Alunos africanos de intercâmbio falam sobre dificuldades e preconceito no Brasil

Confira as histórias de estudantes que vieram para o país por meio de programa de estudos e imigração.

Por Raquel Baes*, G1

Issimo na colação de grau da graduação em economia (Foto: Arquivo Pessoal/Issimo Monteiro)

Morar fora para estudar nem sempre é um mar de rosas. Dificuldades com sustento, restrições de trabalho e discriminação são alguns dos problemas, relataram universitários africanos ao G1. Até sábado (27), a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) promove a 13ª Semana Acadêmica Africana.

Há 9 anos em São Carlos, o guiné-bissauense Ivaldino Monteiro, mais conhecido como Issimo, contou que estudar em um país estrangeiro sempre foi um sonho, já que o pai passou pela experiência e os dois irmãos vivem essa realidade no Rio de Janeiro.

Em 2008, Issimo agarrou a oportunidade de cursar engenharia da computação na Universidade de São Paulo (USP). Na época, ele recebia dinheiro da família e morava no alojamento da faculdade. Após se formar, optou por outra graduação: economia. Atualmente ele faz pós- graduação em Araraquara.

Desafio

Segundo ele, garantir o sustento foi um grande desafio. A segunda graduação era paga e o dinheiro enviado pela família não bastava. O visto de estudante não permitia que o jovem tivesse vínculo de trabalho formal no Brasil.

Foi por meio de free-lancers e trabalhos extras que Issimo conseguiu pagar o curso de economia. “Agora eu posso trabalhar, porque a lei mudou. Antes era muito ruim, porque se a situação financeira da família mudava a pessoa ficava na mão”, contou.

Outra dificuldade é ficar longe da família e da terra natal. No primeiro ano não foi fácil, mas ele acabou se acostumando. A internet ajudou a diminuir a distância e a matar saudades.

A presença de imigrantes de países africanos é um fator que contribui para a adaptação. Segundo Issimo, as pessoas se ajudam independente das diferenças.

“Temos uma cultura muito forte, que não desapegamos muito fácil. Quando chegamos a um lugar, tentamos localizar outro africano, isso nos ajuda muito aqui”.

Novelas

Assim como Issimo, Sueli Helena Lopes, de 28 anos, chegou ao Brasil em 2008 para cursar administração pública e na Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Araraquara (SP). Natural de Cabo Verde, ela se formou, fez pós-graduação, mestrado e agora sonha com o doutorado.

Atualmente, a cabo-verdiana vive com o marido de Guiné Bissau com quem tem um filho brasileiro. Ela contou que conheceu o país por meio das novelas, mas quando resolveu para cá percebeu que a realidade era bem diferente da ficção.

“Chegando aqui me deparei com uma divisão, principalmente em relação à cor da pele. As novelas até retratam isso, mas a gente não percebia. Nas novelas, por exemplo, negro é segurança, porteiro, faxineira. Inserido aqui, a gente percebe o que está por trás”, avaliou.

Longe da família, ela disse que foi preciso vencer a solidão, afinal era a primeira vez que ela se afastava da mãe e dos irmãos. A cultura semelhante de ambos os países ajudou no processo de adaptação.

“Não foi tão estranho para mim, porque a gente assiste às novelas, falamos a língua nas escolas, a culinária é muito parecida, a única diferença é que o feijão não é um prato diário como aqui”, completou.

Preconceito nos olhares

Há 12 anos, o angolano Eduardo Carlos Alexandrina, de 32, chegou ao Brasil para cursar engenharia em Minas Gerais. Atualmente ele faz doutorado na área de engenharia química na UFSCar.

Para ele, a pior dificuldade enfrentada é a discriminação. “A partir do momento que você chega percebe a diferença nos olhares, tratamento e abordagem policial”, disse.

Ele contou que o preconceito também esteve presente no ambiente acadêmico durante a graduação.

“Os colegas estavam sempre com o olhar como se fôssemos inferiores. Mas com tempo eles vão percebendo que você não é qualquer um, e sim uma pessoa esforçada, estudiosa. Isso é por causa do preconceito criado em cima dos africanos”, revelou.

Para ele, a presença da comunidade africana em São Carlos ajuda a enfrentar situação desconfortáveis e motivá-lo. “É o que nos fortalece”, afirmou.

Programa de estudos

Os estudantes africanos chegam ao território brasileiro pelo Programa de Estudantes Convênio de Graduação e Pós-Graduação (PEC-G e PEC-PG). Ser falante de português é primordial para a entrada no país e, por isso, imigrantes de países que têm a língua portuguesa como oficial procuram o Brasil.

*Sob supervisão de Fabio Rodrigues, do G1 São Carlos e Araraquara.

 

+ sobre o tema

Harvard lança mais de 100 cursos gratuitos e legendados em português

Os cursos disponíveis são divididos nas áreas a seguir. Artes...

Inscrições no Enem 2024 são prorrogadas até 14 de junho

As inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

Inscrições para o Enem 2024 terminam nesta sexta-feira (7)

Termina nesta sexta-feira (7) o prazo para realização das...

para lembrar

Leci Brandão é eleita presidenta da Comissão de Educação da Alesp

A deputada Leci Brandão (PCdoB) foi eleita, por unanimidade,...

Prouni 2022 abrirá inscrições nesta 3ª feira; notas do Enem 2020 e 2021 serão aceitas

O Programa Universidade Para Todos (Prouni) do 1º semestre...

Professores do DF em greve. Em todo país, categoria faz paralisação de três dias

  Os professores da rede pública do Distrito Federal entraram...
spot_imgspot_img

Estudantes têm até esta sexta-feira (14) para se inscrever no Enem

Termina nesta sexta-feira (14) o prazo para inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os interessados devem acessar a Página do Participante e utilizar o cadastro...

Harvard lança mais de 100 cursos gratuitos e legendados em português

Os cursos disponíveis são divididos nas áreas a seguir. Artes e Design; Negócios e Gestão; Ciência da Computação; Ciência de Dados; Ciência e Engenharia; Ciências Sociais; Desenvolvimento Educacional e Organizacional; Humanidades; Matemática e...

UnB abre vagas na especialização gratuita em Políticas Públicas e Tecnologias Educacionais

A Universidade de Brasília (UnB) abriu 26 vagas na especialização gratuita em Políticas Públicas e Tecnologias Educacionais, que serão divididas da seguinte maneira: 15 vagas...
-+=