2024 chega com o centenário de Nelson Sargento, baobá de Mangueira e do samba

Enviado por / FontePor Mauro Ferreira, do g1

 Nelson Mattos (25 de julho de 1924 – 27 de maio de 2021) – o cantor, compositor, músico, pintor e escritor carioca imortalizado como Nelson Sargento – viveu quase 97 anos.

Não teve tempo de chegar a um século de vida, mas 2024 entra em cena com promessa de festa pelos 100 anos desse artista que – com perdão do clichê – se tornou alta patente do samba e de Mangueira.

Nelson Sargento está eternizado como entidade na constelação do céu verde-e-rosa. Um símbolo de elegância e de resistência, proclamada no título do samba mais famoso da obra autoral do compositor, Agoniza, mas não morre (1978), apresentado há 46 anos na voz de Beth Carvalho (1941 – 2019), outra eterna estrela do céu verde-e-rosa.

Também autor de Falso amor sincero (1979), samba celebrado pelos versos “O nosso amor é tão bonito / Ela finge que me ama / E eu finjo que acredito”, Nelson Sargento carregou na voz grave e rouca bem mais do que um século de lutas do povo negro pela conquista da liberdade plena e da igualdade social.

Guerra enfrentada na cadência do samba, gênero “duramente perseguido” – como Sargento sentenciou em verso da obra-prima do artista – nas esquinas, nos botequins e nos terreiros ainda hoje alvos de intolerância racial e religiosa.

Enquanto vivo, Nelson Sargento foi importante porta-voz dessa luta e do próprio samba. Um baluarte. Um baobá fincado com raízes indestrutíveis no solo do morro de Mangueira.

Morto, o bamba permanece como estrela-guia, exemplo de força e elegância a ser seguido pelos bambas que continuam a nascer em Mangueira e em outros polos de resistência do samba.

Que o Brasil festeje com pompa em 2024, sobretudo em 25 de julho, o centenário de nascimento do baobá Nelson Sargento!

+ sobre o tema

Ronaldinho Gaúcho diz que viveu seus melhores anos no Barcelona

Em carta à torcida, Craque se mostrou emocionado ao...

Ilú Obá De Min convida para 6ª edição do Heranças Africanas

    Olá amigos e amigas do Ilú Obá De Min,...

Willow Smith tenta emplacar mais um hit com o single 21st Century Girl

Willow Smith tenta emplacar mais um hit. Depois do...

para lembrar

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da...

Sônia Nascimento – Vice Presidenta

[email protected] Sônia Nascimento é advogada, fundadora, de Geledés- Instituto da...

Suelaine Carneiro – Coordenadora de Educação e Pesquisa

Suelaine Carneiro [email protected] A área de Educação e Pesquisa de Geledés...

Sueli Carneiro – Coordenadora de Difusão e Gestão da Memória Institucional

Sueli Carneiro - Coordenação Executiva [email protected] Filósofa, doutora em Educação pela Universidade...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da filha adolescente quando a menina decidiu se casar. Mas ao vê-la tão magra e abatida...

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....
-+=