleições presidenciais sob a batuta do conservadorismo, por Fátima Oliveira

O Maranhão é do povo: as urnas consagraram o “xô, Sarney” – Por: Fátima Oliveira

Releitura de “As mulheres abortam porque precisam” por Fátima Oliveira

As ideias feministas fazem toda a diferença nas eleições – Por: Fátima Oliveira

SUS: perspectiva integral e acesso universal e igualitário – Por: Fátima Oliveira

A rua Grande e a elegância distinta de d. Edwine Passarinho – Por: Fátima Oliveira

O sexismo e a indigência da dupla moral dos VIPs do Itaquerão, por Fátima Oliveira

Fátima Oliveira: As sequestradas nigerianas abandonadas pelo mundo

As sequestradas nigerianas abandonadas pelo mundo – Por: Fátima Oliveira

Deises e Leilanes: abandonadas sem vale-táxi e SAMU-cegonha, por Fátima Oliveira

Santana do Riachão, o cenário imaginário de “Vidas Trocadas” – Por: Fátima Oliveira

O parto roubado é um conceito político de resistência – Por: Fatima Oliveira

O sucesso atemporal de um livro, “O Pequeno Príncipe”, aos 71 anos – Por: Fátima Oliveira

Fátima Oliveira: Bandidos da paternidade acobertados pela Justiça

Bandidos da paternidade que são acobertados pelas Varas de Família – Por: Fátima Oliveira

Sem misericórdia para com as Santas Casas brasileiras – Por: Fátima Oliveira

Da encarnação do verme à partida do verme encarnado

A burguesia sem charme, sem finesse, machista e despudorada

Alguns significados do anúncio do fim do vestibular

Um olhar diferenciado sobre a saúde da mulher negra

Afinal, o que os letrados chamam de “racialização”?

Alguém ainda se lembra da deliciosa água de quartinha?

As presidenciáveis e seus problemas: deixa o trem arder

Manifesto 2009: pelo direito de decidir das mulheres

A anemia falciforme revela os legados de nossos ancestrais

O fetiche das tecnologias de comunicação contemporâneas

A Geni do Nobel da Paz atende pelo nome de Barack Obama

Dilema linguístico: entre valer ou não uma pitomba

Pare o mundo que eu quero descer pra virar lenda Brasil caiu no ranking de desigualdade entre os sexos

Quem não tem senso de loção cria conflito de fragrâncias

Será Filoctetes a chave para entender a ministra Dilma?

O maior mérito do SUS é a extinção do indigente da saúde

Sou de esperar a dor passar sem tomar nada. Tomo chá

Não há mistério; desde sempre, o ato médico é o fazer médico

“Slow food” mineiro na versão pobre de “marré deci”

Desvendando a chatice dos earworms e da coceira cerebral

Doentes transportados como animais sem dono e destino

Acampamento feminista: um chamado à solidariedade

Tratamento fora do domicílio do doente é direito de cidadania

Aquela medicina popular que herdamos e devemos preservar

Um governador apologista do SUS é a glória para sempre, amém!

Nas eleições, se não acredita, eu vou sonhar pra você ver

A imoralidade das propostas de candidaturas de “biscuit”

A riqueza da diversidade na experiência do sagrado

Não silencio sobre direitos e cidadania para não ser cúmplice

Veja mais textos de Fátima Oliveira

+ sobre o tema

Emanoel Alves de Araújo

Emanoel Alves de Araújo (Santo Amaro da Purificação BA...

Mano Brown recebe Karol Conká na estreia do podcast ‘Mano a Mano’

Mano Brown recebe Karol Conká na estreia do podcast...

Jay-Z é o primeiro rapper a ser indicado ao Songwriters Hall of Fame

Jay-Z acaba de ser o primeiro rapper a ser...

Paris revive o trato colonial com a África

O reordenação internacional que sucedeu ao fim da guerra...

para lembrar

“Virou moda ter elenco multirracial”

Diretor da Globo diz que se trata de "coincidência';...

Cantora Liniker lança vídeo com versão em espanhol da faixa ‘Mel’

A cantora Liniker compartilhou, nas redes sociais, um vídeo...

Frevo é declarado Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade

Gabriel PalmaRepórter da Agência Brasil Brasília – A Organização...
spot_imgspot_img

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=