Governo vai monitorar postagens preconceituosas na internet

Objetivo é identificar crimes de ódio e incitação à violência em redes sociais

 

Por: Bruno Lima no R7

 

O governo vai passar a monitorar e mapear postagens preconceituosas em redes sociais. O objetivo é identificar redes de apologia e promoção de crimes contra os direitos humanos nas redes sociais, páginas na internet e grupos que incentivam práticas discriminatórias e incitação da violência.

Um grupo formado nesta quinta-feira (20) por membros do Ministério da Justiça, da Secretaria de Direitos Humanos, da Secretaria de Igualdade Racial e a Secretaria de Política para Mulheres vai fiscalizar os crimes de ódio nos ambientes virtuais. O trabalho vai reunir denúncias e coordenar outros mecanismos já existentes, como o Disque 100. Com isso, espera-se que as informações sejam centralizadas para facilitar investigações de crimes virtuais.

De acordo com a ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos, Ideli Salvatti, os crimes virtuais aumentaram no País. Ela ressaltou que apesar de manifestações racistas serem mais comuns na internet, declarações discriminatórias contra nordestinos, homossexuais e mulheres também estão presentes nas redes sociais.

– É absolutamente assustador como cresce exponencialmente esse tipo de crime. O crime virtual mata. O virtual se transforma infelizmente em real.

A ministra-chefe da Secretaria de Igualdade Racial, Luiza Bairros, destacou que a iniciativa está sendo tomada no Dia da Consciência Negra, comemorado nesta quinta. Ela destacou que as redes sociais não devem ser criminalizadas, mas também não podem ser um ambiente livre para manifestações preconceituosas.

– O que nós temos fundamentalmente é entender a natureza do fenômeno que nós queremos combater. Nós precisamos, sim, além de mapear e monitorar, desenvolver um trabalho bastante incisivo de condenação dos preconceitos.

Também foi firmada uma parceria para que o Laboratório de Estudos em Imagem e Cibercultura da Universidade do Espírito Santo auxilie no monitoramento dos crimes. O instituto é referência internacional em pesquisas sobre redes sociais. O laboratório também irá desenvolver um aplicativo para que a SDH possa acompanhas a atuação de redes de apologia ao crime e redes de defesa dos direitos humanos.

 

+ sobre o tema

Liberdade para Ensinar e Aprender: Pesquisa Nacional Analisa Violências Sofridas por Educadores/as no Brasil

O Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es (ONVE), sediado...

Taxa de alfabetização chega a 93% da população brasileira, revela IBGE

No Brasil, das 163 milhões de pessoas com idade...

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

para lembrar

NOTA OFICIAL: Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as – ABPN

31 DE MARÇO DE 2018 – GOIÂNIA, GO Sobre as...

Nordeste é a região brasileira que mais lê, diz pesquisa

Entre as dez capitais brasileiras que mais leram em...

Gênero e educação: um paradoxo atrás do outro – Por Adriano Senkevics

Na questão gênero e educação, a escola é acusada...
spot_imgspot_img

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos os candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no pagamento da inscrição do Exame Nacional...

Liberdade para Ensinar e Aprender: Pesquisa Nacional Analisa Violências Sofridas por Educadores/as no Brasil

O Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es (ONVE), sediado na Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF) e criado em parceria com a...

Taxa de alfabetização chega a 93% da população brasileira, revela IBGE

No Brasil, das 163 milhões de pessoas com idade igual ou superior a 15 anos, 151,5 milhões sabem ler e escrever ao menos um...
-+=