Índios entregam Projeto de Lei que cria carreira de professor indígena

Etnias querem estruturação do magistério nas aldeias

DO Portal do Meio Ambiente

Brasília, DF – Indígenas de várias etnias de Rondônia entregaram na tarde de ontem (dia 15) ao Governo do Estado a minuta do projeto de lei para criação da carreira pública de professor indígena. A entrega ocorreu durante uma solenidade no Centro de Treinamento da Emater, em Ouro Preto d’Oeste. A minuta é o primeiro passo para que o projeto de lei tramite na Assembléia Legislativa e, sendo aprovado, crie um quadro fixo de professores que vão lecionar nas escolas indígenas. O Ministério Público Federal (MPF) em Rondônia foi um incentivador da elaboração da minuta e articulou diversas instituições públicas e povos indígenas.

 

A procuradora da República Lucyana Pepe ressaltou o ineditismo na forma como a minuta foi elaborada, reunindo professores e lideranças indígenas de várias etnias, Fundação Nacional do Índio (Funai), MPF, Tribunal de Contas do Estado, secretarias de Educação Estadual (Seduc) e Municipal de Porto Velho (Semed), Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Conselho de Missão entre Índios (Comin) e Universidade Federal de Rondônia (Unir), além de outras instituições da sociedade civil organizada.

“Este é um projeto feito com os índios, pelos índios e para os índios. A estruturação da educação escolar indígena em Rondônia é uma reivindicação antiga e que agora pode ser concretizada”, enfatizou a procuradora. A proposta cria a carreira de professor indígena e a carreira de técnicos administrativos educacionais nível 1 e 3, com lotação na Secretaria da Educação do Estado de Rondônia.

 

Pela proposta, o professor terá que ser aprovado em concurso público com provas de conteúdo específico; ser indígena; ter carta de apresentação da comunidade da qual faça parte, assinada por sua maioria; possuir curso de formação de professor indígena; conhecer a comunidade em que lecionará e terá que morar na aldeia para a qual for aprovado. Entre as diferenças do magistério indígena está o ensino bilíngue (línguas portuguesa e indígena), além da transmissão dos costumes e da cultura indígena específica de cada comunidade.

 

Para a procuradora Lucyana Pepe, “o exercício do magistério público indígena fundamenta-se nos direitos das comunidades indígenas à educação escolar com utilização de suas línguas maternas e processos próprios de aprendizagem, assim garantindo o ensino por meio de professores indígenas, preferencialmente da mesma etnia dos alunos”.

Quando for aprovado, o projeto de lei estabelecerá salários iguais aos dos professores estaduais não-índios e os professores indígenas terão as mesmas garantias que os outros. A situação atual deles é de salários inferiores, contratos em cargo comissionado, portanto, sem estabilidade e sem ascensão funcional.

 

Compromisso

Na entrega da minuta do projeto de lei, o indígena Antenor Karitiana pediu ao vice-governador João Cahulla rapidez no encaminhamento à Assembléia Legislativa e na aprovação do projeto de lei. Cahulla disse que “este é um projeto que todos querem – Seduc, Ministério Público Federal, indígenas, Tribunal de Contas e sociedade civil -, o que prova que houve participação e diálogo; o Governo do Estado fará todo o possível para que o projeto seja aprovado”.

 

O vice-governador explicou que há grande possibilidade do projeto ser aprovado ainda neste ano, inclusive com a realização do concurso público específico. Mas informou que as nomeações dos aprovados só serão possíveis no próximo ano em decorrência das restrições do período eleitoral.

 

 

 

 

+ sobre o tema

Arquivo Público lança revista sobre negros brasileiros no Mês da Consciência Negra

A sétima edição da revista Documentos é um dossiê...

Lei 10.639/03 a obrigatoriedade desconhecida

Ensinar História e Cultura Afro-brasileiras e africanas não é...

Desigualdades Raciais na Educação

O índice de analfabetismo entre jovens negros é duas...

100 mil disputam o reajuste da educação em SP

  Cerca de 100 mil integrantes do magistério estadual paulista...

para lembrar

Um plano de educação para a cidade de SP

NOS PRÓXIMOS dias 15 e 16 de agosto, será...

Celulares ajudam a preservar a mitologia

Se antes os mais velhos torciam seus narizes, olhando...

Ameaça negra

Fustigando com suas ações o regime escravista, quilombolas assombravam...

A reprodução da desigualdade racial através da reprodução da violência simbólica

O maior símbolo do preconceito e da discriminação é...
spot_imgspot_img

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...

Encontro anual do SETA definiu ações e estratégias para uma educação antirracistae emancipatória.

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou do planejamento anual Projeto SETA  (Sistema de Educação Por Uma Transformação Antirracista) em Paraty, Rio de Janeiro....
-+=