A professora indígena que revolucionou as escolas rurais

Lucinda Mamani ganhou prêmio de excelência em educação por projeto de empoderamento feminino em sala de aula

Por ISABEL GRACIA, do El Pais 

Na escola de Calería, uma comunidade indígena aimará a 70 quilômetros da cidade de La Paz (Bolívia), é possível contar os livros nos dedos de uma mão. A lousa é analógica e as mesas de madeira estão amontoadas em salas de aula estreitas, onde estudam mais de cem crianças que, em muitos casos, caminham por horas com o único propósito de aprender. A comunidade, na qual vivem cerca de 150 famílias que se dedicam à produção de leite, batata e quinoa, tem eletricidade e água potável há alguns anos, mas seus habitantes ainda não sabem o que é rede de esgoto e privada. Ainda assim, assistiram recentemente à instalação de uma antena de telecomunicações, que vai abrir as janelas infinitas da Internet na região.

Lucinda Mamani, de 30 anos, dá aula para 80 alunos do ensino médio em Calería e até agora é a única professora boliviana indicada ao prêmio Global Teacher Prize 2016, que dá um milhão de dólares ao professor que tenha realizado uma contribuição extraordinária à profissão. No seu caso, conseguir a participação e o empoderamento escolar de meninas e adolescentes de áreas rurais, provou ser toda uma proeza.

Todas as manhãs, há sete anos, arruma seus livros, abriga-se contra o frio dos Andes e sai de sua casa na cidade de El Alto, ao lado de La Paz, rumo a Calería. Para fazer a viagem de quase duas horas, por onde não passa nenhum meio de transporte público, levanta o dedo e sobe em um dos caminhões que transportam toneladas de calcário para a cidade e voltam para o campo. “Todos me conhecem”, diz ela, confiante.

Em 2013, Lucinda testemunhou um fato que mudou sua forma de entender a educação. “No ato da eleição de representantes de estudantes da escola, percebi que não havia participação das mulheres, estavam apenas nas secretarias de esportes e dança. Comecei a conversar com as meninas e disseram que tinham medo de concorrer, que não se viam capazes de dirigir a escola”.

 

Continue lendo aqui 

+ sobre o tema

MEC abre edital para inscrição de tecnologias educacionais para zona rural

O  Ministério da Educação recebe, até 12 de março, inscrições...

Índios entregam Projeto de Lei que cria carreira de professor indígena

Etnias querem estruturação do magistério nas aldeias DO Portal do Meio...

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO

Por: Suelaine Carneiro         ETAPA 2 - Plenárias por Subprefeituras   Prezadas/os companheiras/os...

SISU: Ainda desconhecida, 2ª edição de seleção via Enem começa amanhã

5 instituições aderiram ao Sisu, das quais 8 novas;...

para lembrar

Em SP, só aluno do 1º ano terá aula de espanhol

O governo de SP anunciou ontem que apenas alunos...

Desmoralizaram os professores

Apenas 2% dos estudantes do ensino médio querem ser...

MEC edita dois livros sobre questões étnico-raciais

O Ministério da Educação, por meio da Secretaria de...

Sobram mais de 7 mil vagas no Sisu, aponta balanço do MEC

O Mistério da Educação (MEC) divulgou nesta quarta-feira um...
spot_imgspot_img

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...
-+=