segunda-feira, abril 12, 2021

Tag: dança africana

AFROJAM-SP recebe Ballet Afro Koteban promovendo diálogo entre gerações, tradições e afrofuturismo – 28/11

Próxima edição, AFROJAM-SP recebe o tradicional grupo de percussão e dança Ballet Afro Koteban enriquecendo sua programação.O evento, que acontece toda última quinta-feira do mês, promove encontro entre músicos e apresenta uma nova cena musicalprotagonizada por artistas pretos. Enviado por Hever para o Portal Geledés Fotos: AFROJAMSP / Uly Nogueira (Agosto, 2019)  A AFROJAM-SP é um projeto musical que celebra a música de artistas pretos independentes sob a insígnia "celebração eprotagonismo: das tradições ao afrofuturismo". O projeto estreou sua primeira edição em fevereiro de 2019 com um formato clássico,inspirado nos antigos clubes de Jazz, onde nascem as Jam’s. Assim, a cada edição um novo artista é convidado a apresentar seu trabalhoem pocket show autoral, seguida sempre por uma Jam Session inédita, realizada sem ensaio prévio. Para além de um laboratório de experimentação e livre criação de música, a AFROJAM-SP é também um local de representatividade,sobretudo para encontro da população preta, ...

Leia mais
Fotos: Lorena Boldão

Espetáculo “Oráculos” aborda as questões que movem a vida  – 30/11 em BH

Espetáculo “Oráculos” aborda as questões que movem a vida enviado por Sandra Mara para o Portal Geledés A Kolping São Benedito realiza o espetáculo de dança afro brasileira “Oráculos”, neste sábado, dia 30 de novembro, às 10h30, no Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado.  O espetáculo de dança afro brasileira tem como pesquisa a cosmologia africana a partir das visões para desvendar a vida, é resultado final da pesquisa realizada por jovens de Santa Luzia (MG), que participam da Oficina de Dança Afro, ministrada pela educadora e bailarina afro Marilene Rodrigues. O corpo de baile e formado por 20 jovens em sua maioria negros e dois músicos, além de contar com equipe de apoio, figurinistas, maquiadores e apoios de produção todos da comunidade. A direção geral e concepção é de Marilene Rodrigues e a direção musical de Gibran Muller. O nome do espetáculo “Oráculos” se ...

Leia mais

Dança ancestral: O balé Fareta Sidibé (dança da criação, no dialeto susu)

O balé Fareta Sidibé (dança da criação, no dialeto susu) mostra, com ritmo e energia, a cultura da República da Guiné. O grupo, formado por dançarinos e percussionistas, a maioria guineanos, existe há três anos e transforma em dança a vida nas aldeias, celebrando momentos importantes, como nascimentos, casamentos, plantio e colheita. “Na Guiné, e outros países africanos, se reproduz muita coisa do cotidiano através da música e da dança”, conta a dançarina brasileira Namibia Cruz Neves, de 26 anos. por Carol Ito no Revista Trip Aboubacar Sidibé, conhecido como Abou, de 35 anos, mora no Brasil há 6 e é o fundador do balé. Em seu país, ele era um dançarino habilitado a ensinar 20 ritmos guineanos diferentes.Veio ao Brasil a convite de uma amiga, foi registrado como como bailarino profissional junto ao Ministério do Trabalho e vem desenvolvendo o resgate e a disseminação da cultura da Guiné no Brasil, onde mais da ...

Leia mais

Professora inclui danças africanas em grade curricular de escola pública e transforma comunidade

O cenário é o mesmo de centenas de outras escolas públicas espalhadas pelo Rio de Janeiro e municípios dos arredores. Ambientes mal conservados, infiltrações e ventiladores que não funcionam. Para completar, a empresa terceirizada que envia a merenda não foi paga pela prefeitura no final de 2016, e o racionamento de comida foi a única opção encontrada para alimentar os alunos. Estamos falando de Duque de Caxias, município da Baixada Fluminense que possui população aproximada, de acordo com o IBGE, de 887 mil pessoas. Por Ramon de Angeli, Extra  Professora Vanessa Guimarães venceu o preconceito e envolveu a escola, alunos e pais no aprendizado de danças africanas. Foto: Roberto Moreyra / Agência O Globo Com 90% dos estudantes negros dentro de sua sala de aula, Vanessa Guimarães, professora da Escola Municipal Anísio Spínola Teixeira, localizada no bairro Corte Oito, afirma ter se cansado de ver como os livros escolares retratavam o ...

Leia mais

Workshop gratuito de danças africanas e afrobrasileiras no Sesc Bom Retiro

No período de 16 de março a 13 de abril, quartas e sextas, das 19h às 20h30, o Sesc Bom Retiro oferece o curso de dançaBrasil – África: Diálogos Dançantes, ministrado pela bailarina Regina Santos. As inscrições estarão abertas na Central de Atendimento a partir de 23 de fevereiro, e a atividade é gratuita. Do Idanca O curso pretende promover encontros que abordem danças africanas e afro-brasileiras tradicionais, estabelecer diálogo entre elas e perceber suas semelhanças, além de destacar a musicalidade, a movimentação, as origens do gestual e suas relações com uma corporeidade específica presente na cultura negra. As danças e as influências que recebem dos aspectos ritualísticos, sociais, hierárquicos serão destacadas durante o processo para estimular o interesse pela cultura africana. Regina Santos, que ministrará a atividade, é bailarina, historiadora (Unicamp-Campinas), arte-educadora e pesquisadora da cultura tradicional africana e afro-brasileira. Com formação em danças brasileiras e africanas no Brasil (Casa de Cultura ...

Leia mais

Os sentidos estéticos da dança Africana

Por que muitas das danças africanas são realizadas em círculos? Por que na música tradicional os tambores se alternam e se repetem? O que significa o bater contínuo de palmas? Na África, mais do que expressões artísticas, as danças são um poderoso meio de comunicação, que traduzem e refletem suas sociedades. Os sinais cognitivos na coreografia, costumes, instrumentos musicais e a até mesmo disposição dos corpos expressam profundos aspectos culturais. As danças, em todas as suas dimensões, carregam mensagens centrais para o funcionamento e dinamismo de uma sociedade. Do Afreaka Se hoje, a mídia é a formadora de opiniões do mundo contemporâneo, as danças outrora foram encarregadas desse papel, e ainda o são muitas vezes. Elas podem se constituir em uma forma de autocrítica, sendo uma grande ferramenta para dirigir mudanças de comportamento, tendo a vantagem de se comunicar sem esforços, através da edudiversão, explica o historiador zimbabuano Pathisa Nyathi. ...

Leia mais

A pedrada não me cala – Projeto em Africanidade na Dança-Educação – PADE

A pedrada que atingiu a menina Kaylane, por ser adepta do Candomblé atingiu todos nós. Atingiu todas das Casas de culto de matriz africana, Atingiu nossa liberdade de consciência e de crença, Atingiu todos nós porque entendemos que as casas de cultos de matriz africana e seus adeptos são guardiões de saberes e tradições que formam a cultura do nosso país. A pedrada que atingiu a menina Kaylane, por ser adepta do Candomblé atingiu todos nós. Atingiu todas das Casas de culto de matriz africana, Atingiu nossa liberdade de consciência e de crença, Atingiu todos nós porque entendemos que as casas de cultos de matriz africana e seus adeptos são guardiões de saberes e tradições que formam a cultura do nosso país. no MamaPress Projeto em Africanidade na Dança-Educação – PADE é o encontro da Universidade Federal do Rio de Janeiro com as Comunidades de Terreiro de Candomblé. entenda o ...

Leia mais
Os sentidos estéticos da dança africana

Os sentidos estéticos da dança africana

Por que muitas das danças africanas são realizadas em círculos? Por que na música tradicional os tambores se alternam e se repetem? O que significa o bater contínuo de palmas? Na África, mais do que expressões artísticas, as danças são um poderoso meio de comunicação, que traduzem e refletem suas sociedades. Os sinais cognitivos na coreografia, costumes, instrumentos musicais e a até mesmo disposição dos corpos expressam profundos aspectos culturais. As danças, em todas as suas dimensões, carregam mensagens centrais para o funcionamento e dinamismo de uma sociedade. Se hoje, a mídia é a formadora de opiniões do mundo contemporâneo, as danças outrora foram encarregadas desse papel, e ainda o são muitas vezes. Elas podem se constituir em uma forma de autocrítica, sendo uma grande ferramenta para dirigir mudanças de comportamento, tendo a vantagem de se comunicar sem esforços, através da edudiversão, explica o historiador zimbabuano Pathisa Nyathi. Nesse conjunto, ...

Leia mais

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist